Data: 19/06/2019 17:10 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Moro: caso das mensagens não é problema do governo, é questão do meu passado

Sérgio Moro classificou como gestos "que valem muitas palavras" as manifestações de apoio do presidente Jair Bolsonaro


O ministro manifestou "perplexidade" de ter que responder à divulgação de supostas mensagens que teriam sido obtidas através de uma hackeamento
O ministro manifestou "perplexidade" de ter que responder à divulgação de supostas mensagens que teriam sido obtidas através de uma hackeamento

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O caso envolvendo supostas mensagens trocadas com procuradores da Lava Jato é não é problema do governo Jair Bolsonaro, afirmou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

"Esse não é um problema do governo", declarou. "Não é uma questão do governo, é uma questão do meu passado. Infelizmente, estou no governo e acaba de certa forma havendo essa transferência."

Moro classificou como gestos "que valem muitas palavras" as manifestações de apoio do presidente Jair Bolsonaro. Ele minimizou a fala de Bolsonaro quando o presidente afirmou que só confiava 100% no pai e na mãe. "Não vejo nada de problema nesse tipo de manifestação", declarou o ministro. Bolsonaro, citou Moro, avaliou que não tem nada de ilícito no trabalho do ex-juiz da Lava Jato.

Moro foi questionado pelo líder do PSB no Senado, Jorge Kajuru (GO), porque não teria julgado o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na operação. Moro respondeu que a Lava Jato em Curitiba não escolhia quem investigava, mas seguiu parâmetros do Supremo Tribunal Federal (STF) e se limitou a casos relacionados a desvios na Petrobras. 

O ministro manifestou "perplexidade" de ter que responder à divulgação de supostas mensagens que teriam sido obtidas através de uma hackeamento. Ele também negou que tenha passado uma "dica" ao Ministério Público Federal ao ter supostamente apontado uma testemunha para o caso envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Comente aqui