Data: 27/01/2022 17:08 / Autor: Redação / Fonte: Ecovias

Ecovias apoia Artesp em ação de combate ao trabalho escravo na rodovia dos Imigrantes

Concessionária também inseriu mensagens com canal de denúncia em painéis eletrônicos instalados ao longo do Sistema Anchieta-Imigrantes


A Ecovias, concessionária do Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), dará suporte operacional para que a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) e a Secretaria Estadual da Justiça e Cidadania (SJC) realizem, nesta sexta-feira (28/01), uma ação educativa que busca conscientizar motoristas sobre a Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. A atividade vai ocorrer no posto de serviços Complexo Imigrantes (antigo Borssato), localizado no km 35 da Rodovia dos Imigrantes, das 16h às 18h. 

Na ação haverá também distribuição de folhetos informativos com dados dos canais de denúncia do órgão público. Em apoio a isso, a Ecovias exibe, desde a última segunda (24), mensagens em seus painéis eletrônicos instalados nas rodovias do Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI) e em posts nas redes sociais com a frase “Trabalho escravo é crime! Denuncie: disque 100”.

O gerente de atendimento ao usuário da Ecovias, Fernando Ferreira, afirma que a concessionária é um ator importante em ações de conscientização de toda natureza para os usuários. “Assim como em outras campanhas, estamos comprometidos em apoiar a Artesp e contribuir para que essa mensagem chegue ao maior número de pessoas possível”, afirma Ferreira. 

O trabalho escravo é uma triste realidade que ainda assola o nosso país; mas isso não significa que temos que abaixar a cabeça e aceitar que pessoas sejam abusadas dessa forma. A Artesp, em parceria com a Secretaria de Justiça e Cidadania, vai contribuir cada vez mais com iniciativas para conscientizar e educar os usuários das rodovias concedidas sobre a importância de combate e das denúncias contra o trabalho escravo”, explica Milton Persoli, diretor-geral da ARTESP. 

Dados históricos 

Entre 1995 e 2020, mais de 55 mil pessoas foram libertadas de condições de trabalho análogas à escravidão no Brasil, segundo o Radar da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), vinculada à Secretaria Especial de Previdência e Trabalho (SEPRT) do Ministério da Economia. As trabalhadoras e os trabalhadores libertados são, em sua maioria, migrantes internos ou externos, que deixaram suas casas para a região de expansão agropecuária ou para grandes centros urbanos, em busca de novas oportunidades ou atraídos por falsas promessas. 

Canais de denúncia

Em caso de denúncia é preciso fazer contato pelo site da Secretaria de Justiça e Cidadania no link: www.justica.sp.gov.br, ligar no telefone da ouvidoria (11) 3291-2621 / 3291-2624, de segunda a sexta, das 10h às 17h ou encaminhar um e-mail para ouvidoria@justica.sp.gov.br.

Também é possível fazer a denúncia presencialmente: de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h, no Pátio do Colégio, 148. A identidade do denunciante é preservada.

Serviço:

 Campanha de conscientização

Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo

Posto de serviços Borssato

Rodovia dos Imigrantes km 35

Sexta-feira (28 de janeiro), das 16h às 18h

Crédito: Divulgação/ARTESP

Comente aqui