Data: 14/01/2022 10:27 / Autor: Redação / Fonte: Al Jazeera

Míssil Hipersônico: Coreia do Norte dispara mais mísseis

Coreia do Sul e Japão detectam nesta sexta-feira novo lançamento de Míssil pela Coreia do Norte. É o terceiro teste feito pelo país nos últimos nove dias


Crédito: Governo Norte-Coreano

A Coreia do Norte disparou pelo menos dois mísseis balísticos, o terceiro teste em duas semanas, poucas horas depois de criticar a pressão dos EUA por novas sanções sobre os lançamentos anteriores como uma “provocação” e alerta de uma forte reação.

A guarda costeira do Japão também informou que o Norte disparou o que poderia ser um míssil balístico.

A atividade militar em andamento da Coreia do Norte, incluindo seus repetidos lançamentos de mísseis balísticos, são ameaças à paz e segurança do Japão e da região e são sérias preocupações para toda a sociedade internacional”, disse Hirokazu Matsuno, secretário-chefe do gabinete do Japão.

Se o lançamento for confirmado, será o terceiro desde 5 de janeiro, quando Pyongyang lançou o que mais tarde disse ser um míssil hipersônico. O líder Kim Jong Un observou o segundo teste de um míssil hipersônico na terça-feira, a primeira vez que ele foi fotografado em um lançamento em quase dois anos.

As armas hipersônicas viajam mais rápido e são mais manobráveis ??que os mísseis convencionais e também estão sendo desenvolvidas pela China, Rússia e Estados Unidos.

A Coreia do Norte insiste que sua modernização militar e testes de mísseis são necessários para a autodefesa e, na sexta-feira, a mídia estatal acusou os EUA de escalar intencionalmente a situação nesta semana, impondo sanções a indivíduos e instando as Nações Unidas a adotar uma linha mais dura em Pyongyang. As sanções impostas pela primeira vez pela ONU em 2006 foram progressivamente reforçadas.

Um comunicado do Ministério das Relações Exteriores divulgado pela KCNA, agência de notícias estatal de Pyongyang, alertou para uma "reação mais forte e certa" não especificada se os EUA adotarem uma postura de confronto.

‘ISOLAR E SUFOCAR’
As negociações de desnuclearização com Pyongyang estão paralisadas desde o colapso da cúpula de Hanói de 2019 entre Kim e o então presidente dos EUA, Donald Trump.

Joe Biden, que assumiu a presidência há um ano, tentou encorajar o Norte a voltar à mesa, insistindo que os EUA estão abertos a discussões sem condições.

Pyongyang afirma que, embora Washington possa falar de diplomacia e diálogo, suas ações mostram que “ainda está absorto em sua política de isolar e sufocar” a Coreia do Norte.

Os EUA estão intencionalmente aumentando a situação, mesmo com a ativação de sanções independentes, não se contentando em encaminhar a atividade justa da RPDC ao Conselho de Segurança da ONU”, disse o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

O governo Biden impôs na quarta-feira sanções a cinco norte-coreanos por seus papéis na obtenção de equipamentos e tecnologia para os programas de mísseis do Norte em sua resposta ao teste de mísseis do Norte nesta semana.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que os EUA deixaram claro que não têm intenção hostil em relação à Coreia do Norte e estão dispostos a se envolver em negociações sem pré-condições, mas os testes são “profundamente desestabilizadores”.

Kim Dong-yup apontou as observações no ano passado de Kim Jong Un de que Pyongyang se aproximará de Washington “com o princípio de responder com força com dureza e boa fé em espécie”.

“Olho por olho, dente por dente”, disse Kim Dong-yup. “A Coreia do Norte pode estar dizendo que seguirá seu próprio caminho sem ser intimidada.”

Comente aqui