Data: 08/06/2016 18:09 / Autor: Niceia de Freitas / Fonte: PMSBC

Luiz Marinho abre seminário internacional sobre governança regional

Durante encontro, na Universidade Federal do ABC, prefeito de São Bernardo apontou necessidade de maior integração entre as cidades da região


Crédito: Raquel Toth

O prefeito de São Bernardo e presidente do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, Luiz Marinho, abriu, nesta quarta-feira (8), o ‘Seminário Internacional Desenvolvimento e Governança Regional: Diagnósticos e Pesquisas a partir da Região Metropolitana de São Paulo’. O evento acontece no campus São Bernardo da Universidade Federal do ABC (UFABC) e é promovido em parceria com o Consórcio. Dirigida a gestores públicos, acadêmicos, especialistas, representantes dos movimentos sociais e da sociedade civil, a programação tem continuidade nesta quinta-feira (9) com debate sobre ‘Governança territorial’.

 O Seminário tem como objetivo discutir a elaboração do Plano Diretor Regional do ABC (PDR-ABC), que vai integrar políticas públicas e projetos dos municípios da região, como aqueles de mobilidade. O encontro também vai debater o Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI) da Grande São Paulo, que estabelece diretrizes para orientar o desenvolvimento regional, sempre considerando melhorias na qualidade de vida.

 “Este evento é um marco para as políticas, gestão e planejamento das áreas metropolitanas a partir de projetos articulados entre as cidades”, disse o prefeito. Nesse sentido, Marinho recordou que o ABC foi pioneiro em ações de integração regional, como a criação do Consórcio, da Câmara Regional do ABC e a elaboração do Plano Plurianual Participativo (PPA) regional 2013. O chefe do Executivo, eleito em maio presidente do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de São Paulo, disse que agora é preciso avançar ainda mais.

Marinho defendeu a necessidade de uma governança inovadora por meio do debate permanente com a sociedade civil e de uma visão estratégica para e região metropolitana que considere as próximas décadas. “Precisamos construir uma expressiva capacidade para gerir nossa agenda regional com base na cooperação entre os atores sociais e organismos políticos. Temos, enfim, que construir estímulos que fortaleçam os elos de cooperação e confiança entre os governos que hoje representamos”, afirmou.

Em relação à elaboração do PDUI, Marinho classificou como urgente a definição de uma integração modal e tarifaria do transporte coletivo em escala metropolitana. Também citou a necessidade de avanço em temas críticos como macro e microdrenagem, preservação dos mananciais, segurança hídrica, enfrentamento à mudança climática, redução de riscos, política habitacional e segurança urbana. Além disso, ressaltou que é preciso estruturar um plano de desenvolvimento econômico que viabilize “a configuração de um ambiente metropolitano de inovação, envolvendo redes e aglomerações empresariais, assim como as principais universidades presentes na Região Metropolitana”.

Além de participar da abertura do evento, Marinho foi moderador da mesa que teve como tema ‘Governança Territorial, Democracia e Desenvolvimento’. Eduardo Marques, do Centro de Estudos Metropolitanos (CEM) e do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), discorreu sobre ‘Redes sociais, o Território e a (re)constituição da Metrópole’. Ele falou sobre a conjuntura atual e os legados do planejamento brasileiro.

“Na década de 1990, já vimos um cenário de desemprego elevado e crescimento da pobreza, principalmente em áreas dinâmicas como São Paulo. Localidade, entretanto, que experimentou recuperação forte. É provável que isso aconteça de novo. Quando o atual ciclo de crise for superado, a economia vai voltar a gerar emprego e renda, e o ABC está no centro desse processo”, afirmou Marques.

Expositor da mesma mesa, Joaquim Oliveira Martins, diretor de desenvolvimento regional da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), falou sobre ‘Governança Metropolitana e Desenvolvimento’. 

Comente aqui