Data: 09/08/2020 16:33 / Autor: Redação / Fonte: SBT

Amazônia não é desafio trivial, mas governo entendeu o que tem de fazer

Afirmação é do presidente do Bradesco, em entrevista ao Poder em Foco


Crédito: Divulgação SBT

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, afirmou que a Amazônia não é um desafio trivial, por causa de sua extensão de 5,5 milhões de quilômetros quadrados, mas avaliou que o Governo entendeu isso, está com políticas adequadas em andamento para desenvolver a região e melhorar a imagem do Brasil no exterior. “Está clara essa disposição do Governo”, disse em entrevista ao Poder em Foco, que vai ao ar neste domingo (09), no SBT

Lazari ressaltou, porém, que não existem ainda no país projetos estruturantes para a Amazônia no tamanho ou dimensão necessários e cobrou maior participação da iniciativa privada. “Porque não basta doar um pouco de dinheiro. Nós temos que levar projetos para poder desenvolver, por exemplo, a monocultura de cacau, a monocultura de açaí. Se a pessoa conseguir produzir e tirar o seu sustento da terra, ela não tem por que ir para dentro da floresta derrubar madeira e vender para o seu sustento”, apostou.

No final de julho, executivos dos três maiores bancos privados do Brasil (Itaú, Bradesco e Santander) tiveram reunião com o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que preside o Conselho da Amazônia, para discutir a criação de um fundo para a região. Octavio de Lazari foi um dos participantes. “O que eles precisam e a gente vai ajudar, é a gente estruturar, organizar esse trabalho dentro da Amazônia”, prometeu.

O Ceo do Bradesco destacou que outro desafio do Brasil é retomar o equilíbrio fiscal. Ele ressaltou a necessidade de o Governo manter o teto de gastos, de não ceder às pressões para ampliação das despesas no pós-pandemia e fazer a reforma tributária. Lazari não concorda, porém, com a ideia da equipe econômica de criar um imposto sobre transações digitais. Para ele, isso será um retrocesso. “Nós vamos perder toda essa digitalização que conquistamos ao longo do tempo. Vai ser natural que as pessoas queiram fazer as suas transferências em dinheiro para não pagar esse imposto. Então eu acho que não seria o mais adequado para o país”, concluiu.

Na conversa com o jornalista Fernando Rodrigues, o presidente do Bradesco revelou, ainda, o que a instituição precisou fazer para enfrentar esse momento de pandemia, apontou quantas agências bancárias podem ser fechadas nos próximos anos e detalhou os valores investidos em tecnologia e para maior segurança dos clientes.

O Poder em Foco é o programa de entrevistas do SBT em parceria editorial com o jornal digital Poder 360. Vai ao ar todos os domingos, logo após o Programa Silvio Santos.

Comente aqui