Data: 04/04/2013 15:19 / Autor: Redação / Fonte: PMSBC

São Bernardo apresenta Usina de Lixo na Universidade Metodista

Novo sistema de tratamento de resíduos sólidos vai gerar energia limpa a partir da queima de lixo; também está previsto o aumento da reciclagem na cidade


São Bernardo apresenta Usina de Lixo na Universidade Metodista
São Bernardo apresenta Usina de Lixo na Universidade Metodista

Crédito: Raquel Toth

O secretário de Serviços Urbanos da Prefeitura de São Bernardo do Campo, Tarcísio Secoli, participou, na noite desta quarta-feira (3), do debate Resíduos Sólidos: da Educação Ambiental à Geração de Energia. O evento, sediado na Universidade Metodista, no Bairro Rudge Ramos, reuniu cerca de mil pessoas, entre estudantes, professores, secretários municipais e representantes de diversos segmentos sociais.

O encontro foi mediado pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Bernardo, Luis Ricardo Vasques Davanzo. Também esteve presente Dan Moche Schneider, mestre em Saúde Ambiental e especialista em gestão ambiental e manejo de resíduos sólidos. O público pôde participar encaminhando perguntas aos debatedores.

Um dos projetos da Administração apresentado por Tarcísio foi a instalação, na região do antigo Lixão do Alvarenga, do Sistema de Processamento e Aproveitamento de Resíduos e Unidade de Recuperação Energética (SPAR-URE), que vai gerar energia limpa a partir da queima de lixo e terá potencial para aumentar o percentual de material descartado pela população que será reciclado. O projeto prevê, ainda, o aperfeiçoamento do sistema de limpeza urbana, com a ampliação da coleta seletiva entre diversas outras medidas.

Todo esse sistema será implementado pelo Consórcio SBC Valorização de Resíduos Revita e Lara por meio de Parceria Público Privada (PPP) com a Prefeitura. A previsão é que a SPAR-URE entre em funcionamento até o final de 2014.

Esse tipo de modelo de tratamento de resíduos sólidos, que dá destinação correta a cada tipo de lixo, é um dos primeiros no Brasil a seguir as diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída pelo governo federal em 2010.

 “O que estamos fazendo em São Bernardo é um grande avanço. Antes, não tínhamos nem uma política de resíduos sólidos. Por meio dessa iniciativa, além de darmos um destino final correto aos resíduos sólidos, vamos criar meios alternativos de produção de energia. Nossos parâmetros de emissão de poluentes serão similares aos da Europa”, apontou Tarcísio. 

Ele também falou sobre o que será feito para remediar o Lixão do Alvarenga. “Está prevista a captação e tratamento do chorume, o tratamento das águas contaminadas e a construção de um parque com cerca de 250 mil metros quadrados nessa área, até então contaminada e sem uso”, destacou o secretário.

São geradas em São Bernardo, hoje, 700 toneladas de lixo por dia: 45,8% de matéria orgânica, 1,3% de madeira, 20,4% de papel e papelão, 16% de plástico, 3% de metais, 2% de vidros, 4,4% de fraldas descartáveis, 5,6% de materiais têxteis, couro e calçados, 1,4% resíduos de construção civil e 0,22% de resíduos especiais.

Aniversário - A realização do debate, que faz parte das comemorações pelo 88º aniversário da Represa Billings, teve o apoio da Prefeitura, do Movimento Billings Que Te Quero Viva, da Universidade Metodista e da Cátedra Gestão de Cidades.

Comente aqui