Data: 17/06/2019 13:47 / Autor: Redação / Fonte: AHF Brasil

Testes gratuitos de HIV são realizados no vão do MASP

Entre os dias 17 e 18 de junho, serão realizados cerca de 1,5 mil testes como parte dos eventos da 23ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo


É o terceiro ano consecutivo da parceria entre AHF Brasil e CRT-SP para testagem na Avenida Paulista
É o terceiro ano consecutivo da parceria entre AHF Brasil e CRT-SP para testagem na Avenida Paulista

Crédito: Agência Brasil

Aids Healthcare Foundation Brasil (AHF Brasil), em parceria com o Centro de Referência e Treinamento DST/Aids da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo (CRT-SP), realizará atividade de testagem para diagnóstico precoce do HIV (fluido oral) nesta segunda e terça-feira, dias 17 e 18 de junho, das 11h às 20h30, no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP), como parte dos eventos da Semana da 23ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo.

Estima-se a realização de 1.500 testes, com resultado em até 30 minutos. A ação contará com a participação de 100 técnicos de diversas áreas (enfermagem, psicologia, serviço social, laboratório, administração). Também serão distribuídos 28 mil preservativos masculinos e 15 mil sachês de gel lubrificante. Trata-se de um teste rápido disponibilizado pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

É o terceiro ano consecutivo da parceria entre AHF Brasil e CRT-SP para testagem na Avenida Paulista. Para Beto de Jesus, diretor da AHF Brasil, a parceria entre a ONG internacional, presente em 43 países, e órgãos governamentais de renome, como o CRT-SP, fortalece a estratégia de valorizar o Sistema Único de Saúde (SUS) e ampliar as ações transversais de testagem do HIV.

"Esta é a chave para o diagnóstico precoce, uma importante ferramenta de prevenção combinada, que propicia o início imediato do tratamento e, em longo, a qualidade de vida para as pessoas que vivem com vírus”, diz Beto de Jesus.

Ele ressalta, ainda, a necessidade de romper o estigma e o receio das pessoas em fazer o teste e descobrir se têm HIV, o que muitas vezes as afastam dos serviços públicos de saúde. “Por isso, testagem na rua, junto das pessoas, sobretudo em um evento da magnitude da Parada LGBT, que reúne todos os públicos mais vulneráveis à epidemia, é uma oportunidade de promover o autocuidado que não pode ser desperdiçada". 

NÚMEROS DO HIV
Nesta última década, merece atenção o aumento do número de casos de HIV entre homens que fazem sexo com homens. Esse segmento é o único que tem aumentado sua participação proporcional e absoluta no total de casos. Foram notificados, desde 1980, no estado de São Paulo, 183.141 casos de aids em homens com 13 anos ou mais; desses, 53.126 referem-se à categoria de exposição Homem que Fazem Sexo com Homens (HSH).

Em 2007, esta população correspondia a 31,3% dos casos entre os homens com 13 anos ou mais; 2017, já eram 50,3% dos casos. A incidência em homens jovens também vem aumentando. Era de 17 casos para cada 100 mil homens de 20 a 24 anos em 2007 e chegou a 32 casos para 100 mil homens em 2017, enquanto nas demais idades esse número vem diminuindo ou se estabilizando.

Os dados, avalia Rosa Alencar Souza, coordenadora adjunta do Programa Estadual DST/Aids-SP, apontam a grande vulnerabilidade de adolescentes e jovens gays (e HSH) para a infecção pelo HIV. “É importante ampliar as estratégias de prevenção para que os jovens homossexuais adotem práticas sexuais mais seguras. Neste contexto, enfatizamos a importância do diagnóstico precoce e convidamos a população que participará dos eventos relativos à semana da Parada LGBT a realizar o teste anti-HIV”.

Comente aqui