Data: 24/05/2022 17:30 / Autor: Redação / Fonte: CIESP

No ABCD todos os dias são da indústria

Artigo dos diretores das regionais do CIESP do Grande ABC e pelo presidente da entidade, Rafael Cervone


Rafael Cervone, engenheiro e empresário, é o presidente do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP)
Rafael Cervone, engenheiro e empresário, é o presidente do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP)

Crédito: Divulgação

Dados do Observatório Econômico da Universidade Metodista indicam que os sete municípios do ABCD contam com mais de 24 mil empresas manufatureiras, que empregam cerca de 26% da população economicamente ativa. Além disso, segundo o Consórcio Intermunicipal Grande ABC, o PIB local do setor, de aproximadamente R$ 30 bilhões, é o segundo maior do Estado de São Paulo, atrás apenas da Capital, e o terceiro do Brasil. Assim, o parque fabril da área, representado pelas diretorias regionais do CIESP de Diadema, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, tem razões mais do que relevantes para comemorar o Dia da Indústria, 25 de maio.

O exemplo local demonstra ser necessário um Brasil com indústria forte, para que possamos oferecer mais oportunidades de inclusão socioeconômica e vida de melhor qualidade à população. O PIB da manufatura no País é de R$ 837,2 bilhões (2021), representando 11,3% do total nacional, participação que caiu nas últimas décadas, voltando ao nível anos 1950. Isso exige uma política ousada e eficaz para o fomento setorial, uma estratégia de Estado e não de governo.

A Covid-19 nos impôs a perda de numerosas vidas e aplicou golpes duros demais na economia, com o fechamento de empresas e aumento do desemprego. Felizmente, estamos vencendo a pandemia. Porém, o cenário é desafiador. Mais uma vez, contudo, a indústria está presente, com a resiliência e determinação características de seus empresários e recursos humanos, mobilizando-se no sentido de contribuir para a retomada do crescimento.

Por isso, arregaçamos as mangas e, apesar da inflação, dos juros elevados e das incertezas do cenário mundial devido à guerra entre Rússia e Ucrânia, nós, da indústria paulista, estamos fazendo nossa parte, lutando em várias frentes, com estratégias e planejamento. Um exemplo é o projeto da Jornada da Transformação Digital, desenvolvido pelo Senai e o Sebrae, já apresentado às 42 Diretorias Regionais. Nossa meta é estimular 40 mil indústrias a aderirem voluntariamente e a receberem apoio profissional para alcançar a maturidade digital. O projeto tem potencial para proporcionar ganhos médios de produtividade de 50%.

Também temos incentivado as indústrias a adotarem as políticas de sustentabilidade ESG (Enviromental, Social and Governance), que primam por questões importantes de impacto socioeconômico, como o estímulo à presença das mulheres e dos jovens do empreendedorismo. Trabalhamos, ainda, em projetos de incentivo à inovação tecnológica. Tais iniciativas estão em linha, respectivamente, com as exigências da civilização global e da sociedade brasileira quanto às boas práticas empresariais e o advento da Quarta Revolução Industrial, que surge como um dos mais disruptivos movimentos da história econômica.

O parque manufatureiro paulista, pioneiro do setor no País, sempre foi protagonista, como ocorre hoje, nas transformações, respostas, ações e mobilização no enfrentamento das adversidades conjunturais. Por isso, comemoramos com justo orgulho o Dia da Indústria!

Rafael Cervone, engenheiro e empresário, é o presidente do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP).

Anuar Dequech Júnior, diretor do Ciesp Diadema

Equipe Ciesp São Caetano

Mauro Miaguti, diretor do Ciesp São Bernardo do Campo

Norberto Luiz Perrella, diretor do Ciesp Santo André

Mauro Miaguti, Norberto Perrela e Anuar Dequech
Mauro Miaguti, Norberto Perrela e Anuar Dequech

Crédito: Divulgação

Comente aqui