Data: 17/06/2021 18:55 / Autor: Redação / Fonte: Prefeitura de Santo André

Moeda Verde chega à comunidade Lamartine, no Jardim Santo André

Núcleo é o décimo sexto a integrar o programa; expansão faz parte do Plano de Metas da Prefeitura


Crédito: Angelo Baima / PSA

A Prefeitura de Santo André, por meio do Banco de Alimentos do Fundo Social de Solidariedade, e o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) iniciaram nesta quinta-feira (17) as trocas do programa Moeda Verde junto ao núcleo Lamartine, no Jardim Santo André. A ação é parte da programação especial do Junho Verde e contou com a presença do prefeito Paulo Serra, da primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Ana Carolina Barreto Serra, do vice-prefeito, Luiz Zacarias, e do superintendente do Semasa, Gilvan Junior.

"Estamos hoje atendendo uma reivindicação antiga do Jardim Santo André. Iniciativas como o Moeda Verde permitem não só trazer dignidade, mas também trocar o lixo reciclável. O programa permite dar destinação correta aos resíduos e ainda levar alimento de qualidade para as pessoas", afirmou a primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Ana Carolina Barreto Serra.

Na estreia na nova comunidade, que é a décima sexta a integrar o programa, a população entregou 287,7 quilos de resíduos recicláveis e, em troca, foram distribuídos 57,5 quilos de tomate, batata-doce, melão e limão, além de alface e catalônia. No local, a expectativa do Semasa é impactar aproximadamente quatro mil pessoas.

A dona de casa Maria Aparecida Lopes, de 53 anos, e que há 19 reside na comunidade do Jardim Santo André, conta que incentivou os vizinhos e amigos para participarem desta primeira troca. “É uma iniciativa muito importante, porque deixa a cidade limpa e ajuda as pessoas aqui da comunidade. É uma coisa que a gente joga fora (o lixo) e se podemos trocar por comida, isso é muito bom porque não está fácil pra ninguém”, comenta.

A iniciativa andreense, lançada em 2017, tem a perspectiva de chegar a outros cinco núcleos da cidade, como Maurício de Medeiros e Haras (Chácara Baronesa). Além disso, o formato do programa e seus objetivos estão integrados às premissas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas e que faz parte do compromisso municipal pelas Cidades Sustentáveis. “O Moeda Verde em novas comunidades é parte importante do Plano de Metas municipal e queremos chegar a 30 comunidades até o fim de 2024”, explica o superintendente do Semasa, Gilvan Junior.

O Moeda Verde também já ajudou a transformar a paisagem urbana de alguns núcleos. Locais que antes eram pontos de descarte irregular de lixo foram revitalizados e ganharam novos usos, como pequenas praças e áreas de estacionamento. Foram cinco pontos de descarte eliminados, o que garantiu uma economia de aproximadamente R$ 2 milhões aos cofres públicos. Além disso, foi viabilizada a construção de três novas Estações de Coleta: Utinga, Jardim Irene e Tamarutaca.

Comente aqui