Data: 23/11/2020 17:04 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Ações do Carrefour têm forte queda na Bolsa de Valores

Papéis da varejista chegaram a cair mais de 6% após um fim de semana de protestos devido ao assassinato do soldador negro João Alberto Silveira Freitas por seguranças da varejista


As ações do Carrefour lideram as perdas na Bolsa brasileira nesta segunda-feira, 23, depois da morte por espancamento de um homem negro em uma loja da rede em Porto Alegre. A queda vai na contramão do resultado do Ibovespa, o principal índice da B3, que sobe com o otimismo sobre mais uma vacina contra o coronavírus, desta vez da farmacêutica AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford.

O risco fiscal no Brasil, porém, pressiona o dólar, que voltou a superar os R$ 5,40. Às 16h24, o dólar subia 1,08%, cotado a R$ 5,4444. O Ibovespa avançava 0,98%, chegando aos 107.078,73 pontos.

No mesmo horário, as ações de Carrefour caíam 6,67%. Após um final de semana de protestos devido ao assassinato do soldador negro João Alberto Silveira Freitas por seguranças da varejista, o supermercado foi alvo de uma série de advertências. O CEO global do Grupo Carrefour, Alexandre Bompard, pediu ao Carrefour Brasil "que seja realizada uma revisão completa das ações de treinamento dos colaboradores e de terceiros, no que diz respeito à segurança, respeito à diversidade e dos valores de respeito e repúdio à intolerância".

O crime também causou indignação em parte dos fornecedores. A fabricante de bebidas Ambev cobrou do Carrefour "medidas imediatas e efetivas" que impeçam novos episódios de discriminação.

O empresário Abílio Diniz, membro dos Conselhos de Administração do Carrefour Global e do Carrefour Brasil, pediu à empresa para trabalhar "incansavelmente para que fatos trágicos como este jamais se repitam no Brasil". Em Paris, as ações do Grupo Carrefour tinham queda de 2,25%.

Comente aqui