Data: 17/09/2020 19:07 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Juiz condena ex-executivos da Queiroz Galvão e Iesa por crimes na Petrobras

O juiz Luiz Antonio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, condenou nesta quarta-feira, 16, ex-executivos da empreiteira Queiroz Galvão da Iesa Óleo e Gás


Ex-executivos da Queiroz Galvão e Iesa são condenados com penas que somam mais de 70 anos de prisão
Ex-executivos da Queiroz Galvão e Iesa são condenados com penas que somam mais de 70 anos de prisão

Crédito: Reprodução

Eles são acusados de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, cartel, fraude à licitação e organização criminosa. Juntas, as penas somam mais de 70 anos de prisão em regime fechado.

Da Queiroz Galvão são os ex-executivos Petrônio Braz Júnior, Othon Zanóide de Moraes Filho e André Gustavo de Farias Pereira, e Da Iesa são Valdir Lima Carreiro e Otto Garrido Sparenberg

"A complexidade e quantidade dos crimes, bem como a extensão temporal são circunstâncias que provam a existência de um programa delitivo para a prática de crimes indeterminados contra a Petrobras, com a finalidade de concretizar as decisões do cartel e de locupletamento criminoso de todos os envolvidos.", diz um trecho da sentença.

O grupo foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF), no âmbito da Operação Lava Jato, em setembro de 2016. A investigação apontou que, entre 2006 e 2013, a Queiroz Galvão e a Iesa integraram um cartel composto por 16 grandes empresas do ramo de engenharia civil montado para fraudar concorrência na Petrobras e dominar o mercado de montagem industrial da estatal mediante o pagamento de propinas a servidores lotados nas diretorias de abastecimento e serviços.

Os ex-executivos foram acusados de pagar vantagens indevidas a Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento, a Renato Duque ex-diretor de Serviços, e a Pedro Barusco, ex-gerente Executivo. As propinas eram calculadas, segundo a Lava Jato, como uma "comissão de 2% sobre o valor de todos os contratos firmados entre as empresas e a estatal. No caso da Queiroz Galvão, os repasses foram estimados em R$ 105 milhões e US$ 12 milhões e, da Iesa, em R$ 47 milhões e US$ 2 milhões.

Em contrapartida, os agentes públicos teriam direcionado licitações em obras na Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco, e no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Parte dos valores oferecidos foi rastreada e, conforme apontou a investigação, seu pagamento foi dissimulado em doações eleitorais ao Partido Progressista e por meio de contratos fraudulentos firmados com empresas de fachada que simulavam a prestação de serviços.

Depois de lavar o dinheiro, os valores seriam distribuídos por operadores financeiros aos diretores e funcionários da Petrobras que auxiliavam no esquema e a parlamentares dos partidos políticos que sustentavam os diretores no cargo.

Pelos crimes, Petrônio Braz Júnior, ex presidente da Queiroz Galvão, foi condenado a 10 anos e nove meses de prisão; Othon Zanóide de Moraes Filho, ex-diretor da Queiroz Galvão, a 23 anos e três meses; André Gustavo de Farias Pereira, ex-diretor da Queiroz Galvão, a 10 anos e nove meses; Valdir Lima Carreiro, ex-presidente da Iesa, a 17 anos e dois meses de prisão e Otto Garrido Sparenberg, ex-diretor da Iesa, a 10 anos e nove meses de prisão.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO LEONARDO MARQUES, QUE DEFENDE ANDRÉ GUSTAVO DE FARIAS PEREIRA

O advogado Leonardo Augusto Marinho Marques, que representa André Pereira, informou que parte dos argumentos apresentados nas alegações finais foram acolhidos e que as discordâncias em relação à a sentença serão apresentadas em recurso judicial.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO MÁRIO DE OLIVEIRA FILHO, QUE REPRESENTA OS EXECUTIVOS DA IESA

O advogado Mário de Oliveira Filho, que defende Valdir Lima Carreiro e Otto Garrido Sparenberg, informou que vai interpor recurso de apelação endereçado ao TRF4.

Comente aqui