Data: 01/11/2019 15:14 / Autor: Redação / Fonte: Assessoria

“Sem Pressa Pra Viver” e Quatro Estações Instituto de Psicologia promove ação em São Paulo

Iniciativa gratuita acontece na estação Clínicas da linha verde do Metrô, das 10h às 14h, e tem o objetivo de oferecer acolhimento para pessoas lidarem com a morte


“Sem Pressa Pra Viver” e Quatro Estações Instituto de Psicologia promove ação em São Paulo para ajudar a lidar com o luto
“Sem Pressa Pra Viver” e Quatro Estações Instituto de Psicologia promove ação em São Paulo para ajudar a lidar com o luto

Crédito: Divulgação

No próximo dia 02 de novembro (Dia de Finados), o movimento Sem Pressa Pra Viver (#sempressapraviver), em parceria com o Quatro Estações Instituto de Psicologia, realiza das 10h às 14h, na estação Clínicas (Linha 2–Verde) do Metrô de São Paulo, ação gratuita de acolhimento e escuta terapêutica conduzida por um grupo de psicólogos voluntários e especializados em luto para pessoas que estão passando ou passaram por alguma perda e precisam ser ouvidas.

A ação faz parte do projeto “Suas perdas, seu luto, vamos conversar?”, liderada pelo publicitário Irineu Villanoeva Junior, idealizador da ação e do movimento #sempressapraviver, e conta com o apoio do Metrô de São Paulo. Não haverá agendamento prévio nem triagem e os acolhimentos serão individuais e em um ambiente criado especialmente para a ação.

“A proposta é uma experiência de acolhimento e escuta terapêutica em espaço público com a intenção de ajudar a ampliar e facilitar o apoio aos enlutados, para que falem de suas perdas”, explica Irineu Villanoeva Junior. Ele ressalta que a ação não é um atendimento psicológico e se caracteriza como um apoio emocional.

Irineu decidiu criar projetos sobre o tema após perder em 2015 seu pai e sobrinho em um período de apenas três meses entre um e outro. A partir dessas experiências, estudou sobre o assunto e decidiu criar o movimento #sempressapraviver, com o objetivo de ajudar pessoas que passaram ou estão passando pelo processo de luto de forma preventiva, realizando ações de educação para a morte e psicoeducação. Após o atendimento, contatos de grupos gratuitos de apoio a enlutados em São Paulo e uma cartilha com dicas sobre como lidar com o luto serão compartilhados com os participantes.

Em junho deste ano, o #sempressapraviver, em parceria com o do Quatro Estações Instituto de Psicologia, lançou o curta-metragem em animação "O dia em que o passarinho não cantou", com o objetivo de abrir o diálogo sobre perdas e luto com crianças. Baseado na obra de Luciana Mazorra e Valéria Tinoco, o curta-metragem conta a história de uma menina que precisa lidar com o processo da perda de seu passarinho que adoece e é seu animal de estimação. Pode ser visto no site www.sempressapraviver.com.br.

Além disso, a campanha “101 Perguntas sobre perdas e luto da criança”, também iniciativa do #sempressaparaviver e do Quatro Estações Instituto de Psicologia, é um movimento colaborativo que incentiva as pessoas a enviar perguntas sobre como tratar do tema com os pequenos, que serão respondidas por especialistas. As perguntas podem ser enviadas no email 101perguntas@4estacoes.com. Villanoeva conta que a ideia é transformar esse conteúdo em uma publicação e/ou conteúdo digital.

Levantamento sobre luto

No ano passado, uma pesquisa inédita feita pelo Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep) e pelo Studio Ideias, revelou que o brasileiro tem dificuldade para lidar com a morte. O levantamento, baseado em uma amostragem de mil pessoas, mapeia a percepção da população brasileira sobre assuntos como a realização de cerimônias fúnebres e questões se uma pessoa deve ou não decidir sobre o fim da própria vida. Os principais resultados apontam a baixa presença do tema no cotidiano: 74% afirmam não falar sobre a morte no dia a dia.

Os brasileiros associam também a morte a sentimentos difíceis, como tristeza (63%), dor (55%), saudade (55%), sofrimento (51%), medo (44%). Por outro lado, a pesquisa mostrou também que há ressalvas sobre como e com quem falar sobre a morte: 55% concordaram que é importante conversar sobre o tema. Mas para 82% dos entrevistados, é verdadeira a frase de que "não tem nada mais sofrido e dolorido que a dor da perda".

Serviço

Projeto: “Suas perdas, seu luto, vamos conversar?” - acolhimento e escuta terapêutica para pessoas que estão passando ou passaram por alguma perda feito por um grupo de psicólogos voluntários e especializados em luto

Data: 02 de novembro de 2019

Horário: das 10 às 14h

Entrada: Gratuita

Local: Estação Clínicas do Metrô: Av. Dr. Arnaldo, 555 – Consolação, São Paulo – SP

Como vai funcionar: É só chegar - não haverá agendamento prévio e nem triagem para atendimentos

Comente aqui