Banda Mirim- musical Buda

Musical

  • Teatro Procópio Ferreira
  • Rua Augusta
  • Cerqueira César - São Paulo/SP
  • 23 de Junho às 15:00

  • Recomendação Etária
  • Preço Médio Baixo
  • Ingressos: R$60 e R$30 (meia-entrada)
Curtir curtir seja o primeiro a curtir

Banda Mirim- musical Buda

Autor:



A Banda Mirim volta aos palcos para apresentar o seu nono musical, contando a história do príncipe Sidarta Gautama, que abandonou todo o luxo e riqueza dos palácios para conhecer o mundo real em uma profunda jornada de autoconhecimento até alcançar a Iluminação e transformar-se em Buda. A temporada marca o início das comemorações de 15 anos de trajetória do grupo.

Com dramaturgia e direção de Marcelo Romagnoli e direção musical de Tata Fernandes, BUDA volta em cartaz no Teatro Procópio Ferreira, de 1º a 23 de junho, com sessões aos sábados, às 16h e domingo, às 15h. O musical é recomendado para toda a família.

Com onze artistas em cena e música ao vivo tocada em cerca de 30 instrumentos de várias origens, o elenco conta com Alexandre Faria, Cláudia Missura, Cristiano Meireles, Edu Mantovani, Lelena Anhaia, Luciana Araujo, Nina Blauth, Nô Stopa, Olivio Filho, Simone Julian, Tata Fernandes,  Thiago Amaral, que mostram o resultado de 3 anos de pesquisa. Buda foi vencedor do Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem nas categorias Cenário e Espetáculo Jovem, e eleito o melhor espetáculo infantil no Guia da Folha pelo voto popular e júri técnico.

“Figura emblemática principalmente para a cultura oriental, o desafio de superação do jovem Sidarta até alcançar a Iluminação e transformar-se em Buda é também um profundo ritual de passagem, pelo qual todos nós passamos durante a vida”, fala o diretor Marcelo Romagnoli.

Segundo a tradição, Sidarta foi concebido pelo Espírito da Verdade, que desceu à  Terra sob a forma de elefante branco. Gurus previram seu destino, mas seu pai, o Rei Sudodana, queria que o filho seguisse seus passos e durante 29 anos escondeu de Sidarta o sofrimento e as misérias do mundo. Confinado pelos muros do palácio, desfrutou então de uma infância e adolescência de prazeres intermináveis.

Certa noite, porém, sua grande descoberta tem início quando foge para conhecer a cidade, o lado real da vida. A dura realidade da existência, marcada pela velhice, doença e morte fazem Sidarta mudar totalmente seu pensamento. O encontro com o Outro é o começo do encontro consigo mesmo. Naquele momento, decide cortar os cabelos, vestir-se com os trapos do desapego e partir em busca de um caminho que acabe com a eterna roda do sofrimento humano.

Debaixo da famosa árvore baniana, medita até encontrar a Verdade, enfrentando as tentações de Mara, o demônio dos desejos. Finalmente vence a própria mente e encontra a Iluminação, transformando-se então em um Buda, “o homem que despertou”.

Numa sociedade contemporânea cada vez mais individualista e solitária, a lenda do príncipe da pobreza ganha força especial, mostrando que depois de tantos séculos sua mensagem ainda é urgente.

A encenação

O texto de Marcelo Romagnoli busca inspiração em clássicos da literatura oriental, principalmente no Damapada, um compêndio de versos que trata dos ensinamentos e da prática budista, para criar uma dramaturgia leve e ágil, recheada de filosofia e de humor. O espetáculo não faz nenhuma apologia de ordem espiritual. Concentra-se, antes de tudo, em potencializar os aspectos da aventura humana de Sidarta, criando várias identificações com o espectador atual, de todas as idades.

Estão presentes na encenação influências da cultura popular brasileira, como o Caboclinho e o Reisado, e do Bollywood, as modernas danças da Índia. Outra influência importante para a encenação é o conceito do ator-narrador, proposto pelo teatro do diretor inglês Peter Brook, e a tradição oral africana, representada pela figura dos griots, contadores populares de histórias na África Ocidental.

A direção musical é da compositora e cantora Tata Fernandes. Com músicas inéditas e uma intensa pesquisa sonora para a trilha ao vivo, que mescla ritmos afros, orientais e nordestinos, a Banda Mirim canta e toca em cena mais de 30 instrumentos diferentes, entre uma variada percussão, sopros, sanfona, violão, kalimba, guitarra, viola e eletrônicos, como wave drum, criando um espetáculo que envolve toda a família.

O cenário, assinado por Marisa Bentivegna, recria o ambiente misterioso das florestas indianas e dialoga com a beleza árida das aldeias africanas, utilizando centenas de varas de vime e esteiras de junco.

O forte visual do cenário dialoga com os figurinos criados por Thiago Amaral, que propõe um mix da tradição hindu com a cultura pop, usando muitas cores, acessórios e sobreposições.

Sinopse BUDA

A história mítica do príncipe Sidarta, que há 2.500 anos alcançou a Iluminação e se tornou Buda, é apresentada com música ao vivo pelos 11 artistas-narradores da premiada Banda Mirim. O musical, fruto de três anos de pesquisa, trata com humor e leveza sobre o despertar para o outro, a superação do pensamento e a busca pelo auto-conhecimento. 

Sobre a Banda Mirim

A premiada Banda Mirim é especialista em criar espetáculos que mesclam teatro, música e circo para crianças e jovens. O coletivo é formado pelos artistas, Alexandre Faria, Cláudia Missura, Edu Mantovani, Lelena Anhaia, Marcelo Romagnoli, Marisa Bentivegna, Nina Blauth, Nô Stopa, Olivio Filho, Simone Julian e Tata Fernandes.

O repertório do grupo conta com os musicais Felizardo (2004); O Menino Teresa (2007), que foi transformado em um programa da TV Cultura e em uma série de oito episódios publicadas no suplemento infantil da Folha de S.Paulo; Sapecado (2008), eleito o melhor espetáculo infantil pelo Guia Folha e pela revista VEJA; Espoleta (2010), que também ganhou um especial televisivo na mesma emissora e foi reconhecido pelos mesmos veículos impressos; Rádio Show (2011); A Criança Mais Velha do Mundo (2011), O Fantasma do Som (2013) e Festa (2014) – que fará circulação nacional este ano.

Ao longo de seus 15 anos de trajetória, Banda Mirim realizou aproximadamente 900 apresentações (para cerca de 200 mil espectadores) e cinco mostras de repertório, além de lançar quatro CDs, cinco DVDs, três livros e duas revistas. Entre os prêmios recebidos, estão cinco troféus da APCA, quatro da FEMSA, um Prêmio Governador do Estado de São Paulo e um da Cooperativa Paulista de Teatro.

Ficha técnica:

Dramaturgia e direção: Marcelo Romagnoli. Direção musical: Tata Fernandes. Elenco: Alexandre Faria, Cláudia Missura, Cristiano Meireles, Edu Mantovani, Lelena Anhaia, Nina Blauth, Nô Stopa, Olivio Filho, Simone Julian e Tata Fernandes. Atores convidados e figurino: Luciana Araujo e Thiago Amaral. Direção de arte, cenário e iluminação: Marisa Bentivegna. Assessoria de imprensa: Adriana Balsanelli. Produção: Andrea Pedro.

Serviço:

BUDA no TEATRO PROCÓPIO FERREIRA.

Temporada: De 1º a 23 de junho. Sábados às 16h. Domingos às 15h.

Duração: 70 minutos. Ingressos: R$60 e R$30 (meia-entrada).

Gênero Musical. Classificação etária: Livre para todas as idades.

Teatro Procópio Ferreira - Rua Augusta, 2823 – Cerqueira César.

Telefone 11 3083 4475

Capacidade: 624 lugares.

Bilheteria: Terça e quarta das 14h às 19h. Quinta a Domingo das 14h até o início do espetáculo. Abertura da casa: 1 hora antes de cada espetáculo.

Vendas - https://www.ingressorapido.com.br/

Comente aqui