Data: 04/08/2020 12:58 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Governo quer CPMF e Guedes propõe cortar tributos salariais das empresas

Paulo Guedes pretende retomar a antiga CPMF e está em busca de mudanças para conseguir convencer todos desta ação


O ministro da Economia, Paulo Guedes apresentou para o Presidente Jair Bolsonaro um plano para tentar diminuir as resistências no Congresso à criação de novo imposto sobre transações digitais, ou seja, trazendo de volta a CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). 

Segundo a apuração do Jornal O Estado de S.Paulo, a intenção principal é reduzir pela metade os tributos pagos pelo empregador. Hoje percentual ou valor fixo que será aplicado para o cálculo do valor de um tributo aos salários como contribuição à Previdência é de 20%, sendo assim, será reduzido a 10%. 

Além disso, Guedes vai propor a redução de 20% para 15% da alíquota das empresas com um custo de R$ 50 bilhões de perda de arrecadação federal. Esta redução de 5 pontos porcentuais seria obtida, na prática, com duas medidas sem impacto no Orçamento do governo, são elas: redução de 8% para 6% do valor dos salários que é depositado pelas empresas nas contas do FGTS e corte permanente da metade dos encargos que pagam ao Sistema S. 

Para os trabalhadores que ganham até um salário mínimo, a contribuição das empresas para o INSS não existirá mais, tendo como consequência o aumento de contratações de quem recebe o salário mínimo (R$ 1.045,00) e barre demissões de quem já tem emprego formal.

Estas medidas, estão sendo tomadas pelo Ministro Guedes para conseguir o apoio da indústria ao novo tributo. O setor de serviços já apoia a recriação da CPMF como saída para tirar do papel a chamada desoneração da folha de salários.

Crédito: Marcos Corrêa/PR

Comente aqui