Data: 16/10/2019 13:49 - Alterado em: 22/10/2019 11:33 / Autor: Redação / Fonte: Hospital Brasil

Hospital Brasil oferece núcleo dedicado a prevenção e combate ao câncer de mama

Durante a campanha Outubro Rosa, que dedica o mês a conscientizar sobre a doença, instituição reforça a importância do diagnóstico precoce e disponibiliza tratamento em local especializado


Crédito: divulgação

Responsável por atingir mais de 50 mil brasileiras só no ano passado, o câncer de mama é o tumor que mais prejudica a saúde feminina no Brasil e no mundo. Nem sempre dá para evitar a doença, porém, é possível rastrear e acompanhar desde o início, com chances altíssimas de cura. Com a intenção de alertar o público feminino, neste mês acontece a campanha mundial de conscientização, conhecida como Outubro Rosa. O Hospital e Maternidade Brasil, da Rede D’Or São Luiz, localizado em Santo André (SP), apoia a causa e, inclusive, conta com um Centro de Mama dedicado exclusivamente à doença, com oncologistas especializados e equipe multidisciplinar.

“O Centro de Mama reúne as especialidades de radiologia, patologia, mastologia, oncologia e radioterapia, além de contar com profissionais e equipamentos da mais alta tecnologia para prevenção, diagnóstico e tratamento das afecções mamárias, garantindo que a população do ABC tenha disponível o que há de mais moderno no cuidado com a saúde das mamas”, destaca a Dra. Melissa Veiga, mastologista do Centro de Mama do Hospital Brasil.

O núcleo especializado em câncer de mama conta com um serviço completo de diagnóstico, que inclui mamografia digital, tomosíntese, ressonância magnética e ultrassonografia com elastografia. O espaço ainda dispõe de toda a estrutura de intervenção mamaria, como biopsias guiadas por ultrassonagrafia e por estereotaxia, mamotomia, radiomarcadores que auxiliam na detecção de linfonodo. Para os casos de câncer de mama em pacientes que não são candidatas ao tratamento cirúrgico, destaca-se a possibilidade de terapias focais, como radiofrequência e microondas.

Para o Dr. Luiz Tenório Siqueira, coordenador da radiologia do Centro de Mama, o grande diferencial do núcleo está, justamente, no seu parque tecnológico de diagnóstico e a integração de especialidades. “Atualmente, o Centro é o único que oferece o equipamento de biópsia estereotáxica na região do ABC. Além disso, nós abrangemos todas as modalidades da radiologia e medicina nuclear diagnóstica, proporcionando um atendimento completo, desde a prevenção, detecção, intervenção minimamente invasiva, tratamento cirúrgico, radioterapêutico e seguimento oncológico”, explica o coordenador.

Alerta para o diagnóstico precoce

O câncer de mama se dá pelo crescimento desordenado das células da mama. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o câncer de mama é responsável por cerca de 1,38 milhões de novos casos e 458 mil mortes pela doença por ano no mundo. Embora atinja mais mulheres, a doença pode se propagar também em homens, com uma proporção de 1/100, ou seja, para cada 100 mulheres com câncer de mama, um homem pode desenvolver o tumor. No Brasil, a estimativa do Ministério da Saúde é de mais de 50 mil casos novos neste ano e, é por isso, que o diagnóstico precoce é tão importante.

“A mensagem para as mulheres dever ser simples, direta e sem hesitação: o câncer de mama na fase inicial não causa nenhum sintoma. Ou seja, durante a fase inicial só é possível diagnosticar pela mamografia ou ultrassom. Qualquer sintoma ou sinal na mama indica que o câncer já cresceu o suficiente para alterar a mama ou os órgãos ao seu redor. Nesta fase, obviamente, ainda pode ser curado, mas as chances reduzem muito quando comparadas com o descoberto precocemente”, enfatiza o Dr. Ricardo Marques, oncologista da clínica Oncologia D’Or no Hospital Brasil.

Segundo o especialista, há alguns alertas para os chamados sinais precoces, como alterações na coloração da pele da mama, retração do mamilo e sentir um nódulo ou caroço. Mesmo que não haja como prevenir a doença, as mulheres podem adotar medidas que reduzem esse risco. “Manter o peso ideal, exercitar-se regularmente, e, idealmente, fazer as duas coisas juntas. Além disso, uma dieta equilibrada que não leve a ganho de peso. Detectar bem no início fazem com que as chances de cura sejam altíssimas. De novo, mamografia de rastreamento é importante”, alerta o oncologista.

Comente aqui