Data: 10/06/2021 17:56 / Autor: Suzel Tunes / Fonte: PMSCS

Alunas do Colégio USCS chegam às semifinais de competição internacional de tecnologia

Technovation Girls desafia as equipes a desenvolver um aplicativo para celular com propósito social.


Alunas do Colégio USCS chegam às semifinais de competição internacional de tecnologia
Alunas do Colégio USCS chegam às semifinais de competição internacional de tecnologia

Crédito: Divulgação / USCS

Um grupo de alunas do Colégio Universitário USCS (vinculado à Universidade Municipal de São Caetano do Sul) passou para as semifinais da Technovation Girls 2021, competição de aplicativos exclusiva para meninas entre 10 e 18 anos. 

Com o objetivo de incentivar as mulheres a ingressar no campo da tecnologia, o Technovation Girls desafia as equipes a desenvolver um aplicativo para celular com propósito social.

A equipe formada pelas alunas do Colégio USCS - Emmanuelle de Oliveira Lopes, Michaelle de Aparecida de Oliveira Lopes, Rafaela Generozo Balthazar, Maria Eduarda Stochmann e Maria Eduarda de Oliveira Ferraz – criou o aplicativo TEABC, que visa a auxiliar no desenvolvimento de crianças autistas por meio de jogos.

Denominada Cyber GirlsX , a equipe da USCS foi a única de São Caetano do Sul a se classificar entre as 15 semifinalistas do Brasil para a etapa final, a ser realizada em agosto de 2021. Veja demonstração do aplicativo no vídeo acima (em inglês).

TRABALHO EM EQUIPE

As estudantes encararam o desafio do trabalho em equipe em formato remoto dividindo tarefas conforme as aptidões e interesses de cada integrante. “Na primeira reunião, vimos o que cada uma tinha de melhor para oferecer. Fiquei com o Marketing; a Rafa (Rafaela Generozo) ficou com o pitch (apresentação); a Duda (Maria Eduarda Ferraz) fez os posts do Instagram; a Emmanuelle fez o site; a Michaelle, que já havia participado da competição no ano passado, foi nossa programadora oficial”, resume Maria Eduarda Stochmann.

“Elas escolheram o tema, entrevistaram psicólogos e criaram o plano de negócios para uma possível comercialização do aplicativo. Fizeram até rifa para levantar dinheiro para a realização do projeto. Eu atuei apenas como mentora, coordenando de longe. Dei poucos palpites. Elas foram sensacionais”, elogia a professora de matemática do Colégio USCS e mentora do grupo no projeto, Maria Regina Manzini.

Para o desenvolvimento do aplicativo, as alunas da USCS tiveram o apoio da EMNOVA (Escola Municipal de Novas Tecnologias Profa. Neusa Maria Nunes Branco).  Segundo a professora Maria Regina Manzini, as explicações contidas no site da competição e o apoio dado pela EMNOVA permitem que qualquer estudante, mesmo sem conhecimento prévio de programação, possa competir.  “É uma competição muito rica, que permite o desenvolvimento de várias habilidades”, destaca.

“Embora a tecnologia não seja a minha área preferida, me interessei pelo propósito social do projeto”, confirma Rafaela Generozo. Para criar o aplicativo, cujo propósito é o desenvolvimento de crianças autistas e a orientação dos familiares, Rafaela teve a oportunidade de conversar com psicólogos e ficou ainda mais animada com a decisão de cursar Psicologia no ensino superior. “Foi incrível. Aprendi desde coisas básicas, como trabalhar em equipe, até áreas da Psicologia que eu não conhecia. Foi um aprendizado para a vida.”

Crédito: Divulgação / USCS

Comente aqui