Data: 16/05/2019 09:14 - Alterado em: 18/05/2019 11:20 / Autor: Beatriz Lucas / Fonte: PMD

Centro de Memória de Diadema abre exposição contra violência doméstica

O horário de visitação será das 8h30 às 17h, de segunda a sexta-feira, e aos sábados das 9h15 às 14h45


Centro de Memória de Diadema abre exposição contra violência doméstica
Centro de Memória de Diadema abre exposição contra violência doméstica

Crédito: Prefeitura de Diadema

Na tarde desta sexta-feira, 17/05, o Centro da Memória de Diadema abriu a exposição de fotos, documentos e materiais jornalísticos “Violência, tô de olho em você: Casa Beth Lobo, 28 anos”. O horário de visitação será das 8h30 às 17h, de segunda a sexta-feira, e aos sábados das 9h15 às 14h45. As imagens também retratam assuntos como o crescimento de casos de feminicídios, violências e a construção da Lei Maria da Penha.

“Quanto mais divulgamos o trabalho realizado pela Casa Beth Lobo, mais as mulheres se sentem empoderadas para procurar os direitos, ajuda e apoio. Além disso, a exposição é uma forma de aumentar o debate sobre a violência contra mulher”, ressaltou a secretária interina de Assistência Social e Cidadania, Caroline Rocha.

A exposição é resultado de uma parceria entre as Secretarias de Assistência Social e Cidadania e de Cultura.

“O objetivo principal é evidenciar a crescente violência em nosso país contra a mulher em todas as formas, inclusive o feminicídio, e o trabalho realizado pela Casa Beth Lobo em defesa das mulheres. O grande recado é: não sofra sozinha, existe uma rede de serviços que pode te ajudar”, falou o secretário de Cultura, Eduardo Minas.

‘A violência contra as mulheres não é um fato’. ‘Não podemos fechar os olhos diante disso’. Essas são algumas frases do primeiro painel.

“A mostra é composta por painéis móveis que contam a história da Casa Beth Lobo, desde a discussão pela construção de um local de atendimento às mulheres até hoje. São cerca de 40 imagens, inclusive da Beth Lobo que deu nome a Casa, além dos documentos do acervo do Centro da Memória e da Casa Beth Lobo”, explicou a historiadora do Centro de Memória, Maria de Lourdes Ferreira. “O nome da exposição foi inspirado na primeira cartilha feita pela Casa Beth Lobo, em 1992, que também estará exposta para o público, e por ser a principal causa da Casa Beth Lobo”, completou.

Além disso, quem passar pela exibição, que ficará disponível até 31 de agosto, contará com depoimentos de mulheres que fizeram parte da construção dessa história. Essas declarações são retiradas de entrevistas realizadas pela Casa de Memória com a metodologia de História Oral.

A exposição faz parte do mês de comemoração da Casa Beth Lobo, que conta com a campanha “Diadema em defesa da mulher”. Confira a programação completa aqui: http://bit.ly/2JsZ9WS.

CASA BETH LOBO
A Casa Beth Lobo oferece serviço especializado no atendimento de mulheres vítimas de violência. As mulheres recebem atendimento técnico por meio de equipe psicossocial e jurídica, além de participar do grupo de teatro que tem por finalidade divulgar, em seus espetáculos, a importância das mulheres lutarem por seus direitos.

Após a reinauguração do espaço, em 2016, a Casa Beth Lobo teve um crescimento significativo de atendimento. O novo espaço proporciona um local aconchegante para os atendimentos dessas mulheres. Sendo um lugar de fácil acesso, houve o aumento do número de atendimentos.

No último ano, 1,6 milhões de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento no Brasil, enquanto 22 milhões (37,1%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio. Entre os casos de violência, 42% são domésticos. Após sofrer uma violência, mais da metade das mulheres (52%) não denunciou o agressor ou procurou ajuda.

Os dados são de um levantamento do Datafolha feito em fevereiro a pedido da ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) para avaliar o impacto da violência contra as mulheres no Brasil.

Em 2018, a Casa Beth Lobo atendeu 1.380 mulheres. Esta ano, até o momento, foram 403 atendimentos.

Comente aqui