Data: 23/02/2021 17:34 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Maia defende CPI da Covid e afirma que impeachment 'não tinha chance'

Maia defendeu que a abertura de CPI para investigar ações e omissões do governo federal no enfrentamento à pandemia seria mais efetiva do que processo de impeachment contra Bolsonaro


Maia diz que não havia "perna política" para processo de impeacgment contra Bolsonaro
Maia diz que não havia "perna política" para processo de impeacgment contra Bolsonaro

Crédito: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Segundo o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), a eleição de Arthur Lira (Progressistas-AL), apoiado pelo Planalto para comandar a Casa, mostra que não havia "perna política" para levar adiante um processo de impeachment do chefe do Executivo.

"A eleição da Câmara provou que não tínhamos perna política. A força do governo prevaleceu", afirmou Maia em entrevista ao site UOL. Segundo ele, um impeachment, neste momento, geraria uma polarização, que "é tudo o que o Bolsonaro precisa e tenta fazer todos os dias".

"Estamos com muito problema na pandemia para fazer o que o Bolsonaro queria. Um impeachment, no meu ponto de vista, ia gerar uma polarização que é tudo o que o Bolsonaro precisa e tenta fazer todos os dias. Ia tirar da pauta a pandemia e ia colocar na pauta o impeachment, em que ele sairia vitorioso nesse primeiro momento", completou.

Na avaliação de Maia, todos os políticos deveriam concentrar esforços na abertura da CPI da Covid-19, que já teve requerimento protocolado no Senado. A medida foi assinada por 30 parlamentares, três a mais do que o mínimo necessário, entre assinaturas físicas e virtuais, incluindo a do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do pedido.

"Acho que a CPI que o Senado e senadores já conseguiram assinaturas deveria ser a prioridade de todos nós políticos. Compreender em que condições o governo vem se omitindo, principalmente na área da saúde", disse Maia. A instalação da comissão depende do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

O deputado ainda classificou como "crime grave" o fato de o governo não ter respondido aos contatos do presidente da Pfizer para compra de vacinas contra covid-19. Mais cedo, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro definitivo no Brasil da vacina produzida pela Pfizer. O governo brasileiro, porém, ainda negocia a compra do imunizante.

Ao ser perguntado se acredita que há crime de responsabilidade na condução do enfrentamento à pandemia por parte de Bolsonaro, Maia disse: "Eu acho que vai ter indicio de muita coisa, por isso eu defendo a CPI".

Daniel Silveira preso

O ex-presidente da Câmara elogiou a postura da Casa, que aprovou na sexta-feira, 19, a manutenção da prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), detido por ordem do Supremo Tribunal Federal após publicar vídeo com ofensas e críticas aos ministros da Corte e apologia ao AI-5, ato mais duro da ditadura militar. Silveira segue preso em Niterói e, nesta terça, o Conselho de Ética da Câmara começa a analisar pedido de cassação contra ele.

De acordo com Maia, tanto o STF e quanto a Câmara atuaram para "evitar que o Brasil seguisse o caminho dos EUA" no fim do mandato do ex-presidente Donald Trump, quando seus apoiadores invadiram o Capitólio, deixando 5 mortos e dezenas de feridos.

Comente aqui