Data: 10/09/2019 15:43 - Alterado em: 10/09/2019 17:43 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo / Colaboraram Daniel Weterman, Iander Porcella e Bruno Ribeiro

Mourão contrapõe fala de Carlos: 'Democracia é fundamental'

Vice-presidente afirmou que é 'lógico' que é possível fazer mudanças no País por meio do diálogo com o Congresso; presidente do Senado também criticou a fala do vereador Carlos Bolsonaro


Em contraponto ao filho do presidente, Mourão defendeu que a democracia é "fundamental"
Em contraponto ao filho do presidente, Mourão defendeu que a democracia é "fundamental"

Crédito: José Cruz/Agência Brasil

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, afirmou que as declarações do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) são "problema dele". Em contraponto ao filho do presidente Jair Bolsonaro, Mourão defendeu que a democracia é "fundamental" e que é "lógico" que é possível fazer mudanças no País por meio do diálogo com o Congresso.

"Lógico, senão a gente não tinha sido eleito", disse Mourão ao ser questionado se é possível fazer as mudanças que o governo quer por vias democráticas. "Temos que negociar com a rapaziada do outro lado da Praça (dos Três Poderes). É assim que funciona. Com clareza, determinação e muita paciência", afirmou.

Na segunda, nas redes sociais, Carlos disse que por meios democráticos não haverá as mudanças rápidas desejadas no País. Perguntado diretamente sobre a fala do vereador, Mourão respondeu: "Carlos Bolsonaro, vocês perguntam para ele". "Isso é problema dele, pergunte a ele", reagiu sobre o fato de Carlos ter dado entendimento contrário.

Mourão foi questionado sobre o assunto na entrada do Palácio do Planalto, onde continua despachando do gabinete da vice-presidência na ausência de Bolsonaro. Ele deve permanecer interinamente no cargo até quinta-feira, 12.

"(A democracia é) Fundamental, são pilares da civilização ocidental. Vou repetir para você: pacto de gerações, democracia, capitalismo e sociedade civil forte. Sem isso, a civilização ocidental não existe"

, declarou o vice aos jornalistas.

PRESIDENTE DO SENADO TAMBÉM CRITICA
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), rebateu a publicação afirmando que a democracia está fortalecida no Brasil e manifestou "desprezo" por comentários no sentido contrário. "No Senado, o Parlamento brasileiro, a democracia está fortalecida, as instituições estão todas pujantes, trabalhando a favor do Brasil. Então, uma manifestação ou outra em relação a esse enfraquecimento tem da minha parte o meu desprezo", disse Alcolumbre quando perguntado sobre o comentário de Carlos.

O presidente do Senado ressaltou que confia na democracia e nas instituições. Ele destacou que está cumprindo um papel para dar "estabilidade" ao País.

Porta-voz da Presidência: 'tuíte é responsabilidade de quem fez'

Ao ser questionado sobre a postagem de Carlos Bolsonaro, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, disse que “o que é tuitado nas redes sociais pessoais é de responsabilidade de quem o fez”. “Nosso foco é a recuperação do presidente”, acrescentou, durante coletiva de imprensa nesta manhã.

O porta-voz afirmou não saber se o presidente Bolsonaro tomou conhecimento do tuíte ou se comentou sobre o assunto. “Acredito que o vereador tenha conversado sim com o presidente da República”, disse Rêgo Barros.

PRESIDENTE DA CÂMARA DIZ QUE FRASE CAUSA INSTABILIDADE
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que declarações que questionam a democracia causam insegurança aos investidores nacionais e estrangeiros e atrapalham o crescimento do País, o que, na avaliação dele, prejudica os mais pobres. Maia afirmou que os agentes públicos precisam ter responsabilidade sobre o que falam.

"É uma declaração que não cabe num País democrático. [...] Frases como essa devem colaborar muito com a insegurança dos empresários brasileiros e estrangeiros de investir no Brasil. A conta das nossas frases quem paga é o povo mais pobre. Cada um de nós tem que refletir e tomar muito cuidado com o que diz", disse.

JOÃO DORIA
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que iria evitar polêmicas, mas disse que "só com democracia" seria possível melhorar o País. "Sem entrar na polêmica, eu penso diametralmente oposto. Só com a democracia é que nós podemos ter um país soberano, livre e capaz de produzir políticas sociais e políticas econômicas. É só com a democracia, não há nenhum outro caminho possível para o país. E eu estarei ao lado dos democratas e daqueles que irão lutar pela democracia", disse Doria.

A fala veio durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, quando o governador anunciava detalhes sobre uma arena para fomento de empresas de tecnologia.

Comente aqui