Data: 30/06/2022 09:27 - Alterado em: 04/07/2022 16:10 / Autor: Redação / Fonte: Secretaria de Cultura e Economia Criativa
Museu das Culturas Indígenas
Crédito: Governo do Estado de São Paulo

Governo de São Paulo inaugura o Museu das Culturas Indígenas

Novo equipamento cultural do Estado está localizado ao lado do Complexo Baby Barione e apresenta um modelo inovador de gestão, em parceria com a comunidade indígena

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, inaugurou nesta quarta (29/6), o Museu das Culturas Indígenas, que abre oficialmente ao público a partir de amanhã e terá entrada gratuita durante todo o mês de julho. Parte do plano de expansão da rede museológica do Governo de São Paulo, que conta com 24 equipamentos culturais, o primeiro museu feito e conduzido por indígenas está localizado no Complexo Baby Barione, ao lado do Parque da Água da Branca, Zona Oeste da capital, e recebeu do Estado um repasse total de R$ 14 milhões. O novo museu apresenta uma forma inovadora de gestão e governança, tendo como premissa a participação e o protagonismo dos diversos povos e comunidades indígenas por meio do Conselho Indígena Aty Mirim.

A gestão do Museu das Culturas Indígenas será compartilhada entre a Organização Social de cultura ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari), e o Instituto Maracá, entidade que tem como finalidade a proteção, difusão e valorização do patrimônio cultural indígena. O novo museu tem sete andares, com 200m2 cada, totalizando 1.400m2 de àrea total. Haverá espaço para exposições de longa e curta duração, centros de pesquisa e referência, auditório, administrativo e reserva técnica.

“O Museu das Culturas Indígenas foi idealizado e proposto por lideranças indígenas e implementado por artistas e curadores indígenas, com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, da organização social ACAM Portinari e do Instituto Maracá”, afirma Sérgio Sá Leitão, secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

“Há um conselho de gestão indígena que define o funcionamento e o conteúdo exposto. Trata-se portanto de um território indígena e de uma instituição cultural indígena, feita para dar visibilidade às expressões e práticas culturais e artísticas indígenas e compartilhar com todos os públicos os modos de ser, estar e criar dos indígenas”, explica.

“É também um espaço de aprendizagem”, diz Sá Leitão. “Um museu para vencer preconceitos, afirmar a identidade indígena e gerar harmonia plena. Todos os não-indígenas temos muito a aprender com a visão de mundo e as culturas indígenas. O primeiro passo é o respeito; o segundo, visitar este museu com a mente e o coração abertos.”

A curadoria dos artistas e obras está a cargo de Tamikuã Txihi, Denilson Baniwa e Sandra Benites, que escolheram, como exposições temporárias inaugurais, “Invasão Colonial Yvy Opata - A terra vai acabar”, de Xadalu Tupã Jekupé e “Ygapó: Terra Firme”, de Denilson Baniwa, ambos representantes da arte indígena contemporânea, que provocam o visitante a repensar a imagem que muitos têm sobre os povos originários do país.

Eu vejo o Museu das Culturas Indígenas como uma grande escola, uma escola viva, que vai dialogar sobre história, arte, sobre cultura e as diversas formas de se pensar e transmitir conhecimentos, saberes e fazeres tradicionais, que até hoje não são dialogados dentro das escolas”, afirmou Cristine Takuá, diretora do Instituto Maracá e membro do Conselho Indígena Aty Mirim.

Exposições de abertura

Uma das mostras temporárias que inauguram o MCI, a ‘Ocupação Decoloniza-SP Terra Indígena, ocupa as áreas externas, como muros e empenas, por meio de diferentes linguagens artísticas. Criada e executada por realizadores indígenas, a exposição destaca os grafismos Guarani e murais com onças, pintadas em duas grandes paredes externas. Tamikuã Txihi e Rita Sales Hunikuin são duas das artistas que assinam a mostra.

A exposição “Invasão Colonial Yvy Opata - A terra vai acabar”, do artista Xadalu Tupã Jekupé, traz, com sua estética na arte urbana contemporânea, a demarcação dos deslocamentos territoriais com múltiplas linguagens e o território identitário indígena ameaçado pela sociedade ocidental. Sua obra denuncia como os territórios originários em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, estão sendo engolidos pelo cimento da cidade. Cercas de arame revelam, não apenas a violência da invasão, mas o estado de segregação étnica em que vive o Povo Guarani, e a asfixia do espaço, cada vez menor, das terras indígenas. A mostra “Ygapó: Terra Firme”, do artista e curador Denilson Baniwa, é um convite para adentrar a floresta Amazônica por meio de experiências sensoriais. A mostra traz produções contemporâneas, tradicionais, sonoras e visuais de músicos indígenas.

Serviço:

Museu das Culturas Indígenas

Terça a domingo, das 9h às 18h

Quinta-feira, das 9h às 20h

Ingresso: R$ 15 inteira, R$ 7,50 meia (indígenas não pagam ingresso). Às quintas-feiras, a entrada é grátis.

Entrada: Link


+ Cultura

Agenda de Eventos

Artigo seguinte