Data: 19/06/2018 09:08 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Empresário de São Bernardo é preso por mandar matar advogado

Motivação para o crime foi a condenação em processo de acidente de trânsito com o pagamento de indenização de R$ 1,5 milhão na ação que o advogado atuava


Crédito: Sinpol

O advogado Nilson Aparecido Carreira Mônico, de 60 anos, foi assassinado com três tiros no interior de seu escritório de advocacia, na manhã da quarta-feira, 13 de junho, em Presidente Venceslau, no oeste do Estado de São Paulo. O assassino foi preso após ter feito os disparos.

Segundo a investigação, o autor dos disparos entrou sozinho na sobreloja onde fica o escritório do advogado, invadiu a sala e rendeu as pessoas que estavam no interior. Em seguida, fez os disparos, acertando dois tiros no peito e um no rosto de Mônico. O empresário Luiz Henrique Almeida Reis, de 45 anos, aguardava o atirador ao volante de um carro, mas o assassino foi perseguido e saiu correndo em direção a uma praça. Ele acabou preso na Travessa Tenente Osvaldo Barbosa, em frente à prefeitura. Os policiais encontraram a arma usada no crime, um revólver calibre 38, que o atirador havia jogado na rua.

Conforme a polícia, o suspeito contou que as motivações de Reis contra Mônico foram vingança e dívida. Ele e Reis, que fugiu durante a perseguição, teriam se deslocado de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, para a prática do crime.

VINGANÇA
Em 2006, um dos caminhões do empresário envolveu-se em acidente de trânsito resultando na morte de uma pessoa em Presidente Venceslau. A viúva, defendida por Nilson Mônico, entrou com um processo e ganhou a ação. O advogado conseguiu penhorar um imóvel do réu no Guarujá no valor de R$ 2 milhões e a polícia diz que isto revoltou o empresário.

Para a polícia, o assassinato está esclarecido, mas agora as autoridades vão investigar outro crime: ocultação de bens e patrimônio. Para evitar o pagamento da dívida, o empresário Luiz Henrique Almeida Reis teria transferido parte dos bens para o nome de terceiros.

Comente aqui