Data: 13/12/2019 12:52 / Autor: Redação / Fonte: Agência Brasil

PF investiga grupo que vende armas a garimpeiros em terras indígenas

A PF deflagrou a Operação K’daai Maqsin, para desarticulação de organização criminosa suspeita de fabricar ilegalmente armas e munições para abastecer garimpos e facções criminosas


Operação conta com a participação de mais de 80 policiais federais
Operação conta com a participação de mais de 80 policiais federais

Crédito: Agência Brasil/arquivo

Para a PF o grupo praticava diversas atividades ilegais no estado de Roraima.

A operação, deflagrada hoje (13), conta com a participação de mais de 80 policiais federais para o cumprimento de 10 mandados de prisão preventiva e 20 de busca e apreensão em Roraima e, também, no Amazonas.

Expedidos pela Vara de Entorpecentes e Organizações Criminosas da Justiça Estadual de Roraima, os mandados são em decorrência de suspeitas de que um galpão localizado em Boa Vista estaria sendo usado como oficina para a fabricação e comercialização de armas de fogo e munições de forma irregular.

Diante da situação foi instaurado um inquérito policial, que acabou confirmando as suspeitas. No desenrolar das investigações, a PF identificou “uma rede de armeiros irregulares que estariam operando no estado, inclusive contando com o apoio de um estabelecimento comercial familiar que operaria com aparente legalidade”, informou, por meio de nota, a PF.

Ainda segundo os investigadores, foram encontrados indícios que alguns dos suspeitos abasteceriam com armamentos alguns garimpos ilegais que exploram ouro em terras indígenas da região. A PF informa que estão sendo investigados crimes como associação ou organização criminosa, bem como comércio ilegal de armas de fogo.

O nome dado à operação é uma referência à divindade maligna da cultura iacuta (turcomanos que habitam região próxima à Sibéria), K’daai Maqsin, que seria o ferreiro-chefe do submundo e associado às perversões da arte da forja.

Comente aqui