Data: 24/04/2013 17:07 / Autor: Fernanda Bertoncini / Fonte: Secom PSA

Governo andreense presta esclarecimentos sobre Bilhete Único

Principal preocupação do Legislativo referia-se ao subsídio para custear o sistema de integração tarifária; benefício deve ser implantado em maio


Secretário de Obras, Paulinho Serra, e diretor da SA-TRANS, Leandro Petrin prestam esclarecimentos sobre Bilhete Único
Secretário de Obras, Paulinho Serra, e diretor da SA-TRANS, Leandro Petrin prestam esclarecimentos sobre Bilhete Único

Crédito: Diego Barros / PSA

Para sanar dúvidas dos vereadores com relação à implementação do Bilhete Único em Santo André, o secretário de Obras e Serviços Públicos, Paulinho Serra, acompanhado do diretor da SA-TRANS (Santo André Transportes), Leandro Petrin, compareceram à Câmara Municipal nesta terça-feira (23) para prestar esclarecimentos sobre o projeto, protocolado na Casa no dia 26 de março.

Alvo de questionamentos dos vereadores, o subsídio na ordem de R$ 1 milhão por mês para custear o sistema de integração tarifária na cidade foi defendido pelo porta-voz do Executivo. “A preocupação dos parlamentares é legítima, mas, para que Santo André dê esse importante passo na modernização do transporte público, é necessário que haja o financiamento. O contrato de concessão tem de respeitar o equilíbrio econômico orçamentário. Outros municípios que já possuem o Bilhete Único em operação também utilizam subsídios”, esclareceu Paulinho Serra.

De acordo com o secretário, a maior parte do valor virá da Secretaria de Obras. “Estamos cancelando algumas dotações e avaliando outras para compor o financiamento da implantação do sistema. No entanto, haverá participação de outras secretárias na composição do montante”, adiantou.

A proposta – com orçamento aprovado – aguarda aprovação do Legislativo e pode ser implantada ainda em maio, quando expira o prazo solicitado por empresários do setor para fazer adequações necessárias para viabilizar o Bilhete Único. Os ajustes técnicos incluem uma série de medidas, tais como o cadastramento de digitais, criação de cartões e realinhamento operacional.

Segundo estimativa inicial, o sistema deve beneficiar cerca de 7% dos usuários de transporte público municipal – cerca de 300 mil passageiros. Após a implantação e maturação da integração tarifária no município, a SA-TRANS fará pesquisa de demanda origem e destino para avaliar o desempenho do Bilhete Único e fazer as adequações necessárias.

 “A ideia é que, uma vez implantado, possamos avaliar o impacto do sistema na operação. A expectativa é de que até o fim deste ano, tenhamos os dados tabulados para começar a revisão nos itinerários. Com a pesquisa pronta, podemos voltar à Câmara e apresentar aos parlamentares o resultado desta primeira amostra”, enfatizou Paulinho Serra.

O secretário de Obras afirmou ainda que o Bilhete Único contará com o reforço de 70 novos ônibus para fortalecer a operação, além de desafogar o trânsito, a partir da descentralização das integrações na região central, da criação de novos corredores de ônibus e de intervenções que otimizarão a mobilidade urbana na cidade.

Segundo dados da SA-TRANS, a frota atual é de 396 ônibus, que operam em 48 linhas, executando uma média de 4,3 mil viagens nos dias úteis e cerca de 300 mil por mês.

FUNCIONAMENTO DO BILHETE ÚNICO – Com o pagamento de apenas uma tarifa, o usuário poderá utilizar mais de um ônibus ou linha para chegar ao seu destino por um período de até 90 minutos para ida. Pagando outra passagem, válida por igual período, o passageiro pode realizar trajeto de volta utilizando mais de um veículo/linha.

O controle biométrico – por meio das digitais – vai otimizar o sistema de bilhetagem eletrônica, eliminando fraudes, sobretudo aos passageiros que têm direito à gratuidade integral ou parcial, como estudantes, idosos e portadores de necessidades especiais.

O sistema garantirá aos usuários redução de gastos com o transporte, além de agilizar o deslocamento, uma vez que não será mais necessário percorrer trechos a pé em busca de economia. A recarga dos créditos dos cartões poderá ser realizada em diversos locais, descentralizando o serviço antes possível apenas na AESA (Associação das Empresas do Sistema de Transportes), facilitando a adesão à bilhetagem eletrônica.

O sistema foi formulado de forma a permitir, no futuro, uma integração metropolitana a partir da convergência do transporte regional com outras modalidades, como o Metrô (Linha 18), Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e a CPTM, ampliando a adesão de passageiros e beneficiando a população que se utiliza deste meio para se locomover.

Comente aqui