Data: 10/09/2019 11:02 / Autor: Redação / Fonte: Fundação do ABC

Pesquisa Clínica da MedABC inaugura novo ambulatório oncológico

Espaço ficou quatro meses em reforma e será entregue amanhã (11/09) no Centro Universitário Saúde ABC


Novo ambulatório oncológico
Novo ambulatório oncológico

Crédito: divulgação/Fundação do ABC

O novo ambulatório do Centro de Estudos e Pesquisas de Hematologia e Oncologia do Centro Universitário Saúde ABC / Faculdade de Medicina do ABC (CEPHO-FMABC) será entregue amanhã (11/09), às 15h, após quatro meses em reforma. A unidade é localizada no Anexo 3 do campus universitário, em Santo André (Av. Lauro Gomes, 2.000, Vila Sacadura Cabral).

A nova estrutura conta com três consultórios, recepção com capacidade para dez pessoas, sala de infusão com seis postos para recebimento de medicação com poltrona de acompanhante, sala de armazenamento de kits para coleta, sala de coleta, posto de enfermagem e posto de farmácia. Também foram adquiridos novo carrinho de parada cardiorrespiratória, seis poltronas para pacientes em tratamento quimioterápico e novos assentos para acompanhantes.

O local é destinado ao atendimento de pacientes oncológicos e hematológicos que integram pesquisas clínicas conduzidas pela unidade nestas especialidades. “O espaço foi reformado com foco na segurança e conforto dos pacientes, além da otimização do trabalho assistencial. Desta forma conseguiremos oferecer maior eficiência no serviço e com ampla qualificação no atendimento”, disse a coordenadora de pesquisa clínica sênior do CEPHO, Fernanda Carolina Andrijauskas de Pieri.

O Centro de Pesquisa Clínica da FMABC é composto pelos setores: Centro de Estudos e Pesquisas de Hematologia e Oncologia (CEPHO), Centro de Pesquisas CEPES, Centro Multidisciplinar de Estudos Clínicos (CEMEC) de Santo André e CEMEC São Bernardo.

ONCOLOGIA INFANTIL

O ambulatório de Oncologia Pediátrica, também no Anexo 3 do campus universitário, foi beneficiado com melhorias para otimização do espaço. O objetivo da reforma, custeada pelo CEPHO e pela FMABC, foi fazer a separação integral do espaço infantil do adulto. A sala administrativa e de reuniões foi realocada para fora da área assistencial, local onde circulam pacientes com baixa imunidade. Consequentemente foi liberada uma nova sala de atendimento clínico, aumentando a capacidade do ambulatório. Na recepção foi instalado novo sistema de ar-condicionado, bem como em alguns consultórios pediátricos, e construídos dois banheiros para acompanhantes. Já a sala de odontopediatria, antes localizada próxima à ala de adultos, foi transferida para o espaço exclusivo pediátrico.

TRADIÇÃO E SEGURANÇA

Reconhecido nacional e internacionalmente, o CEPHO - Centro de Estudos e Pesquisas de Hematologia e Oncologia funciona desde 2003 e contabiliza cerca de 170 estudos clínicos entre protocolos finalizados, em andamento e em fase regulatória. Mais de 1.500 pacientes já foram tratados no local ou se beneficiaram de seu aparato científico. Hoje são 85 pacientes atendidos em aproximadamente 60 pesquisas em andamento em áreas como câncer de pulmão, próstata, mama, hepático, cabeça e pescoço, pele (melanoma), linfomas e mieloma múltiplo, entre outras. Cerca de 90% ocorrem simultaneamente em diversos centros de pesquisa do mundo, permitindo aos pacientes acesso a tratamentos de ponta em vários países.

A unidade destina-se ao desenvolvimento de projetos de pesquisa junto à graduação (Liga de Oncologia) e à pós-graduação (programas de Mestrado e Doutorado), bem como às pesquisas clínicas patrocinadas pela indústria farmacêutica. As diretrizes da instituição são seguidas sob a luz dos conceitos éticos e legais em estudos clínicos envolvendo seres humanos, de acordo com as normatizações ICH-GCP (International Conference of Harmonization and Good Clinical Practices), conforme resolução 466/2012 CNS/MS.

Além de usar medicações convencionais, disponíveis na maioria dos centros de excelência, os pacientes inscritos no CEPHO têm acesso a novas drogas, que podem aumentar as possibilidades de controle da doença e melhorar da qualidade de vida.

Crédito: divulgação/Fundação do ABC

Comente aqui