Santo André

Economia

  • Economia do Grande Abc Cresceu 8,5% em 2010 no Ritmo da Energia Elétrica

    A economia da Região do ABC, medido pelo consumo de energia elétrica, cresceu 8,5% em 2010 em relação a 2009. Esta taxa de crescimento foi suficiente para a economia da Região se recuperar da queda de 3,6%, verificada em 2009 e ainda superar o ano de 2008_ período pré-crise _ em +4,5%. As economias de todas as cidades da Região apresentaram desempenho positivo em 2010 e todas conseguiram voltar ao patamar de 2008.

    O setor industrial depois de apresentar queda de 8,7% em 2009, devido à crise econômica internacional, cresceu 12,5% em 2010. Com esta taxa de crescimento a produção industrial local conseguiu superar em 2,7% os níveis de produção de 2008. Todas as cidades apresentaram taxas de crescimento em seus parques produtivos em 2010 em relação a 2009.

    Santo André e São Bernardo que possuem os maiores parques industriais da Região contribuíram com 7,3 pontos percentuais da taxa de crescimento de 12,5%, verificada na indústria do Grande ABC em 2010.

    Com o real valorizado e a maior concorrência dos importados, indústrias de diversos setores estão se reestruturando para manter a competitividade. A estratégia tem sido importar insumos e componentes mais baratos a fim de tornar o bem final mais competitivo. Esse processo é perigoso para a saúde da indústria, uma vez que a cadeia de fornecedores no mercado interno pode se desarticular.

    O setor de Comércio/Serviços da Região apresentou crescimento de 4% em 2010 em relação a 2009, e ficaram 7,3% acima do patamar registrado em 2008, mostrando que a economia local vem mantendo-se aquecida.

    O consumo de energia elétrica residencial na Região em 2010 aumentou 3,2% em relação a 2009 e 7,8% em relação a 2008, refletindo o bom momento do consumo das famílias em função do aumento do emprego, da renda e do crédito farto. Outros fatores que impulsionaram o consumo do setor residencial foram as altas temperaturas registradas no verão de 2010 e o número de residências que aumentaram em 64.224 unidades consumidoras na Região em confronto com 2008, em função do "boom" imobiliário que vive a Região.

    Tabela (1) de Evolução de Consumo de Energia Elétrica

    Município

    Ano

    1-Residencial

    2-Comercial

    3-Industrial

    Demais

    Sto. André

    2010

    649.892.914 kWh

    381.729.860 kWh

    1.828.669.545 kWh

    114.552.421 kWh

    2009

    627.087.460 kWh

    371.702.439 kWh

    1.661.660.477 kWh

    113.660.067 kWh

    2008

    599.805.981 kWh

    364.058.820 kWhh

    1.877.811.454 kWhh

    111.439.150 kWh

    2007

    560.698.484 kWh

    356.964.103 kWh

    1.988.155.966 kWh

    109.862.491 kWh

    2006

    528.756.067 kWh

    344.249.356 kWh

    1.964.740.715 kWh

    107.399.372 kWh

    *Demais = (Rural, Poder Público, Iluminação Pública, Consumo próprio)

    Balança Comercial do ABC Cresce 120% no 1º Trimestre de 2011

    No primeiro trimestre de 2011 o superávit na Balança Comercial de Santo André aumentou 120%, atingindo US$ 244 milhões (FOB), frente aos US$ 111 milhões (FOB) do mesmo período de 2010. Este resultado foi construído com a ampliação de 28,7% das exportações e o aumento de 19,8% nas importações no período.

    Os municípios que mais contribuíram para a composição deste saldo foram São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, cujos setores produtivos estão ligados à exportação do segmento automobilístico de elevado valor agregado.

    Apesar do bom desempenho do comércio exterior da Região verificado neste primeiro bimestre de 2011, o saldo ainda continua inferior ao apresentado no primeiro bimestre de 2008, quando somou US$ 233 milhões (FOB).

    Em Santo André, houve déficit de US$ 7,8 milhões (FOB) em janeiro e superávit de US$ 3,34 milhões (FOB) em fevereiro deste ano. As exportações cresceram 12,6% e as importações 26,3% no primeiro bimestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado.

    Os produtos comercializados por Santo André em sua maioria estiveram associados ao setor produtivo da borracha, plástico e petroquímico. Tais características podem ser consideradas estruturais em função das cadeias produtivas locais e das relações estáveis com parceiros comerciais externos.

    Neste primeiro bimestre de 2011, os principais destinos das exportações de Santo André foram Argentina, EUA, Paraguai e Chile; que absorveram mais de 50% das exportações andreenses. Do outro lado as principais origens das importações foram EUA, Indonésia, Argentina e China.

    A melhoria do mercado internacional com a recuperação da atividade econômica nos países mais ricos tem impulsionado, ainda que lentamente, a ampliação dos fluxos de comércio internacional. Esta dinâmica tem possibilitado a ampliação das exportações de alguns bens pelas economias do Grande ABC, permitindo até mesmo a melhoria do Saldo da Balança Comercial em alguns municípios, como São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Mauá.

    Entretanto, a persistente trajetória da taxa de câmbio, com o Real valorizado, tem impactado negativamente sobre as exportações brasileiras. Considerando os dados acumulados desde o início deste ano é perceptível que o fluxo de comércio exterior em Santo André foi mais sensível a flutuação da taxa de câmbio que o fluxo no Grande ABC.

    Neste período, o destaque ficou com a exportação de pneus e alguns produtos químicos, como já vinha ocorrendo nos períodos anteriores, bem como com a importação de derivados para as indústrias da borracha e química.

    Esta composição demonstra com clareza a relação entre a importação de matérias primas que são manufaturadas, dando origem aos principais produtos da cesta de exportações de Santo André.

    Mais recentemente o governo federal planeja adotar medidas mais efetivas para desvalorizar o real (R$) frente a conjuntura internacional de medidas protecionistas adotadas por diversas economias como forma de impulsionar a atividade produtiva em seus países, instaurando uma guerra cambial.

    Ao detalharmos o fluxo de comércio exterior entre os principias grupos de bens transacionados, observamos que o saldo comercial para a maioria deles dos grupos piorou no município de Santo André.

    Ao mesmo tempo, chama atenção a melhoria do saldo comercial tanto em bens de capita, quanto em bens intermediários no fluxo comercial do Grande ABC.

    Receita Total da Prefeitura de Santo André Cresceu 3,7% no 1º Quadrimestre de 2011

    A arrecadação da Prefeitura de Santo André cresceu 3,7% no 1º quadrimestre de 2011 em relação ao mesmo quadrimestre de 2010, demonstrando que a atividade econômica na cidade continua aquecida. Os tributos vinculados ao setor produtivo e de forte participação na arrecadação total da Prefeitura, como o ISSQN, ITBI e o IPVA, por exemplo, apresentaram taxas de incremento positivas: +4,9%, 14,5% e +7%, respectivamente. Quanto ao ICMS apesar de ter apresentado uma pequena queda de 0,9%, nestes quatros primeiros meses de 2011 mantém-se em patamar elevado na comparação com os mesmos quadrimestres de 2009 (+14%) _ano da crise e 2008 (+8,8%) _ano pré-crise

    .

    Outro indicador que mostrou que arrecadação da Prefeitura se mantém firme é o acumulado 12 meses, que apresentou taxa positiva de 6,8%.

    A receita total da Prefeitura de Santo André no 1º quadrimestre de 2011 somou R$ 537 milhões, em valores corrigidos pelo IPCA do IBGE. Esse resultado foi 18,3% maior que o verificado no 1º quadrimestre de 2009 e 14,5% maior que o contabilizado no 1º quadrimestre de 2008.

    A arrecadação do IPTU teve pequena queda de 1,5% no 1º quadrimestre de 2011, em relação a igual período do ano passado e foi neste período a principal fonte de receita da cidade com participação de 21% do total da arrecadação.

    Santo André Liderou a Geração de Empregos em Fevereiro de 2011

    Os setores que mais empregaram no município em fevereiro foram os setores de serviços (898), indústria (319), construção civil (162) e comércio (156).

    Santo André liderou a geração de empregos formais na Região do ABC em fevereiro de 2011, com a criação de 1.667 novos postos de trabalho. Os setores que mais empregaram no município em fevereiro foram os setores de serviços (898), indústria (319), construção civil (162) e comércio (156). A taxa de crescimento no primeiro bimestre foi expressiva e a maior da Região: 41% em relação a igual período do ano passado.

    Para a Região do ABC mercado de trabalho, no primeiro bimestre de 2011, acumulou saldo positivo de 6.641 empregos, superando em 5,2% o volume gerado no mesmo período de 2010. Os municípios que geraram emprego nestes primeiros dois meses de 2011foram São Caetano (2.271), Santo André (1.910) e São Bernardo do Campo (1.748), Diadema (789) e Rio Grande da Serra (64).

    A Região do ABC apresentou em 2011 o melhor primeiro bimestre dos últimos anos. Na comparação do primeiro bimestre deste ano com o primeiro bimestre de 2008_ ano pré-crise_ a geração de empregos dobrou, com destaque para Santo André com alta de 71% e São Caetano do Sul com aumento de 104%. Os setores que apresentaram maiores níveis de geração de emprego nestes primeiros dois meses de 2011 foram serviços (4.219), seguido da indústria, com 1.978 novos empregos.

    Um dos fatores que contribuíram para o bom resultado do mês de fevereiro 2011 foi o maior número de dias úteis ocorridos neste mês, em relação aos meses de fevereiro dos anos anteriores, dado que o feriado de Carnaval ocorreu em março.

    Este calendário pode ter antecipado as decisões empresariais com relação à produção e a contratação, já que houve um distanciamento entre o período de retração do mês de férias de janeiro e a paralisação típica provocada pelo Carnaval.

    Também, algumas decisões do governo, referentes ao controle inflacionário e orçamentário vem sendo entendidas pelos empreendedores como boas medidas de condução da política macroeconômica, o que tem trazido maior confiança aos empresários para continuar produzindo mais. A taxa de desemprego regional apurada pelo SEADE para o mês janeiro de 2011 foi de 10,1%, e deve apresentar uma redução nos meses seguintes, dada a defasagem entre o momento da geração de empregos e a aplicação da pesquisa.

    Esta melhoria observada no mercado de trabalho se refletiu no nível de renda dos trabalhadores formais da região, após a estagnação observada ao longo de 2009.

    A partir dos dados da RAIS de 2009 e a movimentação dos dados do CAGED, a estimativa do volume de empregos e renda para a região do Grande ABC e seus municípios, nos permite estimar que a renda média do trabalhador formalmente registrado da região foi de R$ 2.111,00 em janeiro de 2011.

    Banco de Alimentos Atinge Pico Histórico de Doações em 2010

    O volume de doações realizadas pelo Banco de Alimentos de Santo André, administrado pela Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André (CRAISA) bateu recorde em 2010. Foram distribuídos 1,37 milhões de quilos de alimentos -- quantidade 12,3% maior que em 2009 e 18% acima do montante de 2008.

    O volume de doações realizadas pelo Banco de Alimentos de Santo André, administrado pela Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André (CRAISA) bateu recorde em 2010. Foram distribuídos 1,37 milhões de quilos de alimentos -- quantidade 12,3% maior que em 2009 e 18% acima do montante de 2008.

    O consumo familiar de hortifrutigranjeiros da CRAISA cresceu 3,4% em 2010 na comparação a 2009. O destaque ficou para o incremento do consumo familiar verificado no Sacolão Vila Luzita, o qual registrou 7% em relação a 2009 e 30% em relação a 2008.

    O Sacolão Santa Terezinha, por sua vez, apresentou crescimento de 0,7% em relação a 2009 e queda de 6,5%, em relação a 2008.

    O Sacolão Vila Luzita passou de um consumo familiar de 9 quilos em 2008 para 10,9 quilos em 2009 e 11,7 quilos em 2010. Já o Sacolão Santa Terezinha saiu de um consumo familiar de 14,1 quilos em 2008 para 12,9 quilos em 2009 e 13,2 quilos em 2010.

    Economia do Abc Depende 50% da Indústria

    Estudo elaborado pelo Departamento de Indicadores Sociais e Econômicos da Prefeitura de Santo André mostrou que o PIB 2008 do ABC em valores de fevereiro de 2011 foi de R$ 80,8 bilhões e que 50% deste dependem da Indústria e suas demandas

    A princípio parece estranho tal conclusão porque pelo último dado do PIB municipal, divulgado pela Fundação Seade, de 2008, a Região do ABC apresentou a seguinte estrutura: Indústria, 34%, Comércio, 20% e Serviços, 46%. O PIB de 2008 da Região em valores corrigidos pelo IPCA do IBGE para fevereiro/2011 somou R$ 80,8 bilhões, sendo R$ 27,8 bilhões gerados diretamente pela indústria, R$ 15,8 bilhões para o comércio, R$ 37,2 bilhões para os serviços e R$ 8,0 milhões para a agropecuária. O setor de Serviços aparece em primeiro lugar, com 46%, seguido pela Indústria, 34%, Impostos, 20% e Agropecuária com participação inexpressiva.

    Esta composição segue o padrão de classificação da ONU, Banco Mundial e FMI e é baseada numa visão essencialmente produtiva da economia, que pode levar a equívocos na apreciação do papel que o setor Serviços representa na dinâmica econômica. Este fato tem dificultado muito o avanço de uma nova classificação das centenas de atividades que compõem o setor de modo a incorporar sua crescente diversificação e abrangência dentro da economia

    Em função disso e para esclarecer melhor a verdadeira importância dos setores econômicos na região o DISE elaborou estudo específico do setor de Serviços, a partir dos dados da arrecadação do ISSQN dos municípios da Região disponíveis.

    Em primeiro lugar cabe destacar que o setor de Serviços é bastante amplo, complexo e dependente dos demais setores para seu crescimento e sobrevivência. O estudo analisa o setor Serviços a partir da ótica da demanda, ou seja, do seu uso, da função desempenhada e do tipo de consumidor. Para tanto o setor de Serviços foi segmentado em 4 grupos de atividades: serviços produtivos, distributivos, sociais e pessoais. Com esta divisão foi possível apurar dentro do setor Serviços os grupos de atividades que prestam serviços à indústria e ao comércio/serviços, assim, foi possível criar uma estrutura econômica ampliada para a Região. Tal procedimento permitiu identificar, de fato, a real importância dos setores econômicos da Região, além da interdependência entre eles.

    O setor de Comércio/Serviços da Região, pelo PIB 2008, gerou 46% da riqueza. Deste montante, 16% foram catalogados como serviços produtivos ou atividades ligadas à produção, portanto, vinculadas à dinâmica da indústria. No caso são atividades de suporte à indústria de transformação, como serviços técnicos profissionais, seleção e locação de mão de obra, investigação, limpeza, vigilância, telecomunicações, informática, bancos, manutenção e reparação, etc. Os serviços produtivos são constituídos por atividades de alto valor agregado, portanto, empregam mais, faturam mais, possuem alta produtividade e pagam melhores salários. A soma dessa demanda industrial por serviços com o setor industrial propriamente dito elevou a participação direta e indireta da indústria para a economia da Região para 50%.

    Outra parte importante do setor de Serviços da Região foram as atividades catalogadas como serviços distributivos (logística, transporte, armazenagem, correios, hiper e supermercados e comércio em geral), serviços sociais (educação, saúde, órgãos públicos, pets shops, turismo, lazer, etc.) e serviços pessoais (bares e lanchonetes, salões de beleza, academias, sapatarias, costura, lavanderias, serviços automotivos, construção, imobiliárias, etc.) Do setor de Serviços, 30% foram atividades destas três naturezas, constituindo-se na parte propriamente dita da prestação de serviços dentro da estrutura econômica da Região.

    Portanto, dentro desta estrutura econômica ampliada com o setor de serviços vinculados, 50% do PIB da Região são atividades ligadas à produção da indústria e a prestação de serviços a ela associados, 20% são o conjunto dos Impostos federais, estaduais e municipais incidentes na produção arrecadados localmente e 30% são aquelas atividades exclusivas de prestação de serviços que foram catalogadas neste estudo nos grupos dos serviços distributivos, sociais e pessoais.

    Mercado de Trabalho

    A taxa de desemprego no Grande ABC aumentou para 11,7% no mês de março. O Mercado de trabalho em Santo André gerou no 2º trimestre 169 empregos formais. Este desempenho se mostrou 168% menor que no mesmo período de 2010, refletindo as ações de política econômica para combater a inflação.

    Emprego na Indústria

    Segundo dados da pesquisa de emprego industrial realizado pela FIESP, o desempenho acumulado no primeiro trimestre de 2011 em Santo André foi negativo em -2,11%. O setor de produtos têxteis foi o que apresentou maior retração do emprego, com uma diminuição de 88,89%. Do outro lado o setor de celulose e papel, e de Impressão e de reprodução apresentou um saldo positivo no período de 6,24%. e 14,2 % respectivamente.

    Balança Comercial

    A balança Comercial de Santo André ficou com saldo positivo de 1,2 milhões no mês de março, embora o saldo do trimestre tenha sido negativo em 3,2 milhões no primeiro trimestre de 2011. A desvalorização do dólar, que somente no mês de março foi de 1,8%, é um dos fatores que tem contribuído para a deterioração do saldo da balança comercial, quando comparados aos anos anteriores.

    Inflação

    No mês de março a inflação na Região Metropolitana de São Paulo foi de 0,35%, ou seja, 41,67% menor que no mês anterior. Grande parte deste recuo em relação ao meses de janeiro e fevereiro deve-se a retração do consumo pós-férias e ao fato das variações nos preços associados à educação terem se concentrado em fevereiro.

    Cesta Básica

    No mês de Abril o preço da Cesta Básica no ABC foi de R$363, 49, ou seja, apenas 0,73% mais cara que no mês de março, pequeno aumento causado pela alta do preço da batata e do feijão.

    Depósito A Vista

    No mês de fevereiro o Depósito a vista de Santo André em relação às Pessoas Físicas teve um aumento significativo de 8,70% em relação ao mês de janeiro.

    Entretanto, em relação a janeiro de 2009 e 2010, o volume de depósitos a vista teve um aumento de 38,91% e 20,97% respectivamente, explicado especialmente pela trajetória de melhoria na geração de trabalho e renda na economia.

    Crédito

    As operações de crédito em Santo André apresentaram leve retração no mês de fevereiro de 2011, após longa trajetória de constante expansão. Se compararmos o volume de operações realizadas em Fevereiro de 2009 e Fevereiro de 2010, observaremos uma expansão de mais de 68% em termos nominais, e mais de 50% em termos reais. É exatamente esta expansão, que o Banco Central quer frear para conter a inflação.

    Crédito Imobiliário

    Assim como as operações de crédito, o crédito imobiliário teve o mesmo comportamento de crescimento constante desde 2009 até fevereiro de 2011, com um acréscimo nominal de 41,16% em relação ao mês de fevereiro de 2010 e de 93,53% em fevereiro de 2009.

    Consumo de Energia na Indústria

    A indústria de Santo André gerou 433 empregos formais no primeiro trimestre de 2011, 56% a menos que no mesmo período de 2010. Comparado ao 1º trimestre de 2008, este saldo é 21% maior. Esta movimentação é ditada pelo ritmo da atividade econômica na indústria, captada pelo uso de energia elétrica. (ver Tabela (1))

    Estoque de Emprego e Massa Salarial

    O gráfico ao lado mostra uma estimativa da expansão do mercado formal de trabalho na Região do Grande ABC, a partir de dados da RAIS e do CAGED. Nos últimos 12 meses, as estimativas apontam para um crescimento de 6,6% no total de empregos formais na região. Bem como um aumento real de renda de cerca de 2%.

    Renda Média Estimada do Trabalho

    No mês de fevereiro de 2011, apurados a valores deste mesmo mês, a renda média para a região do Grande ABC foi de R$2.132, com destaque para São Bernardo o Campo, que apresentaram uma renda média de R$2.629.

    Setorialmente o destaque ficou com a indústria, com uma renda média de R$3.089.

    Faturamento do Setor Serviços em Santo André foi Destaque na Região em 2010

    O faturamento do setor de serviços de Santo André foi o destaque na Região em 2010: cresceu 13%, somou R$ 5,3 bilhões e recuperou o patamar de 2008.

    Os prestadores de serviços em Santo André faturaram R$ 5,3 bilhões em 2010. A taxa de crescimento em relação a 2009 foi de 13% e a receita do setor voltou ao nível de 2008.

    Dos 4 segmentos do setor de serviços 3 apresentaram taxas de incremento em 2010: os serviços distributivos +9%, os sociais +40% e foi o que mais contribuiu e os pessoais +22%. A exceção foi os serviços produtivos que tiveram uma queda de 7% em 2010, porém foi o único segmento que apresentou crescimento positivo e expressivo em 2009, +31%, sendo esta desempenho o que garantiu a recuperação das perdas ocorridas em 2009, ocasionadas pela crise financeira internacional.

    Os serviços distributivos ou de logística, os sociais e os pessoais apesar de apresentarem bons desempenhos em 2010, não conseguiram voltar ao patamar de faturamento do ano de 2008. Contudo, observando-se o ritmo de incremento mês a mês desses segmentos a expectativa é de que seus volumes de faturamento em 2011 alcancem e até venha a superar aquele patamar.

    Os prestadores de serviços da Região faturaram R$ 21,5 bilhões em 2010. A taxa de crescimento em relação a 2009 foi de 9% e a receita total do setor ficou somente 15% abaixo do nível alcançado no ano de 2008, que foi de R$ 25,2 bilhões.

    Dos 4 segmentos do setor de serviços 3 apresentaram taxas de incremento em 2010: os serviços distributivos +5%, os sociais +35% e foi o que mais contribuiu e os pessoais +17%. A exceção foi os serviços produtivos que tiveram uma queda de 10% em 2010, porém foi o único segmento que apresentou crescimento positivo e expressivo em 2009, +16%, sendo esta desempenho o que garantiu a recuperação das perdas ocorridas em 2010, ocasionadas pela crise financeira internacional.

    Os serviços distributivos ou de logística, os sociais e os pessoais apesar de apresentarem bons desempenhos em 2010, não conseguiram voltar ao patamar de faturamento do ano de 2008. Tal fato se explica em função dessas atividades dependerem diretamente do padrão de rendas das famílias. Na Região do ABC, em 2010, pelos dados do CAGED, houve perda de 4.083 empregos nas faixas acima de 3 salários mínimos, ou seja, 8% do total das vagas criadas.

    Indicadores de Santo André

    Santo André reúne muitos atrativos para atrair empreendedores. A cidade faz parte de um grupo seleto de municípios brasileiros que desde o último século contribui ativamente para o crescimento e a modernização da indústria do país.

    Geral

    Descrição Valor Unidade
    População Residente 676.407 pessoas
    Homens 324.258 homens
    Mulheres 351.949 mulheres
    Domicilios recenseados 240.635 domicilios
    Area da unidade territorial 174.947 Km²
    Eleitorado 519.510 Eleitores
    PIB per capita a preços correntes 20.018,82 Reais
    Matrícula - Ensino Fundamental - 2009 92.759 Matrículas
    Matrícula - Ensino Médio - 2009 29.079 Matrículas
    Docentes - Ensino Fundamental - 2009 4.389 Docentes
    Docentes - Ensino Médio - 2009 1.811 Docentes
    Estabelecimento de Saúde SUS 60 Estab.
    Nascidos vivos - registrados - lugar do registro 11.001 pessoas
    Receitas orçamentárias realizadas - Correntes 12.842.9397.500 Reais
    Despesas orçamentárias realizadas - Correntes 108.947.895.300 Reais
    Valor do Fundo de Participação dos Municípios - FPM 3.658.435.034 Reais
    Número de unidades locais 23406 unidades
    Pessoal ocupado total 209885 pessoas

    Fonte: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

    PIB 2008

    Descrição Valor Unidade
    Valor adicionado bruto da agropecuária a preços correntes 1.225 mil reais
    Valor adicionado bruto da industria a preços correntes 3.974.418 mil reais
    Valor adicionado bruto dos serviços a preços correntes 7.639.929 mil reais
    Impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes 1.830.987 mil reais
    PIB a preços correntes 13.446.559 mil reais
    PIB per capita a preços correntes 20.018.82 reais

    Fonte: IBGE em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus – SUFRAMA

    PIB 2007

    Descrição Valor Unidade
    Valor adicionado bruto da agropecuária 1.280 mil reais
    Valor adicionado bruto da industria 4.488.702 mil reais
    Valor adicionado bruto dos serviços 7.143.999 mil reais
    Impostos sobre produtos líquidos de subsídios 1.753.263 mil reais
    PIB a preços correntes 13.387.244 mil reais
    PIB per capita 20.044 reais

    Fonte: IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais - Malha municipal digital do Brasil: situação em 2006. Rio de Janeiro: IBGE 2008

    Serviço de Saúde - 2009

    Descrição Valor Unidade
    Estab. de Saúde total 299 Estab.
    Estab. de Saúde público total 52 Estab.
    Estab. de Saúde público federal 0 Estab.
    Estab. de Saúde público estadual 0 Estab.
    Estab. de Saúde público municipal 52 Estab.
    Estab. de Saúde privado total 247 Estab.
    Estab. de Saúde privado com fins lucrativos 236 Estab.
    Estab. de Saúde privado sem fins lucrativos 11 Estab.
    Estab. de Saúde privado SUS 9 Estab.
    Estab. de Saúde com internação total 19 Estab.
    Estab. de Saúde sem internação total 225 Estab.
    Estab. de Saúde com apoio á diagnose e terapia total 55 Estab.
    Estab. de Saúde com internação público 8 Estab.
    Estab. de Saúde sem internação público 43 Estab.
    Estab. de Saúde com apoio á diagnose e terapia público 1 Estab.
    Estab. de Saúde com interação privado 11 Estab.
    Estab. de Saúde sem interação privado 182 Estab.
    Estab. de Saúde com apoio à diagnose e terapia privado 54 Estab.
    Estab. de Saúde total privado/SUS 9 Estab.
    Estab. de Saúde com internação privado/SUS 1 Estab.
    Estab. de Saúde sem internação privado/SUS 6 Estab.
    Estab. de Saúde com apoio à diagnose e terapia privado/SUS 2 Estab.
    Estab. de Saúde especializado com internação total 2 Estab.
    Estab. de Saúde especializado sem internação total 120 Estab.
    Estab. de Saúde com especialidades com internação total 17 Estab.
    Estab. de Saúde com especialidades com internação total 149 Estab.
    Estab. de Saúde geral com internação total 0 Estab.
    Estab. de Saúde geral sem internação total 11 Estab.
    Estab. de Saúde especializado com internação publico 1 Estab.
    Estab. de Saúde especializado sem internação publico 6 Estab.
    Estab. de Saúde com especialidades com internação publico 7 Estab.
    Estab. de Saúde com especialidades sem internação publico 30 Estab.
    Estab. de Saúde geral com internação público 0 Estab.
    Estab. de Saúde geral sem internação público 8 Estab.
    Estab. de Saúde especializado com internação privado 1 Estab.
    Estab. de Saúde especializado sem internação privado 114 Estab.
    Estab. de Saúde com especialidades com internação privado 10 Estab.
    Estab. de Saúde com especialidades sem internação privado 119 Estab.
    Estab. de Saúde geral com internação privado 0 Estab.
    Estab. de Saúde geral sem internação privado 3 Estab.
    Estab. de Saúde especializado com internação privado/SUS 0 Estab
    Estab. de Saúde especializado sem internação privado/SUS 5 Estab.
    Estab. de Saúde com especialidades com internação privado/SUS 1 Estab.
    Estab. de Saúde com especialidades sem internação privado/SUS 3 Estab.
    Estab. de Saúde geral com internação privado/SUS 0 Estab.
    Estab. de Saúde geral sem internação privado/SUS 0 Estab.
    Estab. de Saúde SUS 60 Estab
    Estab. de Saúde plano próprio 20 Estab
    Estab. de Saúde plano de terceiros 212 Estab.
    Estab. de Saúde particular 234 Estab.
    Estab. de Saúde único total 290 Estab.
    Estab. de Saúde com terceirização total 9 Estab
    Estab. de Saúde terceirizado total 19 Estab.
    Estab. de Saúde único público 50 Estab
    Estab. de Saúde com terceirização público 2 Estab.
    Estab. de Saúde terceirizado público 0 Estab.
    Estab. de Saúde único privado 240 Estab.
    Estab. de Saúde com terceirização privado 7 Estab.
    Estab. de Saúde terceirizado privado 19 Estab
    Estab. de Saúde único privado/SUS 8 Estab.
    Estab. de Saúde com terceirização privado/SUS 1 Estab.
    Estab. de Saúde terceirizado privado/SUS 8 Estab.
    Leitos para internação em Estab. de Saúde total 1819 leitos
    Leitos para internação em Estab. de Saúde público total 491 leitos
    Leitos para internação em Estab. de Saúde público federal 0 leitos
    Leitos para internação em Estab. de Saúde público estadual 0 leitos
    Leitos para internação em Estab. de Saúde público municipal 491 leitos
    Leitos para internação em Estab. de Saúde privado total 1328 leitos
    Leitos para internação em Estab. de Saúde privado SUS 287 leitos
    Mamógrafo com comando simples 27 Equip
    Mamógrafo com estéreo-taxia 6 Equip
    Raios-X para densitometria óssea 19 Equip
    Tomógrafo 19 Equip
    Ressonância magnética 9 Equip.
    Ultrassom doppler colorido 101 Equip
    Eletrocardiógrafo 171 Equip.
    Eletroencefalógrafo 26 Equip.
    Equipamento de hemodiálise 95 Equip
    Raios-X até 100mA 17 Equip.
    Raios-X de 100 a 500mA 44 Equip.
    Raios-X mais de 500mA 13 Equip.
    Estab. de Saúde com atendimento ambulatorial total 242 Estab
    Estab. de Saúde com atendimento ambulatorial sem atendimento médico 38 Estab
    Estab. de Saúde com atendimento ambulatorial com atendimento médico em especialidades básicas 110 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento ambulatorial com atendimento médico em outras especialidades 160 Estab
    Estab. de Saúde com atendimento ambulatorial com atendimento odontológico com dentista 67 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência total 13 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência Pediatria 7 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência Obstetrícia 7 Estab
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência Psiquiatria 3 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência Clínica 11 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência Cirurgia 3 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência Traumato Ortopedia 10 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência Neuro Cirurgia 4 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência Cirurgia Buco Maxilofacial 3 Estab.
    Estab. de Saúde com atendimento de emergência Outros 3 Estab.
    Estab. de Saúde que prestam serviço ao SUS Ambulatorial 55 Estab.
    Estab. de Saúde que prestam serviço ao SUS Internação 9 Estab
    Estab. de Saúde que prestam serviço ao SUS Emergência 4 Estab.
    Estab. de Saúde que prestam serviço ao SUS UTI/CTI 3 Estab.
    Estab. de Saúde que prestam serviço ao SUS Diálise 4 Estab

    Fonte: IBGE Assistência Médica Sanitária 2009. Rio de Janeiro: IBGE 2010. NOTA: Atribui-se zeros aos valores dos municípios onde não há ocorrência da variável ou onde por arredondamento os totais não atingem a unidade de medida.

    Ensino, Matrículas, Docentes e Rede Escolar - 2009

    Descrição Valor Unidade
    Matrícula - Ensino fundamental - 2009 92759 Matrículas
    Matrícula - Ensino fundamental - escola pública estadual - 2009 54246 Matrículas
    Matrícula - Ensino fundamental - escola pública federal - 2009 0 Matrículas
    Matrícula - Ensino fundamental - escola pública municipal - 2009 16468 Matrículas
    Matrícula - Ensino fundamental - escola privada - 2009 22045 Matrículas
    Matrícula - Ensino médio - 2009 29079 Matrículas
    Matrícula - Ensino médio - escola pública estadual - 2009 23307 Matrículas
    Matrícula - Ensino médio - escola pública federal - 2009 0 Matrículas
    Matrícula - Ensino médio - escola pública municipal - 2009 0 Matrículas
    Matrícula - Ensino médio - escola privada - 2009 5772 Matrículas
    Matrícula - Ensino pré-escolar - 2009 13107 Matrículas
    Matrícula - Ensino pré-escolar - escola pública estadual - 2009 0 Matrículas
    Matrícula - Ensino pré-escolar - escola pública federal - 2009 0 Matrículas
    Matrícula - Ensino pré-escolar - escola pública municipal - 2009 6701 Matrículas
    Matrícula - Ensino pré-escolar - escola privada - 2009 6406 Matrículas
    Docentes - Ensino fundamental - 2009 4389 Docentes
    Docentes - Ensino fundamental - escola pública estadual - 2009 2399 Docentes
    Docentes - Ensino fundamental - escola pública federal - 2009 0 Docentes
    Docentes - Ensino fundamental - escola pública municipal - 2009 687 Docentes
    Docentes - Ensino fundamental - escola privada - 2009 1303 Docentes
    Docentes - Ensino médio - 2009 1811 Docentes
    Docentes - Ensino médio - escola pública estadual - 2009 1289 Docentes
    Docentes - Ensino médio - escola pública federal - 2009 0 Docentes
    Docentes - Ensino médio - escola pública municipal - 2009 0 Docentes
    Docentes - Ensino médio - escola privada - 2009 522 Docentes
    Docentes - Ensino pré-escolar - 2009 748 Docentes
    Docentes - Ensino pré-escolar - escola pública estadual - 2009 0 Docentes
    Docentes - Ensino pré-escolar - escola pública federal - 2009 0 Docentes
    Docentes - Ensino pré-escolar - escola pública municipal - 2009 286 Docentes
    Docentes - Ensino pré-escolar - escola privada - 2009 462 Docentes
    Escolas - Ensino fundamental - 2009 210 Escolas
    Escolas - Ensino fundamental - escola pública estadual - 2009 91 Escolas
    Escolas - Ensino fundamental - escola pública federal - 2009 0 Escolas
    Escolas - Ensino fundamental - escola pública municipal - 2009 43 Escolas
    Escolas - Ensino fundamental - escola privada - 2009 76 Escolas
    Escolas - Ensino médio - 2009 87 Escolas
    Escolas - Ensino médio - escola pública estadual - 2009 56 Escolas
    Escolas - Ensino médio - escola pública federal - 2009 0 Escolas
    Escolas - Ensino médio - escola pública municipal - 2009 0 Escolas
    Escolas - Ensino médio - escola privada - 2009 31 Escolas
    Escolas - Ensino pré-escolar - 2009 240 Escolas
    Escolas - Ensino pré-escolar - escola pública estadual - 2009 0 Escolas
    Escolas - Ensino pré-escolar - escola pública federal - 2009 0 Escolas
    Escolas - Ensino pré-escolar - escola pública municipal - 2009 62 Escolas
    Escolas - Ensino pré-escolar - escola privada - 2009 178 Escolas

    Empresas - 2008

    Descrição Valor
    Número de unidades locais 23.406
    Pessoal ocupado total 209.885
    Pessoal ocupado assalariado 178.086
    Salários e outras remunerações 3.381.913
    Salário médio mensal 3.6
    Número de empresas atuantes 22.668

    Instituições Financeiras - 2009

    Descrição Valor
    Número de Agências 112
    Operações de Crédito 2.568.488
    Depósitos à vista - governo 13.527
    Depósitos à vista - privado 692.028
    Poupança 2.443.188
    Depósitos a prazo 1.713.332
    Obrigações por Recebimento 2.760

    Fontes: Banco Central do Brasil - Registros Administrativos 2009.

    Finanças Públicas - 2008

    Descrição Valor Unidade
    Receitas orçamentárias realizadas 132.890.332.000 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Correntes 128.429.397.500 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Tributárias 39.041.945.200 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - IPTU 14.738.840.180 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - ISS 13.736.719.470 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - ITBI 3.076.910.593 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Taxas 4.222.258.955 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Contribuição 4.920.190.624 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Patrimonial 4.089.979.820 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Transferências Correntes 51.018.396.680 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Transferência Intergovernamental da União 11.717.289.550 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Transferência Intergovernamental do Estado 33.171.810.030 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Dívida Ativa 4.406.013.462 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Outras Receitas Correntes 12.253.064.030 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Capital 4.865.325.443 Reais
    Receitas orçamentárias realizadas - Transferência de Capital 3.949.074.837 Reais
    Despesas orçamentárias realizadas 123.774.648.300 Reais
    Despesas orçamentárias realizadas - Correntes 108.947.895.300 Reais
    Despesas orçamentárias realizadas - Outras Despesas Correntes 69.416.027.910 Reais
    Despesas orçamentárias realizadas - Capital 14.826.753.070 Reais
    Despesas orçamentárias realizadas - Investimentos 14.469.180.210 Reais
    Despesas orçamentárias realizadas - Pessoal e Encargos Sociais 39.472.027.710 Reais
    Despesas orçamentárias realizadas - Obras e Instalações 10.338.651.460 Reais
    Despesas orçamentárias realizadas - Superávit ou Déficit 9.115.683.700 Reais
    Valor do Fundo de Participação dos Municípios - FPM 3.658.435.034 Reais
    Valor do Imposto Territorial Rural - ITR 26.481 Reais
    Valor do Imposto sobre Operações Financeiras - IOF - OURO - repassado aos Municípios 0 Reais

    Fontes: Ministério da Fazenda, Secretaria do Tesouro Nacional, Registros Administrativos 2008.

    Frota - 2009

    Descrição Valor Unidade
    Automóvel - Tipo de Veículo 288.100 automóveis
    Caminhão - Tipo de Veículo 8.359 caminhões
    Caminhão trator - Tipo de Veículo 1.448 caminhões Trator
    Caminhonete - Tipo de Veículo 18.950 caminhonetes
    Micro-ônibus - Tipo de Veículo 1.581 micro-ônibus
    Motocicleta - Tipo de Veículo 45.656 motocicletas
    Motoneta - Tipo de Veículo 5.530 motonetas
    Ônibus - Tipo de Veículo 1.697 ônibus
    Trator de rodas - Tipo de Veículo 193 tratores de rodas

    Fonte: Ministério da Justiça, Departamento Nacional de Trânsito - DENATRAN - 2009.

    Índice de Participação dos Municípios

    Município: SANTO ANDRÉ

    Código: 626

    Ano base de apuração: 2009

    Ano Base Valor Adicionado(R$) População Receita Tributária Própria(R$) Área Inundada(km2) Área Preservação (índice) Índice Percentual de Participação
    2009 7.676.787.349 649.331 330.055.222 8,91 0,246431 1,22164033
    2008 6.997.517.095 649.331 364.325.653 8,91 0,258163 1,27788011
    2007 7.081.029.764 649.331 276.429.138 10,40 0,253745 1,28663331
    2006 6.096.840.074 649.331 245.951.428 10,40 0,260621 1,30352251
    2005 6.148.494.733 649.331 231.168.237 10,40 0,279478 1,45540144
    2004 6.439.772.539 649.331 197.230.303 10,40 0,282583 1,53668970
    2003 5.480.221.700 649.331 168.795.142 10,40 0,272417 1,48356730
    2002 4.560.804.932 649.331 126.546.570 10,40 0,284766 1,45717872
    2001 4.339.530.266 649.331 102.230.241 10,40 0,300420 1,49641490

    Este trabalho é uma compilação de dados obtidos através de pesquisa nos sites da Prefeitura Municipal de Santo André, IBGE, Secretaria do Tesouro Nacional, Secretaria do Estado da Fazenda, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (UCSC),Universidade Metodista entre outros.

    Permitida a reprodução parcial ou total desde que citada a fonte.