Data: 17/09/2020 13:06 - Alterado em: 26/10/2020 14:07 / Autor: Redação / Fonte: Itaú Cultural

Programação do Festival Arte Como Respiro do Itaú Cultural

Uma paleta de músicas autorais vindas de diversas regiões do país dá o tom da quarta semana do Festival Arte como Respiro – Edição Música


Karen Francis
Karen Francis

Crédito: Leonardo Mota

Entre os dias 28 de outubro e 1 de novembro (quarta-feira a domingo), sempre às 20h, a programação do Festival Arte Como Respiro exibe o quarto recorte de apresentações dos trabalhos selecionados no segmento música, dentro da série de editais de emergência realizados pela instituição para apoiar artistas impactados pela suspensão social no contexto da pandemia do covid-19. Durante cinco dias, o site do Itaú Cultural, www.itaucultural.org.br, transmite apresentações pré-gravadas em formato pocket show de mais 15 artistas contemplados na categoria Autoral do edital. São projetos de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Amazonas, Roraima, Acre, São Paulo e Rio de Janeiro, nos quais eles tocam suas composições autorais, com ritmos que abrangem os gêneros regionais, samba, jazz, reggae e música popular brasileira. Os vídeos ficam disponíveis por 24 horas.

A semana

No dia 28 de outubro (quarta-feira), às 20h, o site da instituição coloca no ar o violonista e arranjador paulista, Gian Correa. Em apresentação solo, acompanhado de samples de saxofone e pandeiro, o artista apresenta o choro e a música instrumental brasileira em suas composições autorais Trançando as Pernas, Rogerinho no Baile e De All Star no Choro.

Diretamente do Rio de Janeiro, o multi-instrumentista Kiko Horta, um dos expoentes da nova ge­ração da música instrumental brasileira, está acompanhado de uma big band para apresentar os ritmos do Brasil. Com suas composições Forró Transcendental, Colo de Ignez e A Lâmpada e a Âncora, o músico navega pelo samba, choro, forró e jazz. Para fechar a primeira noite de shows, o paulista Thiago Espírito Santo une o jazz e a música instrumental brasileira e mostra ao público suas canções Para Todo o Sempre, No Big Deal e Fogo Baixo, Chapa Quente.

No dia seguinte, a cantora pernambucana, Uana Mahin, leva sua inspiração do universo dos orixás, mas também com referências em ritmos que vão do jazz à salsa, passando por elementos da música afro-brasileira. Em apresentação solo, ela canta para público suas músicas  Sem alarde, Pra te saudar e Elekó.

No segundo show da noite, o músico paraibano Arthur Vieira, canta e toca no violão suas músicas autorais Comercial Sul, Capim e O Sol e o Cachecol. Para fechar, o grupo Francisco El Hombre, formado pelos irmãos mexicanos Sebastián e Mateo Piracés-Ugarte e pelos brasileiros Juliana Strassacapa e Andrei Kozyreff, leva seu repertório autoral para uma versão acústica, com letras sobre política, empatia e depressão. As músicas selecionadas para o show são O Tempo é sua morada, Parafuso solto e Triste, Louca ou Má.

A sexta-feira começa com o Timeline Trio, grupo paulista que navega pela música de raiz tradicional das culturas de matriz e sua fusão com as sonoridades urbanas. Composto pelo gaitista, Lucas Cirillo, pelo baterista, Kau, e o pianista Vitor Arantes, o trio instrumental toca as canções Mojuba, Timeline e Sete Flechas.

Diretamente do Piauí, o guitarrista André de Souza mergulha no blues em apresentação solo. Para este show, o músico selecionou suas músicas Scotch no Breu, Mojo, Blues e Patuá e Esse Blues é pra Você. Para concluir a noite, o pianista pernambucano, Amaro Freitas, conhecido por unir os ritmos do frevo, baião, maracatu e o maxixe para a linguagem do jazz, mostra para o público as canções Trupé, Afrocatu e Batucada.

Final de semana

A programação musical do sábado e do domingo abrange as culturas e ritmos do Sudeste, Nordeste e Norte do Brasil. No dia 31, é a vez da roraimense, Euterpe. Cantora e compositora natural da capital Boa Vista, ela se apresenta, acompanhada do violonista Sérgio Barros, para mostrar suas influências regionais em Paixão Wapixana, Vivo de Música e Pura Mistura.

Retornando para o Sudeste, em apresentação solo com voz e violão, o paulista Romulo Fróes canta e dedilha suas músicas Um Amor de Morrer, Barulho Feio e Mulher do Fim do Mundo. A noite de sábado fecha com o cantor e compositor, Dito Bruzugu. Representando sozinho o grupo Os Descordantes, o músico acreano mostra para o público as canções Hoje de manhã, Três dias e Desamor.

No domingo, a programação musical começa pelo estado do Amazonas. Com apresentação em voz e violão, a cantora, instrumentista e compositora, Karen Francis, dita o ritmo da música popular brasileira em suas canções autorais Diluir, Acontecer e Cardume.

Viajando para o Rio Grande do Norte, o projeto Lus mistura os ritmos do pop, rock e a música eletrônica. Para essa apresentação, a cantora Sarah e o violonista Matheus Fortunado mostram para o público as canções A água, Devagar e Despido. Para encerrar a quarta semana de shows do festival, o piauiense Bruno Farias canta e toca os ritmos do reggae e do baião, em suas canções autorais Sete livros, Lá e Cá e Longa metrage.

SERVIÇO:

Festival Arte como Respiro – Edição Música - Autoral

De 28 de outubro a 1 de novembro (quarta-feira a domingo)

Sempre às 20h

No site do Itaú Cultural: www.itaucultural.org.br

Comente aqui