Data: 16/07/2018 09:30 / Autor: Redação / Fonte: Sesc Santo André

Rock Brasileiro dos anos 80 no Sesc Santo André

No próximo final de semana, a programação musical do Sesc Santo André homenageia grandes nomes e promove encontro de gerações no palco.


 Caju – Canções de Cazuza, com Marcelo Quintanilha
Caju – Canções de Cazuza, com Marcelo Quintanilha

Crédito: Drausio Tuzzolo

Sexta-feira, dia 20, Marcelo Nova, vocalista do Camisa de Vênus e um dos grandes ícones do rock brasileiro, toca ao lado do filho, Drake Nova, no show O Galope do Tempo. No sábado, dia 21, Marcelo Quintanilha apresenta seu último disco, Caju – Canções de Cazuza, uma homenagem ao cantor e compositor que completaria 60 anos em abril.

O Galope do Tempo, com Marcelo e Drake Nova

Dia 20 de julho, sexta-feira, às 21h.

No Teatro.

Marcelo e Drake Nova, pai e filho, unem-se nesse show intimista que preza pelos detalhes das canções e pelo contato próximo com o público. No palco, a versatilidade da formação em duo somada à afinidade dos músicos cria o clima ideal de liberdade para que Marcelo Nova passeie desenvolto pelas várias fases da sua carreira, dos clássicos do Camisa de Vênus às parcerias com Raul Seixas e  baladas densas e autobiográficas. O show mescla músicas com diversas histórias da carreira de Marcelo, que saboreia o prazer único de compartilhar sua trajetória com o filho. Um prazer que eles dividem através de gestos e olhares de quem se conhece muito bem.

Marcelo Nova nasceu em Salvador, na Bahia, onde começou a colecionar discos de rock aos 9 anos. No final do anos 70, comandava o programa Rock Special, na rádio Aratu, em Salvador. Em 1980, Marcelo decide montar sua primeira banda de rock, o Camisa de Vênus, ao lado de Karl Hummel, Gustavo Mullem, Robério Santana e Aldo Machado. Além de sua sonoridade única, o grupo ganhou popularidade graças à divulgação que Marcelo fazia na rádio Aratu, tornando o Camisa umas das sensações da capital baiana. Com o Camisa de Vênus, Marcelo Nova gravou, além de seu primeiro EP “Controle Total”, mais cinco álbuns. Em um show no Rio de Janeiro, no Circo Voador, Marcelo conhece Raul Seixas e criam fortes laços de amizade. Quatro anos depois, os dois compõem sua primeira canção juntos, “Muita Estrela, Pouca Constelação”, do álbum “Duplo Sentido”, e lançaram mais tarde o disco “A Panela do Diabo”, em 1989. Partindo para a carreira solo, Marcelo lançou diversos discos e é considerado referência quando o assunto é rock brasileiro. Atualmente, Marcelo Nova toca ao lado de Drake Nova, nas guitarras, Leandro Dalle, no contrabaixo e Célio Glouster, na bateria. Juntos, eles formam o Marcelo Nova e Seu Conjunto, e possuem um repertório com mais de 60 canções, arranjos inusitados, dinâmicas precisas e sonoridade original herdada dos mais de 30 anos de carreira de Marcelo Nova.

Marcelo e Drake Nova se apresentam no dia 20 de julho, sexta-feira, às 21h. Ingressos em R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (meia-entrada) e R$ 6,00 (trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo e seus dependentes com Credencial Plena). Ingressos disponíveis no Portal Sesc SP e nas Bilheterias da Rede Sesc.

Caju – Canções de Cazuza, com Marcelo Quintanilha

Dia 21 de julho, sábado, às 20h.

No Teatro.

Neste show, o cantor e compositor Marcelo Quintanilha apresenta o seu novo disco "Caju" - apelido pelo qual Cazuza era conhecido –, uma homenagem ao cantor e compositor que completaria 60 anos de idade em abril. Nesta homenagem a um dos maiores nomes do cenário nacional, Marcelo faz uma releitura de canções que marcaram a carreira deste ícone de uma geração que buscava uma identidade tanto estética quanto de valores.

Musicalmente, Quintanilha e sua banda buscaram se distanciar das versões originais, criando novas possibilidades Os arranjos foram pensados para valorizar a poesia de Cazuza, mesclando acústico e eletrônico. Blues da Piedade vem à capela com coro gospel, que intensifica ainda mais o apelo de ‘vamos pedir piedade, senhor, pra essa gente careta e covarde’. Codinome Beija-Flor virou valsa; Exagerado chega bem pop, enquanto Brasil, cantado em dueto com Nina Quintanilha, filha de Marcelo com a cantora Vânia Abreu, torna a canção mais delicada (Nina tem 17 anos), o que acentua ainda mais a atualidade, mas também a esperança da letra. Para Marcelo, “Cazuza me influenciou. Sempre admirei a linguagem e a liberdade que ele tinha na vida e na obra. Ele chega e descumpre as normas rígidas da MPB, da escola tradicional da qual eu vinha. Fala com todo mundo, doce e ácido ao mesmo tempo. Como disse Gilberto Gil, ‘Cazuza falava outra língua, mas todo mundo entendia’”.

Marcelo Quintanilha nasceu em São Paulo e cresceu em uma família musical. Em 1992, com 23 anos, classificou-se como o “compositor mais jovem” entre os finalistas do Festival da Record com a canção Domingo Outra Vez, uma homenagem aos festivais dos anos 1960. Três anos mais tarde, em 1995, Marcelo estreia seu primeiro disco, Metamorfosicamente, com quase todo repertório de composições próprias e inéditas. No ano seguinte foi indicado ao prêmio APETESP de Melhor Canção, pela composição para a peça Desce do Muro, Moleca. A partir de então, lançou os discos Quinta (1998), Sala de Estar (2003), Mosaico (2005), Pierrot & Colombina (2006), Quinto (2008), Cumulus Sambas (2012), Os Marchistas (2014), Eu Inteiro Só (2016) e Caju, lançado em 2018. Marcelo Quintanilha faz parte, ao lado de Jota Velloso e Thathi, do coletivo “Os Marchistas”, banda que desde o carnaval de 2013 vem se destacando na folia de Momo com seu show contagiante e irreverente. Parceiro em muitas canções de Daniela Mercury, Carlos Careqa, Tenison Del Rey, entre outros, Marcelo Quintanilha já foi gravado por artistas como Vania Abreu, Padre Fábio de Melo, Belô Veloso, Péri e Nando Reis.

Marcelo apresenta o show Caju – Canções de Cazuza no dia 21 de julho, sábado, às 20h; e 14 de julho, sábado, às 20h. Ingressos em R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (meia-entrada) e R$ 6,00 (trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo e seus dependentes com Credencial Plena). Ingressos disponíveis no Portal Sesc e nas Bilheterias da Rede Sesc.

O Galope do Tempo, com Marcelo e Drake Nova
O Galope do Tempo, com Marcelo e Drake Nova

Crédito: divulgação

Comente aqui