Data: 11/01/2020 07:50 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo /AP

Irã admite ter derrubado avião ucraniano com míssil em ato 'não intencional'

Todas as 176 pessoas a bordo da aeronave morreram; Exército diz que responsáveis serão processados e Ucrânia e Canadá cobram punição para responsáveis e transparência nas investigações


Resgate no acidente em Shahedshahr, sudoeste da capital iraniana, Teerã
Resgate no acidente em Shahedshahr, sudoeste da capital iraniana, Teerã

Crédito: Iranian Red Cross

O Irã admitiu na madrugada deste sábado, 11, que seus militares derrubaram “não intencionalmente” o avião a jato ucraniano que caiu logo após decolar na última quarta-feira, 8, matando todos os 176 a bordo.

Em comunicado, o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, exigiu uma punição para os responsáveis pelo ataque. "Esperamos que o Irã leve os culpados à justiça" e "paguem pelas compensações", disse em nota. O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, também cobrou uma "investigação completa e profunda" e afirmou que a prioridade é "esclarecer o caso com transparência e justiça".

A declaração iraniana culpa um “erro humano” pela queda. A aeronave foi abatida na quarta-feira, poucas horas depois de o país lançar um ataque de míssil balístico em duas bases no Iraque, onde havia militares dos EUA, em retaliação pelo assassinato do general iraniano Qassim Suleimani em um ataque de drone em Bagdá. Ninguém foi ferido no ataque às bases.

O avião, a caminho da capital ucraniana de Kiev, levava 167 passageiros e nove tripulantes de vários países, incluindo 82 iranianos, 57 canadenses e 11 ucranianos, segundo autoridades.

Em um comunicado divulgado pela imprensa estatal, o exército disse que o jato foi confundido com um "alvo hostil'' depois que passou em um "delicado centro militar" da Guarda Revolucionária. O exército estava em seu "nível mais alto de alerta", diz o documento, após alguns dias de grandes tensões com os Estados Unidos.

"Sob tais condições, devido a um erro humano e involuntariamente, o projétil chegou ao voo", afirma o texto. O exército pede desculpas pelo desastre e diz que melhorará sistemas para impedir que esses "erros" aconteçam no futuro. O texto também destaca que os responsáveis pelo ataque serão processados.

O Irã negou por vários dias que um míssil derrubou a aeronave. Mas então os Estados Unidos e o Canadá, citando informações de inteligência, disseram acreditar na hipótese.

Na quinta-feira, autoridades americanas, canadenses e britânicas disseram que o boeing foi abatido por engano por um míssil do Irã. O New York Times divulgou um vídeo de celular que mostra a explosão do que parecia ser um avião no céu de Teerã.

“Alguém pode ter um cometido um erro”, disse o presidente americano, Donald Trump após a divulgação do vídeo pelo New York Times. “Dizem que foi uma falha mecânica. Pessoalmente, não acredito que isso nem sequer esteja em questão. Acho que alguma coisa terrível aconteceu.”

Funcionários americanos haviam dito à rede CNN que o avião teria sido atingido por dois mísseis terra-ar. Um memorando publicado pela IHS Markit, empresa britânica de análises, afirmou que o Boeing “provavelmente foi derrubado por um míssil Tor-M1 da Guarda Revolucionária”.

Fontes dos serviços de inteligência britânicos também haviam confirmado a informação ao jornal Guardian. Imagens de destroços de um Tor-M1 – supostamente capturadas no local da queda – circularam na internet.

CONSEQUÊNCIAS

O reconhecimento da responsabilidade do Irã pelo acidente pode inflamar o sentimento do público contra as autoridades, depois que os iranianos se reuniram em torno de seus líderes após o assassinato de Suleimani. O general era visto como um ícone nacional e centenas de milhares de iranianos compareceram a procissões fúnebres em todo o país.

Mas a maioria das vítimas do abatimento eram iranianos ou iranianos-canadenses, e o acidente ocorreu apenas algumas semanas depois que as autoridades anularam protestos em todo o país desencadeados por um aumento nos preços da gasolina.

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, culpou a tragédia por “ameaças e bullying'' dos Estados Unidos após o assassinato de Suleimani. Ele expressou condolências às famílias das vítimas e pediu uma “investigação completa” e a acusação dos responsáveis.

 “Um dia triste'', twittou o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif. “O erro humano no momento da crise causado pelos aventureiros Estados Unidos levou ao desastre. Nosso profundo pesar, desculpas e condolências ao nosso povo, às famílias de todas as vítimas e a outras nações afetadas ''.

"É um passo certo do governo iraniano admitir responsabilidade e dar às pessoas um passo em direção ao fechamento com essa admissão", disse Payman Parseyan, um proeminente iraniano-canadense no oeste do Canadá que perdeu vários amigos no acidente. “Acho que a investigação teria divulgado se eles admitissem ou não. Isso lhes dará a oportunidade de ‘salvar a pele’”.

Comente aqui