Data: 25/10/2021 14:28 / Autor: Redação / Fonte: PMETRP

Meio Ambiente de Ribeirão Pires encontra espécie nativa de abelhas sem ferrão

A espécie foi encontrada no Parque Luís Carlos Grecco


O ninho foi encontrado em meio a uma das atividades no parque pela equipe de gestão ambiental
O ninho foi encontrado em meio a uma das atividades no parque pela equipe de gestão ambiental

Crédito: Gabriel Mazzo/PMETRP

A secretaria do Meio Ambiente, Habitação e Desenvolvimento Urbano, por meio da equipe técnica do departamento de Gestão Ambiental, encontrou no Parque Municipal Luiz Carlos Grecco (Antigo Pérola da Serra) um ninho da abelha nativa sem ferrão, chamada Jataí-da-Terra ( Paratrigona subnuda ), ao longo de uma das trilhas do parque.

A espécie é considerada muito mansa e de fácil manejo, além de ser frequentemente encontrada em flores. Ela constrói seu ninho subterrâneo, ocupando panelas abandonadas de formigas-saúva, cujos ninhos foram destruídos. Esses ninhos costumam ter entre 40 centímetros e 1 metro de profundidade.

Elas abrem a entrada do ninho pela manhã, e fecham ao anoitecer, quando terminam as suas atividades. O tubo de entrada do ninho é construído com cerume, um tipo de cera. É encontrada nos estados de Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

A espécie de abelha é de pequeno porte, possui a cabeça negra e o corpo alaranjado, com asas maiores que a extensão corporal, característica comum ao grupo. Elas não possuem ferrão e pertencem à tribo Meliponini,  que são naturalmente abundantes e frequentes em cultivos comerciais no estado de São Paulo, principalmente do morangueiro. “No parque municipal, elas contribuem com a polinização das flores de diversas espécies, ajudando a preservá-las”, explicou o zootecnista do departamento, João Paulo Marigo Cerezolli.

Atividades no Parque - Neste mês de outubro, diversas atividades relacionadas à fauna silvestre foram realizadas no Parque Municipal Luiz Carlos Grecco, como formações com professores, palestras e trilhas monitoradas com alunos da rede pública municipal e estadual.

Comente aqui