Data: 22/10/2019 14:17 / Autor: Redação / Fonte: Samsung Blues Festival

Zakk Wylde e Kenny Wayne Shepherd fazem show em São Paulo

Samsung Best of Blues acontece dia 27 de outubro, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo


Kenny Wayne Shepherd
Kenny Wayne Shepherd

Crédito: Mark Seliger

Rock pesado, blues e southern rock, o som energético de Zakk Wylde e o premiado Kenny Wayne Shepherd, indicado a cinco Grammys, vencedor de dois Billboard Awards, dois Blues Music Awards e dois Orville H. Gibson Awards, são as atrações do Samsung Best of Blues, evento patrocinado pela Samsung, em parceria com o Ministério da Cidadania e realização da Danc¸ar Marketing, que ocorre dia 27 de outubro, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo. O evento é gratuito e conta ainda com a apresentação das brasileiras Tatiana e Nina Pará.

Zakk Wylde vem ao Brasil resgatando as origens ancestrais do rock - o blues – acompanhado de sua Black Label Society, com Jeff Fabb (bateria), Dario Lorina (guitarra) e John DeServio (baixo), e canções icônicas como Still Got The Blues, em versão exclusiva.

Graças a seus solos rápidos, enérgicos e criativos, Wylde se tornou um dos melhores e mais populares guitarristas de todos os tempos, considerado o mais amado “Guitar Hero” americano.

Carismático, tem como marca registrada as guitarras com pintura lembrando um alvo, além do visual irreverente – a personificação do guerreiro rock’n’roll. Um dos poucos verdadeiros guitarristas, Wylde influencia músicos de rock há mais de 30 anos. Uma verdadeira grife das cordas!

Não por acaso, é habitual vencedor de concursos promovidos por revistas especializadas. Entre outras, foi premiado como MVP (most valuable player - músico mais valioso) pela revista americana Guitar World, em 2004, e o melhor guitarrista de heavy metal pela publicação inglesa Metal Hammer, em 2005. Além disso, foi imortalizado na Calçada da Fama de Hollywood e participou de eventos icônicos como o Guitar World’s 2012 Rock N’ Roll Roast.

Conhecido como o guitarrista que acompanha a lenda do rock Ozzy Osbourne há 31 anos (entre idas e vindas), com quem ganhou um Grammy Awards em 1994 por melhor performance de metal pela canção “I Don’t Want To Change the World”, do disco No More Tears, do qual é coautor, fundador e líder da banda Black Label Society, o guitarrista e compositor, que já participou de inúmeras turnês pelo mundo e diversas gravações ao vivo em estúdio, também soube desenvolver uma bem-sucedida carreira própria.

Desde 2016, Zakk vem trabalhando seu disco “Book of Shadows II”, que mostra um artista ainda mais intenso, rico e espiritualizado, deste que é considerado um dos pilares da comunidade rock’n’roll. Para a apresentação no Samsung Best of Blues, são esperadas as versões instrumentais de canções como “Sleeping Dogs” e clássicos da Black Label Society como “Bored to Tears” e “Spoke In The Wheel”.

Em 1987, aos 20 anos de idade, Zakk Wylde fez uma tentativa que se mostraria crucial em sua carreira: participou de concorrida audição para a escolha do substituto do guitarrista Jake E. Lee na banda de apoio de Ozzy Osbourne.

O resultado não poderia ter sido melhor. Ele não só ganhou a vaga e se tornou o braço direito do vocalista do Black Sabbath em sua carreira solo, como, a partir dali, criou luz própria e se tornou um dos guitarristas mais bem-sucedidos do rock.

Em 1992, o músico sentiu que era tempo de também buscar seus próprios caminhos. Criou a banda Pride And Glory, que lançou um único álbum autointitulado, e mostrou sua versatilidade com uma sonoridade mais calcada no blues rock, southern rock e folk, e que foi crucial para seu desenvolvimento.

Em 1996, lançou o primeiro álbum solo, o elogiado Book Of Shadows, essencialmente acústico e no qual as influências de blues, southern rock e de artistas como Neil Young, Bob Seger e da Allman Brothers Band são ainda mais claras.

O segundo trabalho solo, Book Of Shadows II, viria em 2016, seguindo a mesma linha melódica e com toques de blues do anterior. Nesse meio tempo, ele já havia feito muitas coisas.

Uma delas, a mais bem-sucedida, foi a criação de uma nova banda, a Black Label Society, cujo pontapé inicial ocorreu em 1998 com o lançamento do álbum Sonic Brew. Era o início de uma trajetória repleta de hard rock e metal clássico, com um total até o momento de 10 álbuns de estúdio.

Novos e diversificados projetos

Fã incondicional de heavy rock, Wylde montou em 2014 a banda Zakk Sabbath, um tributo ao Black Sabbath que investe em releituras do grupo que consagrou Ozzy Osbourne e que, em 2020, receberá um tributo especial em homenagem aos 50 anos do primeiro disco do grupo.

Sempre aberto a novas experiências, ele participou da turnê Experience Hendrix, na qual tocou clássicos do repertório do lendário Jimi Hendrix ao lado de craques do porte de Eric Johnson, Joe Satriani e Johny Lang (esses dois últimos, que já participaram do Best of Blues) entre outros.

Outra turnê importante ocorreu em 2016, a General Axe, que o uniu a outros craques da guitarra: Steve Vai, Yngwie Malmsteen, Nuno Bettancourt e Tosin Abasi.

Se não fosse trabalho suficiente conciliar shows solo, com Ozzy Osbourne e com a Black Label Society, ele ainda criou a Wylde Audio, empresa que produz guitarras personalizadas.

Além disso, mostrou seus dotes como ator, sendo seu principal feito nesta área ter vivido um dos integrantes da banda fictícia Steel Dragon no filme Rock Star (2001), estrelado por Mark Wahlberg e Jennifer Aniston.

Como músico, suas principais influências são blues, southern rock (o rock sulista americano), hard rock, classic metal e o guitarrista inglês de blues rock Peter Green. Aliás, é sempre bom lembrar que uma das origens ancestrais do heavy/hard rock é precisamente o blues.

Vivendo um dos momentos mais agitados em sua carreira, Kenny Wayne Shepherd lançou em maio seu novo álbum, The Traveler, novamente emplacando o topo da parada de blues americana. Na mesma época, iniciou uma badalada turnê em parceria com outra lenda do blues, o genial Buddy Guy, com shows marcados até o final de 2019.

Uma boa frase para definir Shepherd integra a letra da faixa título de seu novo álbum, intitulado The Traveler: “we’re all fellow travelers in this thing called life” (somos todos companheiros de viagem nessa coisa chamada vida). E é exatamente o que ele tem feito desde sempre, tocando, viajando, fazendo novos amigos nessa estrada da vida e do blues, e conquistando cada vez mais fãs.

Um guitarrista que renovou o blues e soube reverenciar os grandes mestres do gênero, tornando-se um deles na sequência

Em 1984, um garotinho de apenas 7 anos de idade ficou maravilhado ao ver um show do genial guitarrista de blues Stevie Ray Vaughan. Nascia naquele instante a semente que nos proporcionaria um dos grandes nomes do blues contemporâneo. Um artista que toca para a música e para as sensações que ela desperta.

Trata-se de Kenny Wayne Shepherd, que, aos 42 anos, possui um currículo com direito a milhões de discos vendidos, premiações, colaborações de peso, além da missão que assumiu de manter o blues cada vez mais vivo, pois assim como seus ídolos fizeram, entende ser seu dever, assim como de outros artistas do gênero, manter o ritmo relevante às novas gerações.

Nascido em Shrevenport, Louisiana, em 12 de junho de 1977, Shepherd tomou gosto pela música ainda criança, desfrutando da extensa coleção de discos de seu pai radialista e promotor de shows. Um desses shows foi o que levou o filho a se decidir por aprender a tocar guitarra e iniciar, aos 13 anos, participações em shows, como o do guitarrista de blues Bryan Lee, e aos 17, sua primeira apresentação oficial.

A estreia de Shepherd em disco ocorreu em 1995, com o álbum Ledbetter Heights, que colocou o então novato no hall de grandes intérpretes do gênero, incorporando o blues com desenvoltura e personalidade. Esse álbum foi apenas o primeiro de uma série de 12 lançados até o momento. De quebra, ganhou o disco de platina (mais de um milhão de cópias vendidas), feito que repetiria outras duas vezes na carreira, com mais um de ouro (mais de 500 mil cópias vendidas).

Hoje, com mais de 30 anos de carreira e muita maturidade, demonstra um magnetismo ainda maior, tanto com seu público quanto com a música. Como ele próprio se define, é um artista em constante movimento e, com isso, em seu novo trabalho, traz ao seu tradicional estilo de baladas românticas e músicas emocionais, pitadas de rock’n’roll e blues mais enérgico.

Para o Samsung Best of Blues 2019, Shepherd terá a companhia dos músicos Noah Hunt (guitarra), Scott Nelson (baixo), Joe Krown (teclados), Joe Sublett (sax), Mark Pender (trompete) e Chris “Whipper” Layton (bateria). Entre as músicas previstas, estão interpretações inéditas de canções como Blue on Black, entre outras.

A realização de um sonho

Em 2007, com a carreira consolidada, Kenny Wayne Shepherd realizou um sonho: gravou seu primeiro DVD, 10 Days Out: Blues From The Backroads, no qual entrevista e toca com lendas do blues como B.B. King, Clarence “Gatemouth” Brown, Bryan Lee, Hubert Sumlin e Pinetop Perkins, e que lhe rendeu 2 indicações ao Grammy Award como Best Long Form Music Video e Best Traditional Blues Album, e ganhou os prêmios Blues Music Award de Best DVD e Keeping the Blues Alive Award na categoria Filme, Televisão ou Video.

Ele também integrou a turnê Experience Hendrix de 2012, ao lado de Robby Krieger, Billy Cox, Eric Johnson, Chris Layton, Buddy Guy, Taj Mahal e Jonny Lang (esses três últimos, ícones que já participaram do Best of Blues) e outros músicos, que releram clássicos do repertório de Jimi Hendrix.

As brasileiras Tatiana e Nina Pará são as responsáveis por aquecer o público na edição 2019 do Samsung Best of Blues. A trajetória musical da dupla começou como pura diversão e estudo. Em 2017, as gêmeas Nina Pará e Tatiana Pará deram início a um projeto autoral de música instrumental mesclando suas influências pessoais, desde a linha melódica do Blues (Tatiana) até o vigor do Heavy Metal (Nina).

A experiência foi tão bem-sucedida e criativa que, em pouquíssimo tempo, já haviam três músicas compostas e muitas mais idealizadas. O “som das gêmeas”, tanto nos ritmos como nas melodias, seja rock, blues ou funk, tem uma mistura harmônica e musical construída sem rótulos ou regras pré-estabelecidas.

A cada groove, a cada melodia, a essência de fazer música apenas com bateria e guitarra gera um som singular e distinto no cenário instrumental atual.

O projeto “Nina e Tati Pará” desperta a emoção do público desde os primeiros acordes e batidas. Traz uma linguagem universal interagindo através do som do coração.

Nina Pará

Natural de São Paulo, Nina Pará despertou seu interesse pela música ainda na adolescência. Com 15 anos, iniciou os estudos de guitarra e, aos 18, migrou para a bateria, após assistir a um show do Mike Stern Trio, que, na época, contava com o incrível Dennis Chambers na bateria. Desde então, o foco de Nina tornou-se a bateria. Seus professores foram Jorge Aniello, Ronald Turnbull, Douglas Las Casas, Aquiles Priester, Christiano Rocha, Stephane Chamberland, Dom Famularo, Cuca Teixeira e Giba Favery.

Dentre as influências da baterista estão o rock, heavy metal e rock progressivo. A música brasileira também faz parte da sua vida. Os primeiros trabalhos profissionais de Nina foram em bandas cover de rock, apresentando-se em bares da cidade de São Paulo. Em 2002, foi chamada para integrar a banda Barra da Saia, composta unicamente por mulheres. Durante esse trabalho, Nina teve a oportunidade de excursionar pelo Brasil, fazendo shows em diversas cidades do país.

De lá para cá, Nina atuou como freelancer e também integrou diversos projetos e bandas, todas importantíssimas dentro de seu crescimento musical, como Crats, Illustria, Kavla, Lacme, Kriptonita, Punkake, Landau. A baterista chegou a gravar e lançar alguns discos com esses trabalhos, bem como um clipe com a banda Lacme, que foi veiculado pelo canal Multishow de televisão.

Em dezembro de 2014, Nina Pará lançou seu primeiro disco solo. O álbum HeartBeat tem sete faixas instrumentais, e contou com a participação de músicos de reconhecimento em todo o país, como Lucas Bittencourt, Tatiana Pará, Fernanda Horvath, Geraldo Vieira, Bozzo Barretti, Sintia Piccin e Richard Fermino. Em julho de 2015 o disco foi lançado no auditório do Instituto Souza Lima, em São Paulo/SP.

Atualmente a baterista excursiona com seu trio Nina Pará Project divulgando as músicas do Heartbeat e também faz parte das bandas Ronaldo e os Impedidos, Suck My Magik, Dominatrix e Mr Hits.

Nina dá aulas em seu estúdio Blackdogs, localizado na zona sul da cidade de São Paulo e é artista das marcas Pearl Drums, Sabian Cymbals, Vic Firth e Dudu Portes Luen.

Tatiana Pará

Tatiana Pará é um dos destaques da revista Guitar Player Brasil. Desde 2007, ela escreve uma coluna mensal na publicação, que é a mais tradicional para guitarristas em todo o mundo. Em sua abordagem, ela apresenta aos leitores lições sobre blues e blues rock, analisando e traduzindo numa linguagem moderna e didática o modo de tocar dos grandes nomes do gênero.

Através desse reconhecimento, Tatiana foi escolhida para estar entre os melhores guitarristas do Brasil em três CDs da Guitar Player Brasil, lançados em 2009, 2010 e 2013.

Atualmente, Tati faz shows com seu projeto solo e com as bandas Suck My Magik (Red hot Chili Peppers Cover), além das participações especiais em vários projetos. Seu conhecimento adquirido ao longo dos anos é compartilhado com guitarristas de todo o País, através de aulas particulares (presencial ou online) usando método próprio e personalizado. Ainda na parte didática, Tati realiza workshops e masterclasses pelo Brasil.

Em 2015, através do voto popular, Tatiana ficou em 1° lugar no concurso JTC (Jam Track Central) na categoria Blues. Também ficou entre os finalistas na categoria Rock do Concurso Lee Ritenour’s Six String Theory Competition e está entre os 25 finalistas do concurso Guitar Idol 2018.

Lançado em 2016, "My Moods" é o título do trabalho solo de Tatiana Pará, musicista e guitarrista que ao longo da carreira vem se destacando, cada vez mais, como uma das maiores expressões e uma das melhores guitarristas do Blues do Brasil.

Do shuffle animado de ‘Blues Party’ até faixas mais intimistas, como ‘Sunset’, o que se ouve, do início ao fim, é pura inspiração de uma musicista no momento mais maduro de sua trajetória. Um dos temas mais empolgantes do disco é ‘My Dear Friend’, faixa na qual, no CD, Tatiana divide seus solos com ninguém menos do que Scott Henderson, um dos principais nomes da guitarra mundial.

O objetivo de Tatiana com seu disco e show é simples: fazer música instrumental acessível a todos, com temas que irão agradar desde quem aprecia melodias simples até os apaixonados por belos improvisos.

Serviço

Show Open Air

Dia 27 de outubro, 18h, São Paulo

duração: 180 minutos (aproximadamente) – Tatiana e Nina Pará, Kenny Wayne Shepherd e Zakk Wylde.

ingressos: Gratuito. Plateia Externa

[livre para todos os públicos]

A apresentação conta com interpretação na Língua Brasileira de Sinais (Libras)

Comente aqui