Data: 24/06/2022 18:23 / Autor: Redação / Fonte: Prefeitura de Diadema

Diadema se manifesta contra o trabalho infantil

Município tem 1.114 jovens em programas de fortalecimento de vínculos familiares. No Brasil, quase 2 milhões de crianças e adolescentes sofrem com esse tipo de violência


Crédito: Divulgação

Comissão Municipal de Prevenção e Erradicação ao Trabalho Infantil, ligada à secretaria de Assistência Social e Cidadania de Diadema, em parceria com o Programa Prefeito Amigo da Criança, realizou nesta sexta-feira (24) uma série de atividades em comemoração ao Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, celebrado no último dia 12. Representantes do governo, de entidades parceiras e jovens que frequentam os serviços dessas entidades ocuparam a Praça Lauro Michels, no Centro da cidade, para dar o seu recado por meio de muita música, arte e conscientização.

“Esse trabalho de enfrentamento e combate ao trabalho infantil é fundamental para resgatar e proteger nossas crianças, para que elas tenham um crescimento saudável e exerçam seu direito de brincar e estudar,” declarou Márcia Barral, secretária municipal de Assistência Social e Cidadania. “Infelizmente, estamos vivendo um momento de muito retrocesso provocado pelo Governo Federal, de crise econômica, de aumento do desemprego, da fome, da miséria e isso reflete diretamente no aumento do trabalho infantil. Basta andar nos semáforos da cidade e ver a quantidade de crianças nessa situação. Isso é grave. A gente tem que combater.”

Para Rose Vieira, assistente social e responsável pelas ações estratégicas do município contra o trabalho infantil, esse é um problema que ela conheceu de perto.  “Eu mesma fui uma criança que trabalhou. Chorei muito quando tive que sair da escola, aos 12 anos, pra trabalhar. E só consegui voltar a estudar muito mais tarde”, desabafou. “O trabalho infantil é uma forma de violência que rouba a infância, a adolescência. E ainda se mistura ao tráfico de drogas e exploração sexual.”

Rose conseguiu voltar à escola muito mais tarde, se formar, fazer uma faculdade. Mas sabe que é exceção. “Muitas crianças caem em um ciclo de pobreza que envolve trabalho infantil, evasão escolar, gravidez adolescente, que traz ao mundo mais uma criança que vai repetir todo esse ciclo, geração após geração. Nosso papel enquanto governo é quebrar isso. Muitos jovens que trabalhavam fazem parte hoje dos programas de Fortalecimento de Vínculos da prefeitura. Só em Diadema, hoje são 1.114 crianças e adolescentes nesses serviços. No Brasil, a estimativa é que quase 2 milhões de crianças e adolescentes estejam em situação de trabalho infantil."

“E a gente ainda pretende inserir as famílias em programas como a Frente de Trabalho e o Nosso Bairro Melhor, para que tenham uma alternativa de fonte de renda que não seja o jovem,” conclui.

No palco do evento, grupos de crianças e adolescentes dos programas de fortalecimento de vínculos de diversas entidades socioassistenciais apresentaram coreografias, músicas e poesias contra o trabalho infantil.

Vitor, 18, e Luís Henrique, 17, lançaram seu rap: “A gente pede paz / Um Brasil melhor / Sem abuso, nunca mais”. Os meninos vieram do Campanário, frequentam o Núcleo Maria Tereza do Programa Adolescente Aprendiz e fazem coro ao discurso dos adultos: “Não coloquem seus filhos pra trabalhar, isso não é certo. A criança tem que estudar, se divertir,” afirmou Luís Henrique, que já viveu o trabalho infantil como assistente de pedreiro e trabalhando em feira. “A gente passou por isso, mas teve muita sorte de conseguir sair. Por isso que é preciso dar mais oportunidades para as crianças da favela.”

“Assim como as crianças não trabalham porque desejam, as famílias também não expõem suas crianças porque desejam”, apontou Vanessa França, do Programa Prefeito Amigo da Criança. “É preciso chegar à raiz disso tudo se quisermos combater a exploração.”

“É uma luta, e está só começando,” reconheceu a vice-prefeita Patty Ferreira, também secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho. “Ainda há muito que fazer para dar um basta a esta violência. O que eu quero deixar aqui é a garantia de que essa gestão tem essa preocupação, de dar cada vez mais oportunidades a essas crianças e adolescentes para que elas fortaleçam seu crescimento e aprendizado e não precisem mais estar nas ruas, trabalhando de forma precária. É dessa forma que a gente vai fazer melhor, eu e o prefeito Filippi.”

Comente aqui