Data: 17/06/2021 10:56 / Autor: Redação / Fonte: Colégio Marista

Cyberbullying: Quais medidas as famílias devem adotar para evitar?

Coordenadora de Tecnologia Educacional do Colégio Marista Arquidiocesano esclarece como evitar o assédio virtual


Crédito: Reprodução

O cyberbullying é um assédio moral que uma pessoa pode sofrer pela internet, seja nas redes sociais, sites, blogs ou em aplicativos de mensagens.

A prática é caracterizada por ofensas recorrentes e repetitivas a uma pessoa, podendo fazer com que ela venha a ter problemas emocionais, preocupação e outros sentimentos ruins. Neste tipo de bullying não é necessário que o agressor e a vítima estejam próximos, ele pode ser feito a partir de qualquer lugar do mundo e em qualquer momento.

As vítimas de uma intimidação virtual podem sofrer de sintomas como: estresse, humilhação, ansiedade, depressão, perda de confiança e raiva.

Uma pesquisa divulgada em 2019 pelo UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e pelo representante especial do secretário-geral da ONU sobre violência contra as crianças revela que um em cada três jovens, em 30 países, disse ter sido vítima de bullying online, com um em cada cinco relatando ter saído da escola devido a cyberbullying e violência.

No Brasil, 37% dos respondentes afirmaram já ter sido vítima de cyberbullying. As redes sociais foram apontadas como o espaço online em que mais ocorrem casos de violência entre jovens no País, identificando o Facebook como a principal.

De acordo com a coordenadora de Tecnologia Educacional do Colégio Marista Arquidiocesano, localizado em São Paulo (SP), Cleusa de Paula Diniz, é fundamental que jovens e crianças aprendam a se portar no uso da internet, o que não expor, quais cuidados tomar para proteger o computador e o smartphone, e principalmente, o que fazer quando for ofendido no ambiente digital.

Observo crianças e adolescentes, assim como alguns adultos, postarem ou compartilharem mentiras, para desmoralizar alguém por suas características e preferências, e depois justificar, dizendo que foi apenas uma brincadeira. É importante compreender que essas ofensas não são brincadeirinhas e sim crimes, que geram responsabilização”, afirma.

Segundo a professora, algumas medidas são importantes para evitar o assédio, tais como: 

-As redes sociais costumam ter um espaço para denunciar uma página ou um perfil abusivo. Se este problema ocorre através de e-mails, os provedores deste serviço têm um contato para reportar a situação;

-É papel da escola e dos pais ensinar as crianças e jovens a usar a internet com responsabilidade. A melhor prevenção é a informação;

-Preserve sua privacidade e respeite a das outras pessoas;

-Aos pais: Fiquem atentos caso seus filhos apresentem sintomas como não querer ir à escola, baixa autoestima e depressão. Atitudes como bloquear o computador e ficar nervoso quando alguém se aproxima podem indicar que está acontecendo alguma coisa.

“Os jovens devem ter seus direitos respeitados e promovidos em todos os espaços de interação. Respeitar a posição de todos deve ser uma maneira de se relacionar com o mundo, para construirmos juntos um futuro mais ético, justo e solidário”, frisa a coordenadora.

Comente aqui