Data: 28/06/2016 13:46 / Autor: Redação / Fonte: Coletivo Livre de Teatro

I FELT – Festival Livre de Teatro acontece entre os dias 1 e 10 de julho

A programação conta com espetáculos de ex-aprendizes da Escola Livre de Teatro e grupos da região do ABC, além de oficinas e debate. A entrada é franca para todas as atividades.


Farinha com Açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens Grupo abre o festival
Farinha com Açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens Grupo abre o festival

Crédito: André Murrer

De 1 a 10 de julho, a Escola Livre de Teatro de Santo André sedia o I FELT – Festival Livre de Teatro, uma ação do Governo do Estado de São Paulo em conjunto com a Secretaria da Cultura e o Coletivo Livre de Teatro. A programação conta com 12 espetáculos de ex-aprendizes e de grupos originários da região do ABC, dez oficinas abertas ao público e um debate que reflete a pedagogia livre e a história de 26 anos da escola – tudo com entrada franca.

Os espetáculos estão divididos nas categorias: teatro adulto, teatro de rua, teatro infanto-juvenil, linguagem de máscaras e experimento cênico artes integradas. Entre os destaques está a peça Farinha com Açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens, encenada pelo Coletivo Negro, que inaugura a programação. O grupo, que nasceu do estudo de aprendizes da Escola Livre de Teatro, é formado afrodescendentes que investigam o imaginário construído em relação ao negro brasileiro. Para essa montagem, o grupo entrevistou 12 homens negros de diversas idades e ocupações, na tentativa de buscar o que era comum em suas histórias.

O renomado grupo Pontos de Fiandeiras, originário do ABC, também integra a programação com o espetáculo Ponto Segredo. Primeiros Fios. A montagem trata da relação poética entre o tecer e o viver através de três velhas amigas fiandeiras que, enquanto fiam e tecem, também cantam, lembram e narram suas memórias do campo e da cidade, do trabalho nas fábricas e nas ferrovias e do amor.

Além de trazer grupos já estabelecidos na cena teatral, o festival também abre espaço para os coletivos que acabaram de se formar na escola. É o caso do Coletivo DZ6 que integra a programação com Esparro, espetáculo que mescla diferentes universos de Plínio Marcos, como o muquifo de Dois Perdidos Numa Noite Suja , o quarto de Quando as Máquinas Param e o mocó de Abajur Lilás.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA ABAIXO.

Os Festivais e a retomada de um pensamento sobre o teatro e a cidade
Desde os anos 1960 até o início dos anos 1990, Santo André mantinha uma frequência de festivais de teatro recebendo grupos da região do grande ABC, estabelecendo assim uma aproximação efetiva entre os artistas com suas diferentes produções realizadas na região. Isto fortalecia a criação de um movimento artístico atuante e a formação de novos grupos.

Hoje, a retomada de um festival, tendo como palco a Escola Livre de Teatro de Santo André, espaço de constante experimentação e pesquisa da linguagem teatral, é uma forma de dar continuidade a um momento histórico importante da vida artística da cidade. É uma forma também de mapear e aproximar uma significativa parcela de grupos da região, além dos grupos formados por ex-aprendizes que estão atuando ativamente por todo estado. “Essa troca é fundamental para o fortalecimento de um movimento teatral na nossa cidade”, ressalta Solange Dias, coordenadora da escola.

SOBRE A ESCOLA LIVRE DE TEATRO DE SANTO ANDRÉ
Inaugurada em 1990, a Escola Livre de Teatro de Santo André formou muitos artistas que movimentam, hoje, a cultura teatral da cidade e região. Em seus 26 anos de história, mobilizou milhares de pessoas em torno de mostras nacionais e internacionais de teatro, e se consolidou como projeto de referência para projetos de formação teatral no Brasil, como os do Galpão CineHorto, do Grupo Galpão (MG) e os da Escola Livre de Teatro de Florianópolis (SC). Atualmente, além da formação de atores, possui núcleos de pesquisas em dramaturgia, direção, sonoridades, dança, teatro, circo, entre outros.

PROGRAMAÇÃO
ESPETÁCULOS
01.07 Sexta-feira
20h | Farinha com Açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens
Grupo: Coletivo Negro
Sinopse: A obra busca uma relação íntima com o público por meio da palavra falada e cantada. Em um ano foram entrevistados 12 homens negros de diversas idades e ocupações na intenção de verificar alguma unidade das trajetórias e buscar inspiração para a construção da narrativa.
Categoria: Adulto
Classificação: 16 anos

02.07 – Sábado
20h | Portar(ia) Silêncio
Grupo: Coletivo Estopô Balaio
Sinopse: PORTAR(IA) SILÊNCIO é um espetáculo que narra jornada de migração de nove nordestinos à cidade de São Paulo. Através da Portaria dos edifícios estas narrativas de vida lançam um olhar sobre as implicações existenciais de um processo migratório e sobre a invisibilidade e busca por pertencimento à cidade. As narrativas de migração compõem a experiência do ator que também é migrante fazendo desta “Portaria” um documento cênico sobre arte e vida.
Categoria: Adulto
Classificação: 16 anos

03.07 Domingo
16h | As presepadas de Damião de como fez fortuna venceu o Diabo e enganou a morte com as graças de Jesus Cristo
Grupo Damião e Cia. de Teatro
Sinopse: A s Presepadas de Damião de como fez fortuna, venceu o Diabo e enganou a Morte com as graças de Jesus Cristo é um espetáculo de rua baseado em contos populares de enganar a morte. Na trama, Damião tem seu destino transformado ao ser visitado por dois misteriosos viajantes e acaba alterando o ciclo natural das coisas. Através da interpretação de matrizes estéticas da cultura popular brasileira, a trupe narra a saga desse anti-herói símbolo de todos os sobreviventes de nosso país que, dia após dia, enganam a morte à sua própria maneira.
Categoria: Teatro de Rua
Classificação: 12 anos

19h | TROTSKY Peça para televisores e Não televisores
Sinopse: Protagonista de um seriado policial norte-americano, Trotsky, um revolucionário comunista na casa dos 30 anos, é encontrado morto. Apesar de todos os membros de sua família serem suspeitos, verifica-se que a morte é de fato fruto de um suicídio. Contudo, após alguns anos, uma arma é descoberta próximo ao local de sua morte, e a investigação é reaberta.
Os investigadores repassam novamente as histórias narradas pelos envolvidos e tenta-se mapear quais foram os motivos que levaram toda a família a tão triste acontecimento. Mas, para além de encontrar os culpados, o propósito da história é refletir sobre a dialética da utopia comunista versus a sedimentação naturalizada do capitalismo nos suportes de representações de uma sociedade.
Categoria: Artes Integradas
Classificação: 18 anos

04.07 – Segunda-feira
20h | Oju Orum
Grupo: Coletivo Quizumba
Sinopse: Tendo como elemento disparador o mito da negra Anastácia, o espetáculo apresenta a história de quatro mulheres, em quatro períodos históricos distintos. Em comum, o fato de serem mulheres que experienciaram algum tipo de violência, seja ela simbólica ou não. Caladas em suas falas e corpos, essas jovens procuram construir uma voz que lhes permita questionar e ressignificar suas vidas.
Categoria: Adulto
Classificação: 14 anos

05.07 – Terça-feira
15h | O chamado da Terra
Grupo: Ouroboros Companhia
Sinopse: Kallulu, Manu e Rubi moram na Cinzenta e Barulhenta Cidade Sem Tempo. A fada Gaia, os convoca para uma brincadeira: sair de ACIBACISTEM e encontrar o mago Mistério que os desafia a transformar sua cidade.
Categoria: Infantil
Classificação: Livre

06.07 – Quarta
18h | Acalanto
Grupo: Acalanto de Teatro
Sinopse: O texto é inspirado na música de mesmo nome do compositor baiano Elomar Figueira Melo, onde um velho rei, inconformado com a insurgência de sua filha, ameaça fechar todas as janelas do castelo e insiste que a princesa cumpra suas obrigações e a coloca sob a tutela de Mayaracne, uma velha criada que cuida da cozinha além de ensinar a princesa a tecer fios sem nós.
Categoria: Máscaras
Classificação: 10 anos

05.07 Quinta-feira

20h | Esparro

Grupo: Coletivo DZ6

Sinopse: No mundo ou se nasce com a bunda virada pra Lua, ou se nasce cagado. Nesta aldeia do desconsolo de Plínio Marcos vemos estes que só se estrepam nesse jogo sujo de dar nojo. Três (in)cômodos que se tangenciam em sua crueza: o muquifo de Dois Perdidos Numa Noite Suja, o quarto de Quando as Máquinas Param, e o mocó de Abajur Lilás, paredes metafóricas que enclausuram aqueles que lutam por um lugar ao sol, um sol de merda, podre, sol que nos observa, avalia, seleciona, olhando sempre de cima.

Categoria: Adulto

Classificação: 14 anos

08.07 – Sexta-feira

20h | Má Pele

Grupo: 4NARUAÉ8

Sinopse: MÁ PELE é encontro das trajetórias de 4 crianças internas do Preventório, todas filhas de pais hansênicos e internadas compulsoriamente pelo governo no começo do século XIX. Através de suas histórias, o público passa a conhecer os estigmas dessa doença e a luta daqueles que, mesmo não infectados, foram forçados a viver longe de seus familiares, e em busca desses relacionamentos perdidos e de sua própria identidade.
Construído a partir de depoimentos, pesquisas históricas e provocações artísticas, o espetáculo conta com o olhar crítico e sensível dos atores do 4NARUAÉ8 e da direção de Edgar Castro.
Categoria: Adulto
Classificação: 12 anos

09.07 Sábado
15h | Pão e Circo
Grupo: Grupo Menelão
Sinopse: Depois de anos trabalhando em uma padaria, a viúva Carneiro Leal é despedia e despejada, ficando na rua com seus sete filhos. O jovem aprendiz de jornaleiro Washington resolve ajudá-la, mas vão descobrir que o sistema é um pouco mais cruel do que eles imaginam.
Categoria: Teatro de Rua
Classificação: Livre

20h | Ulisses à Deriva
Grupo: Cia. Estrela D’alva de Teatro
Sinopse: Ulisses À Deriva é a trajetória de Leopold Bloom, que sai de casa na desculpa de cumprir sua agenda de trabalho, mas passa o dia procurando algo a fazer enquanto sua mulher Molly fica em casa. Ele dança o retorno, adia o retorno. Vaga pelas ruas, alucina, sem conseguir esquecer a imagem assustadora e sedutora de Molly. É um poema cênico à partir da obra “Ulysses”, de James Joyce, em que teatro e dança são o suporte da cena.
Categoria: Adulto
Classificação: 14 anos

10.07 – Domingo
19h | Ponto Segredo. Primeiros Fios
Grupo: Pontos de Fiandeiras
Sinopse: A relação poética entre o tecer e o viver. O alinhavo dos dias vem à luz por meio da amizade de três velhas fiandeiras. Enquanto fiam e tecem, elas cantam, lembram e narram suas memórias, que falam de campo e cidade, falam do trabalho nas fábricas e nas ferrovias, mas também falam de amor – o maior segredo que cada um de nós pode guardar. O público é convidado a buscar, ele também, as lembranças guardadas.
Categoria: Adulto
Classificação: 13 anos
OFICINAS
Como se inscrever?

As inscrições deverão ser encaminhadas para oficina.felt@gmail.com, contendo no título do e-mail o nome da oficina e no corpo do e-mail uma carta de interesse e experiências artísticas de até 15 linhas. O interessado pode se inscrever em mais de uma oficina, respeitando a data limite para inscrição de cada uma e ficando atento para a divulgação dos selecionados através do site: www.portallivredeteatro.com

02.07 Sábado
14h | O ator e a escrita de Si
Grupo: Estopô Balaio
Proposta da Oficina: “O ator e a escrita de si” é uma oficina que busca a expressividade como um ato de escrita pessoal. A cena como um dispositivo que o artista utiliza para reelaborar esteticamente as suas narrativas pessoais. A oficina utiliza de breves relatos de vida no momento de escolha por fazer teatro e através de exercícios e jogos improvisacionais adentra nas camadas de vida dos participantes na construção de estruturas dramáticas pautada na ideia de biodrama.
Vagas: 20
Duração: 2 horas
Inscrições até 30/06 e resultado no dia 1/07

03.07 Domingo
10h | Os elementos da cultura popular no trabalho do ator na rua
Grupo: Damião e Cia. de Teatro
Proposta de Oficina: A partir de elementos da cultura popular no trabalho do ator na rua, esta oficina pretende iniciar e desenvolver um trabalho que desperte no ator estados de presença e jogo similares aos vivenciados pelos elementos da Folia de Reis e no Cavalo Marinho.
Vagas: 20
Duração: 3 horas
Público: Atores e estudantes de teatro, dança, interessados em geral, a partir de 14 anos
Inscrições até 30/06 e resultado no dia 1/07

14h | Teatro performance e intervenção
Grupo: nucleozonaautônoma
Proposta da Oficina: E sta oficina tem a intenção de proporcionar vivências poéticas relacionadas à ação cênica, conciliando elementos da performance, teatro, cinema, música e política trabalhados no espetáculo TROTSKY Peça Para Televisores e Não Televisores. Coordenação Talita Talissa e Marcio Castro.
Vagas: 30
Duração: 3 horas
Públicos: Estudantes de teatro e interessados em geral a partir de 16 anos
Inscrições até 30/06 e resultado no dia 01/07

04.07 Segunda-feira
14h | Preparando um corpo social
Grupo: Coletivo Quizumba
Proposta da Oficina: A proposta da oficina é compartilhar a instrumentalização do corpo do ator através dos princípios de duas linhas de pesquisa utilizadas nos treinamentos do Coletivo Quizumba para a construção do espetáculo Oju Orum: a Capoeira Angola e a Instalação Corporal.
Vagas: 20
Duração: 3 horas
Público: Estudantes de Teatro e dança e interessados em geral acima de 16 anos
Inscrições até 01/07 e resultado no dia 02/07

06.07 Quarta-feira
10h | Do objeto a cena
Grupo: Grupo Acalanto de Teatro
Proposta da Oficina: Depois da escolha de objetos essenciais para cada cena, (como se trata de um encontro de 3 horas trabalharemos com cadeiras e casacos) se desenvolve um treinamento onde serão explorados “verbos ativos” em relação ao uso do objeto. E na sequência a construção de partituras físicas que servirão como base para a criação de uma cena individual e outra coletiva.
Vagas: 20
Duração: 3 horas
Público: Estudantes de teatro, dança e circo, acima de 14 anos
Inscrições até 03/07 e resultado no dia 04/07

07.07 Quinta-feira
14h | Fiar de Canto e de História
Grupo: Ponto de Fiandeiras
Proposta de Oficina: A oficina “Fiar de Canto e de Histórias” pressupõe a visita à memória dos participantes. Esse processo será motivado pelas atividades que envolverão a musicalização, a expressão por meio de vivências interativas, a improvisação de narrativas que proporão o compartilhamento de histórias, saberes, entre outros. O essencial é o encontro, a convivência. Observar a memória individual e coletiva, suas relações e características.
Vagas:20
Duração : 3 horas
Público: Estudantes de teatro e interessados em geral, acima de 16 anos
Inscrições até 04/07 e resultado no dia 05/07

08.07 Sexta-feira
14h | Estética das memórias
Grupo:4NARUAÉ8

Proposta da Oficina: O 4NARUAÉ8, tem como proposta a Oficina “Estética das memórias“, que será ministrada pelos 4 atores do grupo. Temos como princípio pedagógico desta oficina a instrumentalização dos participantes para trabalhar cênicamente a partir da memória. A oficina será dividida em momentos práticos e teóricos. Os participantes serão incentivados a realizar este processo de imersão, para a construção de pequenas células cênicas constituídas de uma dramaturgia própria, criada a partir da experimentação de processo de trabalho do 4NARUAÉ8.
Vagas: 20
Duração: 3 horas
Público: Interessados em geral, acima de 16 anos
Inscrições até 05/07 e resultado no dia 06/07

09.07 Sábado
10h | Forma, Conteúdo e Ética na cena contemporânea
Grupo: Coletivo Menelão de Teatro
Proposta da Oficina: Em uma oficina prático/teórica, o coletivo oferece aos participantes uma vivência reflexiva sobre o fazer teatral contemporâneo, investigando seus três eixos principais: a forma, o conteúdo, e a ética. Através de relatos e análises de experiências do grupo e dos participantes, estudos de textos de pensadores de teatro e arte, e adaptações de exercícios clássicos do teatro, investigamos as relações entre as formas Dramática, Lírica e Épica, seus desdobramentos e intersecções. Refletimos como essas formas interferem e são interferidas pelos assuntos que resolvemos abordar em um trabalho artístico.
Vagas: 20
Duração: 2 horas
Público: Estudantes de teatro, acima de 18 anos
Inscrições até 06/07 e resultado no dia 07/07

14h | Teatro em Ulisses: Uma odisseia em cena
Proposta da Oficina: A Cia. Estrela D’Alva de Teatro propõe a formação do espectador (atores e nãoatores) a partir da obra “Ulysses”, de James Joyce. Propõe-se dinâmicas simples relacionadas direta ou indiretamente ao universo da obra literária e a relação da leitura com o fazer teatral – a partir do processo de criação da peça. Serão levantadas questões sobre o exercício realizado e a relação entre teatro e literatura.
Vagas: 20
Duração: 2 horas
Público: Interessados em teatro e em literatura acima de 16 anos
Inscrições até 06/07 e resultado no dia 07/07

DEBATE
05.07 Terça-feira
19h | Encontro sobre pedagogia livre com Francisco Medeiros e Mariana Senne.
O diretor Francisco Medeiros e a atriz Mariana Senne compartilham suas experiências e processos artísticos desenvolvidos na Escola Livre de Teatro de Santo André, e refletem sobre a pedagogia do trabalho do ator em um contexto de escolas livres e sua importância na atualidade.

Mariana Senne é uma das fundadoras da Cia. São Jorge de Variedades onde realizou diversos projetos de pesquisa de 1999 a 2012. Trabalha também em parceria com outros artistas e coletivos da cena paulistana e da cena livre na Alemanha como o grupo berlinense Andcompany&Co. e o coletivo Friendly Fire da cidade de Leipzig. No último ano cursou uma especialização em encenação no Mestrado “Encenação das Artes e das Mídias” na Universidade de Hildesheim, subsidiada pela bolsa de estudos do DAAD. Atualmente vive e trabalha entre a Alemanha e o Brasil onde realiza projetos de criação e pesquisa. Foi professora de interpretação e corpo na Escola Livre de Teatro entre 2007 e 2012.

Francisco Medeiros é Bacharel em Direção Teatral, Crítica e Dramaturgia pela Escola de Comunicações e Artes da USP. Como Diretor de espetáculos de Teatro, Dança e Ópera, iniciou a carreira em 1973 com a encenação de FANDO E LIS, de F. Arrabal. Desde então já dirigiu mais de 100 espetáculos. Como Pedagogo, Professor e Pesquisador, sem considerar mais de 50 Oficinas, Workshops e cursos livres realizados no Brasil e no exterior, foi Coordenador Pedagógico do Curso de Atuação da SP Escola de Teatro e integrou o corpo de mestres da Escola Livre de Teatro de Santo André por sete anos, nas áreas de Interpretação, Direção e Pedagogia do Teatro.

FELT – FESTIVAL LIVRE DE TEATRO
De 1 a 10 de julho
Entrada franca.
Escola Livre de Teatro
Praça Rui Barbosa, 12, Santa Terezinha – Santo André / SP
Telefone: 11.4990-4474

Comente aqui