Data: 28/01/2022 11:09 / Autor: Redação / Fonte: Prefeitura de São Paulo

Em artigo, revista americana Forbes destaca São Paulo como ‘a capital mundial das vacinas’

Muitas pessoas que vivem fora do Brasil ficaram surpresas quando a capital paulista anunciou a marca de 100% de cobertura vacinal completa de adultos


Vacinação Covid-19
Vacinação Covid-19

Crédito: Rovena Rosa - Agência Brasil

No último domingo (23), a revista americana Forbes publicou um artigo da jornalista britânica Christine Ro sobre o avanço da imunização na cidade de São Paulo e como se tornou “a capital mundial da vacina”.

Segundo a publicação, muitas pessoas que vivem fora do Brasil ficaram surpresas quando a capital paulista, uma das maiores do mundo, anunciou a marca de 100% de cobertura vacinal completa de adultos em novembro de 2021. Leia abaixo a íntegra traduzida do artigo.

Como São Paulo se tornou 'a capital mundial das vacinas'

Muitos não brasileiros, até mesmo epidemiologistas, ficaram surpresos com o anúncio em novembro de 2021 de que São Paulo havia alcançado a vacinação completa universal de adultos contra a Covid-19. Afinal, São Paulo é uma das cinco maiores cidades do mundo, criando potenciais desafios logísticos para chegar a 100%.

Em todo o país, também houve obstáculos políticos a serem superados. O presidente Jair Bolsonaro vem divulgando desinformações ridículas durante toda a pandemia, além de adiar a vacinação. Mais recentemente, ele se opôs ferozmente à vacinação de crianças de 5 a 11 anos, que começou em janeiro de 2022. No entanto, a maioria dos apoiadores de Bolsonaro ignorou seus discursos relacionados à vacina.

No geral, a alta cobertura vacinal do Brasil não deve ser uma surpresa.

Embora haja, é claro, bolsões de hesitação vacinal, bem como profundas disparidades de saúde, o Brasil tem uma forte cultura de vacinação há anos. Isso está ligado à força das instituições governamentais. As campanhas e exigências do sistema público de saúde, escolas públicas e programas de assistência pública têm contribuído para a total normalização da vacinação.

Promovido

“Brasil e São Paulo sempre foram um modelo de excelentes campanhas de vacinação por meio do sistema de cobertura universal de saúde, baixa hesitação vacinal e grande adesão”, segundo Otavio T. Ranzani, pesquisador de epidemiologia da Universidade de São Paulo (além de professor assistente do Instituto de Saúde Global de Barcelona). E, “infelizmente, a pandemia do COVID-19 afetou em grande medida a população paulista, o que é um fator para motivar a taxa de vacinação”.

O Brasil, como alguns outros países, tem até mascote da vacina. Desde 1985, o personagem Zé Gotinha ajuda a superar as suspeitas de programas públicos de vacinação – embora o governo Bolsonaro tenha limitado sua atuação durante a pandemia.

A aceitação da vacina é alta em todo o Brasil. De acordo com o Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME), com sede nos EUA, em 23 de dezembro de 2021, 92% das pessoas com 12 anos ou mais no Brasil disseram que aceitariam ou provavelmente aceitariam uma vacina Covid-19. Em nenhum estado o percentual foi inferior a 80%. (Alguns outros países latino-americanos também têm altas taxas de aceitação de vacinas – chegando a 100% nos vizinhos do Brasil, Colômbia e Argentina.)

A vontade de se vacinar tem sido alta durante toda a pandemia. Em janeiro de 2021, 89,5% dos brasileiros pesquisados online disseram que pretendiam se vacinar contra a Covid-19.

Isso não se traduz necessariamente em alta vacinação real, em parte devido a problemas de abastecimento. Em 13 de dezembro, segundo dados do IHME, 62% das pessoas no Brasil estavam totalmente vacinadas, enquanto 72% haviam recebido apenas uma dose.

Até certo ponto, os brasileiros estão pegando a estrada para obter acesso. De fato, a taxa de vacinação de São Paulo ultrapassa 101% por causa de não residentes que viajam para lá para serem vacinados. A cidade tem sido um ímã para migrantes e visitantes.

As vacinas Covid-19 utilizadas no Brasil nem sempre foram as de maior eficácia. No entanto, mesmo as vacinas de menor eficácia ajudaram a reduzir o número de casos, por exemplo, em Serrana, no Estado de São Paulo. Em São Paulo, a distribuição de vacinas de maior eficácia ajudou a reduzir drasticamente as infecções e hospitalizações por coronavírus .

Segundo Ranzani, “o sucesso da vacinação foi capaz de diminuir a carga da onda Gama em São Paulo, que foi massiva. Outro sucesso notável que ocorreu em São Paulo e em outros lugares foi a contenção da propagação do Delta, resultando em um número muito menor de casos, internações e mortes do que o esperado.”

A velocidade e amplitude do lançamento da vacina impulsionou a taxa de vacinação de São Paulo. “Houve uma distribuição rápida e coordenada de doses”, comenta Ranzani. A vacinação tornou-se amplamente acessível, em termos de horário (fins de semana, feriados, às vezes 24 horas por dia); localização (unidades móveis); e alcance de populações vulneráveis (sem-teto, aqueles com segundas doses vencidas).

Ainda assim, a vacinação extremamente alta não é uma panacéia. Em uma coletiva de imprensa em 12 de janeiro, Carissa F. Etienne, diretora da Organização Pan-Americana da Saúde, afirmou que a Omicron “levou a um aumento de reinfecções, mesmo entre aqueles que estão totalmente vacinados. Essa nova onda de infecções não será 'leve' para nossos sistemas de saúde, pois a variante Omicron já está desafiando nossa força de trabalho de saúde e limitando o atendimento a outras doenças”.

E Ranzani observa: “Não acho que devemos considerar o conceito de 'imunidade de rebanho' como uma meta de saúde pública neste momento. A chegada e a disseminação da Omicron mostraram isso claramente novamente”. Em todo o Brasil, a cobertura de tiros de reforço é atualmente baixa.

No entanto, à medida que avança para novas fases da pandemia, São Paulo está demonstrando que um forte serviço de saúde pública e o legado da vacinação podem substituir as políticas para proteger o maior número possível de pessoas.

Christine Ro – Jornalista colaboradora em temas sobre Ciência e Desenvolvimento Internacional (definido de forma ampla).

 *Reproduzido e traduzido da publicação de 23 de janeiro de 2022 do site da revista Forbes.

Comente aqui