Data: 20/06/2013 12:32 / Autor: Fernando Aragão / Fonte: PMSCS

São Caetano procura recursos para reestruturar rede de esgoto

Técnicos do DAE solicitam R$ 10,5 milhões do PAC 2 no Ministério das Cidades para obra prioritária de esgoto


Welington Kalil explica que intervenção na Avenida Presidente Kennedy é necessária pela verticalização da região
Welington Kalil explica que intervenção na Avenida Presidente Kennedy é necessária pela verticalização da região

Crédito: Alexandre Yort/PMSCS

Técnicos do Departamento de Água e Esgoto (DAE) de São Caetano do Sul estiveram presentes, na última sexta-feira (14/6), no Ministério das Cidades, em Brasília, solicitando recurso do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2, do governo federal, para obra prioritária de esgoto. O objetivo é viabilizar em torno de R$ 10,5 milhões para a construção dos novos emissários da Avenida Presidente Kennedy.

Reestruturar a rede de esgoto foi um dos compromissos assumidos pelo prefeito, Paulo Pinheiro, durante a campanha eleitoral e que começa a ganhar forma com esta articulação com a União. O sistema ficou sobrecarregado em virtude da verticalização desprovida de critérios técnicos ao qual a cidade foi submetida nos últimos anos.

“Nosso governo está empenhado em promover o desenvolvimento sustentável da cidade. A reestruturação da rede de esgoto é uma das ações que contribuirão para a melhora da qualidade de vida da população”, enfatiza Paulo Pinheiro. “Estamos trabalhando para qualificar a infraestrutura do município, visto a quantidade de novos empreendimentos imobiliários autorizados nos últimos anos.”

O diretor geral do DAE, Welington Kalil, explicou que a intervenção tem extrema necessidade operacional, pois o adensamento populacional verticalizado, que vem ocorrendo gradativamente em todo o município, principalmente nos bairros Santa Paula, Olímpico, Barcelona, Boa Vista e Nova Gerty, comprometeu o bom funcionamento do sistema de esgotamento sanitário da bacia que atende a região.

“Hoje, devido aos impactos decorrentes dos empreendimentos imobiliários de grande porte, os emissários de esgotos existentes ao longo da Avenida Presidente Kennedy trabalham com seção plena e, em alguns trechos, com extravazão forçada para o Córrego dos Moinhos, na parte final, na confluência da Avenida Goiás. Temos que substituí-los e ampliá-los. O sistema está operando na carga máxima”, observou.

De acordo com o projeto da autarquia, a obra será realizada preferencialmente na forma de valas a céu aberto, pois a largura da Avenida Presidente Kennedy, por ser duas pistas, comporta tal intervenção. Porém, nos principais cruzamentos e nas grandes praças de lazer, pretende-se executar em Método Não Destrutivo (MND).

 “A opção por este método foi feita por trazer a menor ruptura possível da superfície e também para se reduzir ao mínimo a interferência no trânsito e em áreas de grande concentração. É uma inovação. Todos os estudos foram devidamente promovidos e encaminhados aos técnicos do Ministério das Cidades. Esta obra servirá para evitar futuros transtornos e para elevar a qualidade de vida da população”, concluiu Kalil.

 A área da bacia a ser atendida pela construção dos novos emissários congrega 40% da cidade, cerca de 60 mil habitantes, e não trará impactos ao meio ambiente. O DAE/SCS tem programado um plano de comunicação com os munícipes e com os agentes multiplicadores. Agora, a autarquia aguardará o prazo de 90 dias para receber uma resposta do governo federal quanto à liberação da verba.

Obra de esgoto na Avenida Presidente Kennedy é prioritária
Obra de esgoto na Avenida Presidente Kennedy é prioritária

Crédito: Éric Romero/PMSCS

Comente aqui