Data: 05/08/2022 19:19 / Autor: Redação / Fonte: Prefeitura de Santo André

Santo André receberá R$ 10 milhões para Centro de Inovação, Tecnologia e Empreendedorismo

Projeto do Cite foi escolhido após atender chamada pública para apoio a parques tecnológicos em implantação e operação no país


Crédito: Divulgação

Santo André vai receber recursos da ordem de R$ 10 milhões do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) para serem aplicados na implementação do Centro de Inovação, Tecnologia e Empreendedorismo (Cite), que será a dimensão física do Parque Tecnológico de Santo André.

A cidade foi aprovada para receber a verba a fundo perdido, após participar do processo seletivo iniciado em dezembro do ano passado. Santo André respondeu à uma chamada pública do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, por meio da Finep (Financiadora de Estudos e Pesquisas), FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e CT-Verde Amarelo.

"A nossa principal vocação é a inovação. Criar ambiente que estimule o empreendedorismo e fomento ao desenvolvimento socioeconômico de maneira sustentável, criando oportunidades para a nossa gente, é uma das diretrizes do nosso Plano de Metas e está associado às ações planejadas dentro do programa Santo André 500 anos. Um marco que trará importantes avanços para a nossa cidade, ampliando a geração de emprego e renda", afirma o prefeito Paulo Serra.

A seleção de propostas aberta pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações visa apoiar parques tecnológicos em implantação e operação no país. É a primeira vez, em 15 anos, que o Finep disponibiliza recursos para esse tipo de projeto no país.

Com a liberação da verba, que se somará aos R$ 27 milhões provenientes do Ministério do Desenvolvimento Regional e a contrapartida de R$ 2 milhões da Prefeitura, a construção do Cite irá resgatar mais um dos símbolos da cidade, a antiga fábrica da Rhodia Química. Além disso, será criado um berçario para o desenvolvimento de projetos com viés  tecnológico e de empreendedorismo que será referência entre os ambientes de inovação do país.

Lançada em dezembro de 2021, a chamada pública do MCTI disponibilizou orçamento total de R$ 180 milhões, sendo R$ 100 milhões para parques em operação e R$ 80 milhões para parques em implantação. Foram habilitados 56 projetos na fase inicial e especificamente 22 em implantação. Na etapa de análise do mérito, o projeto da Prefeitura de Santo André ficou inicialmente em nono lugar, indo para sétima colocação na classificação final, que contou com 15 aprovados.

“Apenas dois municípios do país que pleitearam os recursos foram contemplados. Santo André, juntamente com Campo Grande, foram as duas únicas cidades a serem selecionadas. A maior parte dos 16 projetos selecionados foi apresentada por instituições de ensino e de pesquisa”, complementa o secretário de Desenvolvimento e Geração de Emprego, Evandro Banzato.

Segundo Banzato, a concretização desse projeto está intimamente relacionada às ações do programa Santo André 500 anos, uma iniciativa da Prefeitura que tem como objetivo planejar e colocar em prática iniciativas para a cidade daqui a 25 anos.

“Esse é, sem dúvida, um dos projetos mais inovadores, inclusive com relação a espaços criados pelo poder público em âmbito municipal, voltados para o fomento da inovação, da ciência e da tecnologia”, destaca Banzato.

Para o secretário, a inovação e a tecnologia vão ser extremamente relevantes para o crescimento de todos os setores da economia: comércio, serviços, indústria e agropecuária.

Três grandes áreas do projeto do Cite irão receber os recursos do MCTI.  Serão direcionados cerca de R$ 4 milhões para a implantação de dois laboratórios abertos e multiusuários (acessíveis a pequenas e médias empresas (PME) e Institutos de Ciência e Tecnologia (ICTs). Cerca de R$ 500 mil serão utilizados nos incentivo a novas incubadoras nas ICTs e para fortalecer as existentes, visando estimular o empreendedorismo de base tecnológica e a geração de negócios a partir do conhecimento, bem como estimular iniciativas de extensão tecnológica.

Além disso, R$ 5,5 milhões serão utilizados para equipar e mobiliar o Cite, criando ambientes propícios para abrigar empresas (coworking), disponibilizar “facilities” e espaços para eventos e conexões da rede, compondo um espaço inexistente no ABC e equiparado a outros existentes nos principais polos de inovação no Brasil.

Comente aqui