Data: 05/06/2019 16:10 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Vale diz que análises mostram que rio Paraopeba pode ser recuperado

Segundo a Vale, aproximadamente 77% dos rejeitos ficarão parados no reservatório da usina de Retiro Baixo e os outros 23% no reservatório da hidrelétrica de Três Marias


Até o momento, de acordo com a Vale, foram realizados aproximadamente 1,4 milhão de análises de água, sedimentos e rejeitos, considerando 393 parâmetros
Até o momento, de acordo com a Vale, foram realizados aproximadamente 1,4 milhão de análises de água, sedimentos e rejeitos, considerando 393 parâmetros

Crédito: Divulgação/Corpo de Bombeiros

A Vale informou nesta quarta-feira, 5, que passados quatro meses do rompimento da sua barragem da mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais, já é possível afirmar que o rio Paraopeba, atingido pela tragédia ocorrida, que matou quase 300 pessoas, começou a voltar à sua condição original. A mineradora afirma ainda que os rejeitos lançados pelo rompimento não vão atingir o rio São Francisco, o que era um grande temor de ambientalistas.

De acordo com a Vale, cerca de 77% dos rejeitos ficarão retidos no reservatório da usina de Retiro Baixo e os outros 23% no reservatório da hidrelétrica de Três Marias. "Ambos reservatórios possuem ampla capacidade de retenção do sedimento" informou a empresa em nota.

Segundo a companhia, desde o fim de março, o Instituto Mineiro de Gestão de Águas (Igam) não detecta níveis de mercúrio e chumbo acima dos limites legais. A presença desses metais pesados foi o que levou a autarquia estadual a proibir a captação direta da água do rio. A proibição ainda se mantém como medida preventiva.

Até o momento, de acordo com a Vale, foram realizados aproximadamente 1,4 milhão de análises de água, sedimentos e rejeitos, considerando 393 parâmetros.

Comente aqui