Data: 17/09/2019 10:48 / Autor: Redação / Fonte: Theatro Municipal de São Paulo

Theatro Municipal de São Paulo recebe a peça Pi-Panorâmica Insana

Pi-Panorâmica Insana com Cláudia Abreu e Leandra Leal é a peça de setembro do projeto de teatro a R$ 5 no Municipal


Neste mês, o Theatro Municipal de São Paulo recebe a peça Pi-Panorâmica Insana. A montagem integra o projeto Teatro no Municipal, que incorpora à programação tradicional do espaço centenário peças de teatro toda última segunda-feira do mês com ingressos a R$ 5. A iniciativa de receber novas linguagens foi adotada no início do ano, já sob direção artística de Hugo Possolo. Pi-Panorâmica Insana tem textos de Júlia Spadaccini, Jô Bilac e André Sant'anna, com citações de Franz Kafka e Paul Auster e direção e concepção de Bia Lessa. Apresentação acontece no dia 30, às 20h.

O elenco formado por Cláudia Abreu, Leandra Leal, Luiz Henrique Nogueira e Rodrigo Pandolfo interpreta mais de 150 personagens de diferentes nacionalidades em uma produção que aborda o indivíduo, a civilização, sexualidade, política, violência, nação, miséria, riqueza, consumo desenfreado, gênero e desejo.

O projeto foi idealizado por Cláudia Abreu e Luiz Henrique Nogueira e, inicialmente, teria como foco os "excluídos sociais", mas a chegada de Bia Lessa ampliou a temática, na busca de traçar um painel ilimitado de temas que afetam as condições de vida da humanidade. O próprio título do espetáculo traduz a ideia: 'Pi' é uma abreviação para 'Panorâmica Insana', mas remete também ao símbolo matemático "pi" (p), reforçando a ideia de fração infinita. A peça não busca apresentar um diagnóstico fechado, uma verdade cristalizada. É o momento, o "entre" o que foi feito e o que está por vir. O agora é 'entre', um intervalo, um impasse. A multiplicidade de personagens e as mais de onze mil roupas espalhadas pelo cenário reforçam essa ideia de pluralidade, de excessos e saturação, pelos quais passa o próprio planeta.

O espetáculo busca dialogar com o momento atual e questiona se as atitudes humanas produzirão um futuro apocalíptico ou se ainda é possível corrigir uma série de problemas estruturais que estão dizimando o planeta. Baseada em pessoas e dados reais, a peça projeta uma lente de aumento sobre a sociedade e traça um painel irônico do mundo contemporâneo. São projetados em tempo real números de assassinatos, estupros, nascimentos, narrações que apontam para uma saturação do sistema atual.

O texto foi sendo construído durante os ensaios. Os atores criaram uma série de improvisações e algumas foram incorporadas à dramaturgia final do espetáculo, que tem estrutura híbrida, através do diálogo com a dança, artes plásticas e performance. "A gente se colocou em experimentação, tudo foi criado a partir do encontro entre os atores e os textos. É um teatro de inconformidade, de risco, que busca criar uma experiência", explica a diretora.

A trilha sonora é criada em várias camadas onde música, ruídos, ambientes e a voz dos atores (manipuladas tecnologicamente) dialogam entre si. Essa sonorização especializada é parte fundamental da encenação, uma vez que cria ambiência compondo paisagens, utilizando-se de som cinema e não de teatro.

Pi-Panorâmica Insana foi eleito o Melhor Espetáculo do Ano pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA). Estreou em 1 junho de 2018, no Teatro Novo, em São Paulo, e ficou em cartaz até 29 de julho, com todas as sessões esgotadas.

Teatro no Municipal

O Teatro no Municipal é um projeto que busca retomar as peças teatrais à programação regular de um dos palcos mais importantes de São Paulo. A curadoria se baseia em montagens profissionais que já tenham estado em cartaz, mas agora poderão ser vistas a R$ 5. As produções retratam a diversidade da produção teatral, com foco na representatividade.

Em maio o projeto estreou com A Morte Acidental de Um Anarquista, de Dario Fo, com Dan Stulbach edireção de Hugo Coelho. Na peça, um louco que se passa por várias pessoas é detido por falsidade ideológica. Na delegacia, finge ser juiz e passa a investigar um caso misterioso. No mês de junho, subiu ao palco do Municipal a Peça para Adultos Feita por Crianças. Na obra, as crianças mergulham no universo de Hamlet e inventam brincadeiras paraadultos contra a chatice, o antropocentrismo e até para evitar o sentimento de morte em vida. No mês seguinte (julho), foi a vez do Gota D'Água Preta que se utiliza de uma traição conjugal para falar de questões raciais, sociais e de classes, também tendo como cenário a realidade do país. O último espetáculo apresentado, no mês de agosto, foi Mississipi, que apresenta a Praça Roosevelt em três períodos diferentes — 1999, 2009 e 2019 — tendo como pano de fundo o retrato político e social do Brasil nas épocas retratadas. A produção é da companhia de teatro Os Satyros.

Serviço:

Segunda-feira, 30 de setembro, às 20h

Projeto Teatro no Municipal apresenta Pi-Panorâmica Insana

Local: Sala de Espetáculos, Theatro Municipal de São Paulo

Endereço: Praça Ramos de Azevedo, s/nº

Ingressos: R$ 5,00

Vendas: pelo site theatromunicipal.org.br ou na bilheteria do Theatro Municipal.

Horário de funcionamento da bilheteria: de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h, e sábados e domingos, das 10h às 17h.

Capacidade: 1523 lugares

Acessibilidade: Sim

Duração: 80 minutos

Classificação etária: 16 anos

Gênero: Drama

Ficha técnica Panorâmica Insana

Textos: Júlia Spadaccini, Jô Bilac e André Sant'anna, com citações de Franz Kafka e Paul Auster

Concepção, Direção Geral e Escritura Cênica: Bia Lessa

Elenco: Cláudia Abreu, Leandra Leal, Luiz Henrique Nogueira e Rodrigo Pandolfo

Diretor Assistente: Bruno Siniscalchi

Assistentes de Direção: Amália Lima e João Saldanha

Concepção Musical: Dany Roland

Cenografia: Bia Lessa

Figurino: Sylvie Leblanc

Iluminação: Bia Lessa e Wagner Freire

Desenho de Som: Estevão Casé

Assistentes: Julia Barreto e Clara Lessa

Assistente de produção: Nana Martins

Contra Regra Chefe: Gustavo Veiga

Direção de produção: Mario e Canivello e Dadá Maia

* Programação sujeita a alterações.

Luiz Henrique Nogueira, Cláudia Abreu, Leandra Leal e Rodrigo Pandolfo em cena
Luiz Henrique Nogueira, Cláudia Abreu, Leandra Leal e Rodrigo Pandolfo em cena

Crédito: João Caldas Fº

Comente aqui