Data: 11/04/2020 11:55 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Vulcão Anak Krakatau entra em erupção na Indonésia

Autoridades do país informaram que o 'filho do Krakatoa' ficou em atividade por 40 minutos, liberando magma e nuvens de cinzas e fumaças de mais de 500 metros


O vulcão Anak Krakatau, que em 2018 causou a morte de 439 pessoas ao provocar um tsunami na Indonésia, entrou em erupção novamente neste sábado, 11. Autoridades do país afirmaram que, além do magma, o 'filho do Krakatoa' também provocou nuvens de cinzas e fumaça de mais de 500 metros de altura.

O serviço de vulcanologia da Indonésia divulgou um comunicado informando que o Krakatua, um dos vulcões mais ativos do país, entrou em erupção por duas vezes durante a noite, ficando em atividade por quase 40 minutos. As autoridades do país informaram que seguem supervisionando uma possível nova erupção do vulcão.

O Anak Krakatau fica localizado em uma ilha desabitada, no estreito de Sonda. Em 22 de dezembro de 2018, uma forte erupção - também durante a noite - provocou o desabamento parcial do pico da montanha, o que causou um tsunami que pegou centenas de pessoas que passavam férias nas ilhas de Java e Sumatra desprevenidas. Pelo menos 439 pessoas morreram e 7.200 ficaram feridas, segundo os dados oficiais do país.

Por causa da erupção, o vulcão, que agora tem cerca de 110 metros, considerando o nível do mar, perdeu cerca de 200 metros de altura.

Descoberto em 1927, o Anak Krakatau emergiu das águas mais de meio século depois da grande erupção do lendário vulcão Krakatoa, que foi destruído por uma série de erupções massivas em 1883. Os efeitos da atividade vulcânica intensa foi sentida ao redor do mundo por semanas e custou a vida de 36 mil pessoas.

A Indonésia está localizada no Anel de Fogo do Pacífico, uma zona de grande atividade sísmica e vulcânica que é atingida anualmente por cerca de 7 mil tremores, a maioria moderados.

Vulcão Anak Krakatoa entra em erupção na Indonésia
Vulcão Anak Krakatoa entra em erupção na Indonésia

Crédito: Reprodução

Comente aqui