Data: 03/10/2021 12:11 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

TSE tenta atrair voto jovem nas próximas eleições

As estatísticas divulgadas pelo órgão mostram que o número de eleitores com idade entre 16 e 17 anos diminuiu de 2,3 milhões, em 2016


Crédito: Agência Brasil

A paulistana Júlia Sampaio, de 16 anos, sabe bem as mudanças que deseja ver na política brasileira. "Mais poder de fala para as mulheres e mais empenho para reduzir as desigualdades sociais, por exemplo", disse ela, que, mesmo na faixa etária em que o voto é facultativo, já agendou a emissão do título de eleitor para votar nas eleições do ano que vem. "Considerando tudo o que passamos durante a pandemia, acho legal que os adolescentes exerçam esse direito", afirmou a estudante.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) quer atrair mais jovens como Júlia. As estatísticas divulgadas pelo órgão mostram que o número de eleitores com idade entre 16 e 17 anos diminuiu de 2,3 milhões, em 2016, para pouco mais de 1 milhão na eleição mais recente, realizada em novembro do ano passado.

O tribunal tem feito uma campanha para incentivar o voto jovem - "lembrando" que quem se encontra nesta faixa etária pode votar em 2022. Mesmo quem ainda tem 15 anos já pode tirar o título de eleitor, desde que faça aniversário até outubro do ano que vem.

Para a pesquisadora Larissa Dionísio, coordenadora de um estudo sobre o ecossistema de inovação política no Brasil, não é à toa que o comparecimento de adolescentes às urnas tenha diminuído. Em sua avaliação, o País passa por uma crise que tem reduzido a confiança nas instituições, sobretudo entre os jovens. "Quem está chegando agora desconfia do poder do voto, acha que não vai mudar nada", afirmou Larissa.

É o caso da estudante Sofia Astuti, que também tem 16 anos, mas segue o caminho oposto de Júlia. Sofia não sabe se vai votar em 2022, mas disse que, no momento, não se sente pronta para escolher um candidato. Segundo ela, a atual conjuntura do País dificulta ainda mais essa decisão. "Parece que as pessoas não sabem mais conversar de forma sensata sobre questões políticas", disse a jovem. "Isso me deixa irritada e acabo perdendo o interesse."

Espaços de poder

Para casos como o de Sofia e outros adolescentes "desanimados" com a política, Larissa afirmou que uma forma de atraí-los é mostrar que a participação de jovens é um caminho para fomentar a pluralidade nos espaços de poder, reduzir as polarizações e fortalecer a democracia.

"Quanto mais adolescentes exercendo a cidadania por meio do voto maior a chance de construção de uma agenda de desenvolvimento com mais diversidade na tomada de decisões", observou a pesquisadora. "Não ocupar é deixar o espaço vazio para que outros personagens ingressem, os mesmos homens brancos e velhos" afirmou.

A missão do Instituto Update, organização sem fins lucrativos da qual Larissa faz parte, é despertar a "urgência do presente" no imaginário político da juventude. O instituto apoia lideranças que promovem transformação política nas ruas, nas redes e nas instituições, usando a democracia como princípio para reduzir as desigualdades sociais, raciais e econômicas.

De acordo com a pesquisadora, as redes sociais mostram que os adolescentes brasileiros não são apolíticos, mas, sim, bastante engajados. O que falta, segundo ela, é levar as causas que estão em pauta na internet e nas redes sociais para onde as decisões são tomadas. "É preciso trazer a política mais para perto desse grupo, estimular o diálogo saudável e a coletividade", afirmou Larissa.

Representatividade

Foi justamente a vontade de romper hegemonias na administração pública que levou o mineiro Daniel Cabral a buscar um espaço no Legislativo de seu município. Formado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), ele foi eleito vereador em 2020, aos 23 anos, e usa as redes para manter contato com seu eleitorado, em grande parte, jovens.

Assim como Júlia, Cabral mencionou a pandemia como um período definidor para a participação política desse segmento. O vereador destacou a alta procura pela vacina contra a covid-19 por parte dos adolescentes, que, segundo ele, usaram a internet para cobrar lideranças pelo avanço da imunização no País. Para ele, houve um "círculo virtuoso". "Quando tem gente jovem na política, outras pessoas dessa idade se sentem representadas e são estimuladas a votar, pois percebem mudanças em suas vidas."

Sala de aula

Para chamar esse público às urnas, iniciativas pelo Brasil apostam no fomento da educação cidadã, que tenta despertar a consciência política nos adolescentes. Uma delas, o projeto Politize! desenvolve material pedagógico e oferece formação para professores tratarem de temas relacionados à democracia na sala de aula.

Segundo a coordenadora de comunicação do projeto, Mariana Fernandes, o objetivo é apoiar o desenvolvimento de "liderança ativa" nos estudantes e ensinar sobre inovação, políticas públicas e mobilidade social. O material do programa, distribuído gratuitamente nas escolas da rede estadual de São Paulo, fala, por exemplo, sobre a importância da imprensa e do diálogo e informa sobre o acesso de cidadãos à Justiça.

O Politize! tem acordo com os governos de São Paulo, Bahia, Sergipe, Amazonas e Roraima, mas professores de todos os Estados podem solicitar acesso ao material pedagógico. "Queremos formar uma geração de cidadãos conscientes e comprometidos com a política", afirmou Mariana. "Acreditamos que assim vamos construir uma democracia realmente plena no País."

Comente aqui