Data: 23/07/2021 19:39 / Autor: Redação / Fonte: Prefeitura de Santo André

Cachorro-do-mato é resgate de número 200 da Secretaria de Meio Ambiente neste ano

Serviço de resgate de animais silvestres da Prefeitura de Santo André é realizado pelo Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal


Crédito: Divulgação / PSA

A Secretaria de Meio Ambiente de Santo André contabilizou 200 resgates de animais silvestres fora de seu habitat natural neste ano. A marca, que no ano passado foi atingida em dezembro, foi alcançada nesta semana com o resgate de um cachorro-do-mato em uma empresa de grande porte, localizada na avenida dos Estados. A empresa Dibracam acionou a equipe do Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal, que foi até o local.

Segundo a encarregada do departamento, Daniela Victor da Silva Freire, o avanço das cidades sobre as áreas verdes resulta em aumento no número de animais silvestres perdidos, mas com maior conhecimento da população a respeito do serviço, o número de resgates está crescendo de forma rápida.

"Isso é bom, porque mostra uma preocupação e respeito crescentes das pessoas pelos animais silvestres e nos possibilita dar o tratamento adequado a um animal que tinha muitas chances de morrer ou de viver em cativeiro", afirmou Daniela. O cachorro-do-mato resgatado na empresa, após se esconder e dar um pouco de trabalho para ser encontrado pela equipe, foi solto na região de Paranapiacaba. "Ele estava saudável, por isso o levamos diretamente para a mata", contou.

O cachorro-do-mato (Cerdocyn thous) é um animal silvestre com uma distribuição geográfica bem vasta na América do Sul e tem uma alimentação onívora (que se alimenta tanto de matéria vegetal como animal). Eles têm hábitos terrestres, crepusculares e noturnos, com uma expectativa de vida de aproximadamente dez anos.

Também nesta semana as equipes do Departamento de Bem-Estar Animal resgataram um carcará (Carcara plancus). A ave foi encontrada com uma asa quebrada em um condomínio residencial no Jardim Alvorada. "Apesar de machucada ela conseguia subir nas árvores e quando nos aproximávamos, ela subia um pouco mais. Demoramos cinco dias para resgatá-la", contou Daniela. Como estava ferido, o carcará foi encaminhado para o Centro de Reabilitação de Animais Silvestres no Parque Ecológico do Tietê, em São Paulo.

Comente aqui