Data: 17/01/2022 12:44 / Autor: Redação / Fonte: Sesc Mogi

Exposição Ausente Manifesto recebe diversos públicos e promove oficinas e bate-papos

Cada vez que você entra numa mesma Mostra seu olhar faz uma leitura diferente da primeira visita. Com base nessas diferentes experiências, o Sesc Mogi realiza algumas atividades


Os Dez Mil Lápis – obra exposta de José Damasceno
Os Dez Mil Lápis – obra exposta de José Damasceno

Crédito: Divulgação - Kaio Barreto

Exposição

Ausente Manifesto: ver e imaginar na arte contemporânea

Até 20/02/22, Livre| Grátis

Onde? Sesc Mogi: Rua Rogerio Tácola, 118, Bairro do Socorro, Mogi das Cruzes, SP

Quando: Horário de funcionamento:

De terça a sexta, das 13h às 22h

Sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h

Agendamento: Sua visita também pode ser mediada com educadores e profissionais de artes visuais nos horários a seguir.

Basta marcar pelo aplicativo: Credencial SescSP, disponível gratuitamente:

3as feiras, 20h| 4as feiras, 17h | e 6as feiras, 17h

Sábados e Domingos, 13h30

Ausente Manifesto: ver e imaginar na arte contemporânea traz 35 obras do acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo e da coleção de divulgação do clube de colecionadores. A exposição que dá início à parceria SESC/MAM. pretende levar a arte contemporânea a um público mais amplo e diverso reunido num espaço multicultural e de lazer. A curadoria de Ausente Manifesto é de Cauê Alves, curador do MAM, e Pedro Nery, museólogo da instituição

Algumas obras discutem objetivamente o lugar da arte, muitas vezes fora dos museus. São obras que revelam o negativo de uma obra. As obras escolhidas são de artistas contemporâneos que transpõem as divisões sedimentadas das linguagens artísticas, trazendo à tona um jogo entre desenho e instalações, vídeo e imagem, fotografia e representação. A ideia é criar uma oportunidade de aproximar o público amplo e diverso do Sesc da arte contemporânea.

Os artistas que integram a mostra são Adriana Varejão, Angela Detanico, Anna Bella Geiger, Antonio Dias, Cao Guimarães, Carlito Carvalhosa, Cinthia Marcelle, Coletivo Garapa, Dora Longo Bahia, Efrain Almeida, Ernesto Neto, Fabrício Lopez, Gabriel Velarde, Gilvan Barreto, Jonathas de Andrade, José Damasceno, José Patrício, Lenora de Barros, Lucia Koch, Marcius Galan, Marepe, Matheus Rocha Pitta, Mídia Ninja, Milton Machado, Milton Marques, Nelson Leirner, Nuno Ramos, Rafael Lain, Regina Silveira, Rivane Neueschwander, Romy Pocztaruk, Sara Ramo, Tadeu Jungle,  Thiago Bortolozzo, Thiago Honório e Waltércio Caldas.

Na exposição, sente-se a ausência do objeto e ao mesmo tempo é possível imaginá-lo pendurado ali. Esse preenchimento é justamente o universo simbólico pretendido. "Falar do que não está presente é, na verdade, o tema central do museu. Os objetos expostos, guardados e preservados, estão lá por seus valores simbólicos, por exemplo, um simples lápis quando entra para a coleção de um museu, deixa de servir à escrita e passa apenas a atender ao olhar do visitante.", comentam os curadores.

A exposição reforça um caráter inusitado, e por vezes irônico, da arte contemporânea em deturpar a lógica de representação dos objetos que são reconhecidos por suas utilidades, estabelecendo, dessa forma, uma ordem diferente entre o que é representar e criar. A arte é produtora do simbólico de nascença, ou seja, quando criada ela não tem uma utilidade prática.

Atividades Paralelas

Além da visita mediada por educadores, nesse último mês de exposição o Sesc Mogi está promovendo uma série de oficinas e bate-papos relacionados à mostra. A ideia é expandir o tema sugerido, além de ampliar o repertório do visitante a respeito de arte contemporânea. Veja a seguir o que você encontrará nessa agenda:

Cartografias Afetivas

Qui, 20/01/2022, 19h às 21h - ETA - Espaço de Tecnologias e Artes – inscrições antecipadas em https://inscricoes.sescsp.org.br/online/#/inscricao

Essa oficina propõe aos participantes construir uma representação cartográfica da cidade a partir de suas experiências afetivas. Por meio do recorte e da colagem, será possível reorganizar a percepção espacial da cidade, reconhecendo-se, assim, novos modos de perceber e representar as relações com o território.

Papelogravura

com Caroline Machado

Quinta, 20/01/2022, 17h às 18h30 - Sala 1 - sem inscrição antecipada – Recomendado para pessoas a partir de 60 anos

Inspirada na materialidade do papelão, da obra de Matheus Rocha Pitta, e também na técnica utilizada na obra de Fabrício Lopez, a xilogravura, ambas da Exposição Ausente Manifesto, esta oficina propõe a experimentação de uma técnica de gravura: a papelogravura, técnica que consiste em criar relevos em uma base de papelão tanto gravando ou construindo relevos com pedaços do material.

Caroline Machado: Educadora e multiartista, desenvolve oficinas nas linguagens da artes visuais e dança, além de trabalhar com mediação educativa. Licenciada em Artes Visuais, pesquisa as manifestações populares brasileiras e as tradições afro-diaspóricas.

Desenho com Sombras

Quinta, 27/01/2022, 17h às 18h30 - Livre - sem inscrição antecipada

A oficina Desenho com sombras convida os participantes a experimentarem e conversarem sobre o processo de distorção da imagem por meio das sombras, presente na obra da artista Regina Silveira. Por meio de recursos como objetos ou o próprio corpo, os participantes serão convidados a criar uma composição com sombras e produzir o seu desenho ou registro gráfico. 

Olhar para a Arte com Cartas do Tarot

Com Fernando Saab

Domingos, 30/1 e 20/02/22- Livre – sem inscrição antecipada

Pergunte a si mesmo: "o que me trouxe a essa exposição?". Com uma intervenção poética baseada na "abertura de cartas" do tarot, essa intervenção poética convida os participantes a conhecerem a exposição Ausente Manifesto com um olhar interessado, questionador, investigativo. Nessa proposta, cada carta do tarot contém elementos gráficos das obras em exposição, mobilizando as obras como catalizadoras das nossas leituras sobre a arte, o mundo e nós mesmos.

Fernando Saab, historiador, arte educador e musicoterapeuta. Atua com produção cultural, educação e cultura. Possui experiência como educador de Arte e Cidadania no CEU das Artes Vila Nova União, educador musical e musicoterapeuta com foco no atendimento do TEA. Desenvolve o projeto de Educação Patrimonial, Caminho das Memórias, através de contação de histórias e visitas monitoradas em museus em Mogi das Cruzes.

Padronagem de Azulejo com Stêncil

Com Samara Costa

Quinta, 03/02/2022, 16h às 17h30 -10 anos - sem inscrição antecipada

A partir da observação da obra Olinda-Celeste, dos artistas Lucia Koch e Gabriel Acevedo Velarde, da Exposição Ausente Manifesto, os participantes da oficina serão estimulados a criar padrões visuais com a técnica do stêncil, com a qual farão impressões sobre azulejos.

Samara Costa: Artista visual educadora, desenvolve atividades lúdicas e artístico pedagógicas com crianças, famílias e professores. É criadora do projeto Engenharia Lúdica, atuou no PIÁ e no Coletivo Alma Ambiental. Presta assessoria voluntária em arte-educação voltada a escolas públicas. Graduada na Faculdade Belas Artes e especialização em "Arte Integrativa" na Univ. Anhembi Morumbi. 

História do Não Ver: fotografia com outros sentidos

Com Rafaela Federici

Quinta, 10/02/2022, 19h às 20h30 - 14 anos - sem inscrição antecipada

A partir da obra História do não ver, a oficina propõe a criação de fotografias sem o artifício da visão, isto é, explorando outros pontos de vista e a percepção do espaço a partir de outros sentidos. Os participantes serão convidados a criar registros do espaço do Sesc Mogi das Cruzes a partir de outras alturas, ângulos e gestos que não aqueles orientados pela sentido da visão.

Rafaela Federici: Arte-educadora e atriz. Desenvolve trabalhos culturais com crianças, jovens, adultos e idosos. Criadora do projeto "Quem Nunca?!", pesquisa e atuação no foco da pessoa com deficiência, com ênfase no desenvolvimento e inclusão social. É produtora cultural do projeto "Caminho das Memórias".

Procuro-me: Oficina de Lambe-lambe

Com Caroline Machado

Quinta, 17/02/2022, 17h às 18h30 - 14 anos - sem inscrição antecipada

O lambe-lambe é uma técnica artística associada à arte urbana, na qual cartazes são fixados sobre muros e paredes. Na exposição Ausente Manifesto, ele é utilizado pela artista Lenora de Barros em uma obra que ocupa a área externa da exposição, chamada "Procuro-me". Com base nesta obra, a oficina convida o público a criar um lambe-lambe coletivo a partir de autorretratos fotográficos clicados e impressos em tempo real.

Caroline Machado: Educadora e multiartista, desenvolve oficinas nas linguagens da artes visuais e dança, além de trabalhar com mediação educativa. Licenciada em Artes Visuais, pesquisa as manifestações populares brasileiras e as tradições afro-diaspóricas.

Sesc Mogi: Rua Rogerio Tácola, 118, Bairro do Socorro, Mogi das Cruzes, SP

Horário de funcionamento:

De terça a sexta, das 13h às 22h

Sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h

Protocolo sanitário e condições climáticas

Algumas atividades programadas acontecem em espaço aberto, estando sujeitas às condições do clima e podendo ser adiadas ou canceladas em caso de chuva persistente| Aos visitantes será exigida a apresentação da carteira de vacinação contra a covid-19, com pelo menos duas (02) doses da vacina, ou a dose única.

Comente aqui