Data: 02/08/2021 08:32 / Autor: Redação / Fonte: PMD

Casa do Hip Hop de Diadema comemora 22 anos aberta a todas as linguagens

A abertura da comemoração ficou a cargo de Jean B, coordenador da Casa


Casa do Hip Hop de Diadema comemora 22 anos aberta a todas as linguagens
Casa do Hip Hop de Diadema comemora 22 anos aberta a todas as linguagens

Crédito: Divulgação

"É uma honra ter participado deste momento de retomada. Viva a Casa do Hip Hop de Diadema”, disse o rapper Rappin Hood ao final da festa virtual realizada sábado (31) em comemoração aos 22 anos da primeira casa do gênero na América Latina e hoje uma referência mundo afora.

A apresentação de Rappin Hood encerrou uma verdadeira maratona musical de mais de cinco horas, e ele fez questão de saudar os novos tempos. “Aqui na Casa viramos o jogo, estamos de volta. E vamos usar o espaço da melhor forma, com outras culturas populares como a nossa”. E a Casa vai servir a quem? “A todas, todos e todes, a quem entrar no prédio, qualquer classe social; não escolhemos pessoas, o hip hop qualifica as pessoas”.

A abertura da comemoração ficou a cargo de Jean B, coordenador da Casa, mais Reinaldo Leiva e Drica Back Spin, que mostraram os espaços reformados e renovados. Em seguida só teve música em alto estilo, além das batalhas de Mc´s, de B´Girls e B´Boys. As apresentações de DJ Dandan, Crew Back Spin, Ô Calice LCN Feat, GSantos, T Mac e Guetto R mostraram que a Casa retoma suas funções com todo o vigor de seus 22 anos.

Jean B comemorou. “A Casa é uma adolescente, e está preparada para fazer o Sprint dela”. Ele disse que o momento ruim ficou para trás e avisou que a Casa está aberta a outras linguagens. “Pode esperar muito hip hop e muita diversidade cultural. Vai ser um lugar da comunidade, pra tudo mundo poder utilizar e se divertir”, afirmou.

Jean B está empolgado e não deixa por menos: “A Casa vai virar o primeiro centro de referência da cultura urbana do país”.

E vai mesmo, se depender do secretário de Cultura Deivid Couto. “O balé vai voltar pra cá, o curso da música, as expressões do hip hop, o pessoal que usa a quadra de basquete, os grafiteiros... A Casa vai continuar como um centro de referência da cultura”.

Para ele, a comemoração dos 22 anos foi um dia simbólico. “Mais um dia de resistência cultural. A Casa vai ter vida longa, com a população fazendo parte dela. A Casa vai abrigar todos que dela queiram participar”.

Comente aqui