Data: 05/07/2019 14:19 / Autor: Redação / Fonte: Itaú Cultural

Programação teatral do Itaú Cultural

As palavras gestuais, A Golondrina e Buraquinhos integram as apresentações de cênicas em julho no Itaú Cultural


A Golondrina
A Golondrina

Crédito: João Caldas

Em julho, o Itaú Cultural tem as noites das duas primeiras semanas permeadas por espetáculos teatrais. O instituto recebe peças com temáticas variadas, que serão apresentadas em horários e espaços diferentes. Toda a programação é gratuita.

Nos dias 4 e 5 de julho (quinta-feira e sexta-feira), a programação teatral conta com dois espetáculos no Itaú Cultural. Às 19h, no Piso 2S, o público pode assistir As palavras gestuais, com Denise Stoklos, e às 20h, na Sala Itaú Cultural, a sessão é com A Golondrina, peça do autor catalão Guillem Clua – esta fica em cartaz até o dia 7 (domingo).

Em As Palavras Gestuais, Denise Stoklos faz a leitura de suas quatro peças solo, revelando como a linha específica do repertório do Teatro Essencial – método desenvolvido por ela – encontra na palavra um lugar potencialmente criativo de criação de imagens, gestos e visualizações. Para tanto, ela usa em cena apenas uma mesa e uma cadeira, onde faz a leitura das peças sem usar suas coreografias.

Já A Golondrina, peça do autor catalão Guillem Clua, dirigida por Gabriel Fontes Paiva, retrata o encontro entre uma professora de canto e um estudante que a procura para melhorar sua técnica vocal para cantar no memorial da mãe, morta há pouco tempo. Tendo no elenco o ator Luciano Andrey e a atriz Tania Bondezan, o texto é inspirado no ataque terrorista ao bar Pulse, ocorrido em 2016 em Orlando (EUA), e também os que foram feitos contra o teatro parisiense Bataclan, no mesmo ano, no calçadão em Nice, em 2015 – ambos na França –, e nas Ramblas de Barcelona (ESP), em 2017. A partir daí, a peça se torna uma tentativa de compreender a insensatez do horror e as consequências que resultam do ódio.

Em cena, existe uma tensa relação entre os personagens Amélia e Ramon. A música escolhida pelo jovem para homenagear a mãe tem um significado especial para ele, da mesmo forma que tem para a severa professora. Embora ela concorde em recebê-lo em sua casa e ajudá-lo, como num quebra-cabeças, detalhes do passado dos dois vão se encaixando à medida em que vão evoluindo nas aulas.

Temporada

Na segunda semana, quem fica em cartaz de 9 a 12 de julho (terça-feira a sexta-feira), sempre às 19h, no Piso 2S, é o coletivo artístico Carcaça de Poéticas Negras, com o espetáculo Buraquinhos. Com dramaturgia de Jhonny Salaberg e direção de Naruna Costa, a peça faz uma denúncia ao genocídio da população jovem, negra e periférica.

Baseada no realismo fantástico, a trama gira em torno da história de um menino negro – morador do bairro Guaianases, Zona Leste de São Paulo –, que vai a padaria no primeiro dia do ano e é enquadrado por um policial. A partir daí, ele começa a correr sem parar, numa maratona mundo afora, passando por países da América Latina e da África. Só que ao longo desse caminho, o menino é atingido por 111 tiros da arma de fogo do policial que o persegue.

Sobre elencos e companhias

Denise Stoklos é considerada uma das intelectuais e performers mais importantes do mundo, se apresentou em mais de 33 países, em sete diferentes idiomas, recebeu 22 prêmios, publicou sete livros e dirigiu e atuou em 27 solos teatrais de sua própria autoria. Professora de Performance Arts na New York University (NYU) e doutora honoris causa pela UNICENTRO. Foi dirigida por Antonio Abujamra, Antunes Filho, Luiz Antonio Martinez Correa e Fauzi Arap. Fez teleteatros na TV Cultura na década de 1970. Recebeu a Ordem do Mérito Cultural, do Rio Branco e do Pinheiro, e diversos prêmios como APETESP, Shell, APCA, Mambembe, de Edinburgh, Romênia, Cuba, entre outros.

Carcaça de Poéticas Negras é um coletivo artístico fundado em 2016 e composto por quatro jovens artistas negros e periféricos, oriundos de duas escolas de teatro do Estado de São Paulo: Escola Livre de Teatro e Escola de Arte Dramática. Tem como pesquisa de linguagem o corpo negro urbano e suas diásporas, o genocídio e o etnocentrismo na contemporaneidade e a carcaça de símbolos da ancestralidade negra. Tem seu repertório os espetáculos Mato Cheio, direção de Ivy Souza, e Buraquinhos ou O Vento é Inimigo do Picumã, direção de Naruna Costa, ambos com dramaturgia de Jhonny Salaberg. Este último foi premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), Aplauso Brasil, Folha de S. Paulo e UOL.

Tania Bondezan começou sua carreira nos anos de 1980, trabalhando com importantes diretores brasileiros, como Antônio Abujamra, José Possi Neto, Giani Ratto, Francisco Medeiros, Elias Andreato e Odilon Wagner. Entre seus principais trabalhos destacam-se O Corpo Estrangeiro, de Marguerite Duras, Um Certo Hamleto, de Giovani Testori, e Artaud, o Espírito de Teatro, de José Rubens Siqueira. Na televisão, fez trabalhos na Rede Globo, como Terra Nostra, Chocolate com Pimenta e Chiquinha Gonzaga, além de diversas novelas no SBT. No cinema, trabalhou, entre outros, com Ana Muylaert, em Durval Discos, e O Avental Rosa, de Jaime Monjardim.

Luciano Andrey é ator, cantor, diretor, produtor e versionista. É formado pela Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (EAD / USP), em 2006. Atua na cena teatral paulistana desde 2003 e no teatro musical desde 2007. Trabalhou na novela global Alto Astral. Atuou em grandes musicais, como A Madrinha Embriagada, dirigido por Miguel Falabella, e Miranda por Miranda, de Stella Miranda e Tim Rescala, e trabalhou com diretores como Celso Frateschi, Marco Antonio Pamio e Cristiane Paoli Quito. Codirigiu e produziu o espetáculo Nuvem de Lágrimas, O Musical, e como tradutor e versionista, ele assinou as versões brasileiras dos musicais We Will Rock You, Mudança de Hábito e Jesus Cristo Superstar.


SERVIÇO / ESPETÁCULOS:

Dias 4 e 5 de julho (quinta-feira e sexta-feira), 19h

As Palavras Gestuais

Com Denise Stoklos

Duração: 90 minutos

Classificação Indicativa: 18 anos

Piso 2S

Capacidade: 70 lugares

Interpretação em Libras

FICHA TÉCNICA:

Autoria e adaptações, direção e leitura: Denise Stoklos

Fotos: Leekyung Kim

Escritório de produção: Assper

Assistência: Cris Longo

Dias 4, 5 e 6 de julho (quinta-feira, sexta-feira e sábado), às 20h

Dia 7 de julho (domingo), às 19h

A Golondrina

De: Guillem Clua

Direção: Gabriel Fontes Paiva. Elenco: Tania Bondezan e Luciano Andrey.

Duração: 90 minutos

Classificação Indicativa: 12 anos

Sala Itaú Cultural (Piso Térreo)

Capacidade: 224 lugares

Interpretação em Libras

FICHA TÉCNICA:

Autor: Guillem Clua

Tradução: Tania Bondezan

Direção: Gabriel Fontes Paiva

Elenco: Luciano Andrey e Tania Bondezan

Cenógrafo e figurinista: Fabio Namatame

Assistente de direção: Ana Paula Lopez

Iluminador e Sonoplasta: André Prado

Trilha Sonora: Luisa Maita

Preparação Vocal: Jonatan Harold

Produção: Odilon Wagner, Ronaldo Diaféria e Tania Bondezan

Produção executiva: Marcos Rinaldi

De 9 a 12 de julho (terça-feira a sexta-feira), 19h

Buraquinhos

Idealização, coordenação e dramaturgia: Jhonny Salaberg. Direção: Naruna Costa. Elenco: Ailton Barros, Clayton Nascimento e Jhonny Salaberg.

Duração: 90 minutos

Classificação indicativa: 14 anos

Piso 2S

Capacidade: 70 lugares

Interpretação em Libras

FICHA TÉCNICA:

Idealização, coordenação e dramaturgia: Jhonny Salaberg

Direção: Naruna Costa

Elenco: Ailton Barros, Clayton Nascimento e Jhonny Salaberg

Instrumentistas: Erica Navarro e Giovani Di Ganzá

Preparação corporal: Tarina Quelho

Direção musical: Giovani Di Ganzá

Cenografia e Figurino: Eliseu Weide

Assistência de cenografia e figurino: Carolina Emídio

Criação de luz: Danielle Meireles

Operação de luz: Danielle Meireles e Thays do Valle

Vídeos: Lucas Cândido e David Costa

Produção: Bia Fonseca e Iza Marie

Realização: Carcaça de Poéticas Negras

Entrada gratuita

Distribuição de ingressos:

Público preferencial: uma hora antes do evento | com direito a um acompanhante

Público não preferencial: uma hora antes do evento | um ingresso por pessoa

Itaú Cultural

Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô

Buraquinhos
Buraquinhos

Crédito: Alessandra Nohvais

Comente aqui