Data: 05/12/2017 11:02 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Doutor Multas

5 itens para revisar na manutenção preventiva

Como o próprio nome sugere, esse tipo de manutenção busca fazer certas intervenções em equipamentos antes que problemas em seu funcionamento comecem a surgir.


Crédito: Divulgação

A manutenção preventiva só traz benefícios, pois a medida impede ou reduz a chance de falhas nas peças, evitando situações adversas e mantendo seu desempenho normal.

É evidente que possuir um veículo envolve aspectos que vão muito além de apenas abastecê-lo e mantê-lo limpo. Pelo contrário, sua conservação é ainda mais importante.

Caso você não tenha o hábito de, regularmente, fazer revisões no seu veículo, comece a cogitar inserir a tarefa na sua lista de afazeres. E, claro, não é à toa que existe uma data limite para realizar a revisão. É importante, também, respeitar os prazos especificados pelo fabricante.

Confira, a seguir, alguns itens que deverão ser avaliados em uma manutenção preventiva.

Velas de ignição
É bom ficar atento às velas porque nem sempre seu funcionamento inadequado é perceptível. Considerando a função de queima do combustível que elas apresentam, o desgaste na peça pode aumentar o consumo de combustível ou afetar outros componentes, como a bomba, catalisador ou cabo, por exemplo. Além disso, ocorrerá aumento na emissão de poluentes, fator prejudicial ao meio ambiente.

Nesse caso, a manutenção previne adversidades no motor, as quais aparecerão quando a situação estiver agravada, o que significa que o problema existe já há algum tempo.

O ideal é revisá-las a cada 10 mil km, uma vez por ano ou caso você sinta dificuldade para dar partida. Os cabos de ignição também necessitam de inspeção a cada 60 mil km, geralmente.

Lubrificação
Verificar o nível de óleo do motor é bem simples e pode ser feito pelo próprio motorista. Basta encontrar a vareta e ver em que nível está a marca de óleo. O ideal é que esteja entre as marcas de mínimo e máximo, pois, abaixo, o óleo pode não ser suficiente e, acima, a pressão aumenta, podendo haver vazamento.

Para completar o nível, procure adicionar o mesmo óleo utilizado anteriormente, pois as diferenças entre os componentes podem desequilibrar o motor.

A respeito da coloração escura, há divergências sobre a necessidade de troca. Alguns especialistas sugerem a troca, enquanto outros afirmam que a cor do óleo nada tem a ver com a sua qualidade. Por isso, consulte um mecânico e peça orientação.

Bateria
Carros equipados com muitos eletrônicos demandam mais atenção à bateria do que normalmente, porque sons, DVDs e minitelevisores tendem a consumir muito mais energia.

Deixar esses componentes elétricos ligados quando o motor estiver desligado também pode ser responsável pela falta de bateria.

Como sem bateria nenhum carro é capaz de dar partida, a revisão impede o motorista de ficar na mão. Por isso, é imprescindível que a bateria passe por alguns testes, os quais poderão detectar eventuais problemas.

Em média, a duração da bateria é de 2 anos, e trocá-la periodicamente diminui os riscos de ocorrer curto circuito interno. Mas, para isso, é importante consultar um especialista para que a bateria escolhida seja adequada à potência do seu veículo.

Pneus e rodas
Atente-se para as rupturas e desgastes nos pneus, pois seu mau estado de conservação compromete a segurança e aumenta o consumo de combustível. Esses problemas podem aparecer por conta da pressão inadequada.

A medida de pressão adequada, normalmente, vem indicada no manual do fabricante ou na porta do motorista.

A duração do pneu tem relação direta, também, com a calibragem e o alinhamento. Alinhar o veículo evita que a direção acabe puxando mais para um lado do que para outro. O balanceamento das rodas, por sua vez, diminui o desgaste desigual e garante que não haja súbito deslocamento do veículo, o que poderia causar acidentes.

Suspensão
A suspensão é a parte que mantém a sustentação e estabilidade do carro. Seu sistema, composto por amortecedores, é responsável por garantir mais conforto e segurança aos ocupantes do veículo.

A troca da suspensão ficará por conta do tempo e condições de uso do carro. Os cuidados tomados pelo proprietário podem reduzir esse tempo, tendo em conta que os desgastes serão menores.

Caso o veículo tenha sofrido os impactos de um acidente, não trafegue, com frequência, por vias muito esburacadas ou com muita carga, pois pode ser que os amortecedores não estejam funcionando da forma como deveriam.

O próprio motorista pode testar a capacidade da suspensão, empurrando as pontas do veículo para baixo com bastante força. Se o veículo demorar muito para voltar à posição, pode ser um sinal de que os amortecedores estão comprometidos.

Atenção
O tempo entre uma revisão e outra tende a variar dependendo do modelo do carro. Por isso, sempre consulte o manual do fabricante ou solicite orientação especializada para saber quando o carro deverá passar por uma nova inspeção.

Algumas revisões são facilmente realizáveis em casa, mas a maioria exige a inspeção apurada de um profissional.

O que você pode fazer é estar sempre atento ao funcionamento diário do carro e informar suas observações ao mecânico. Dessa forma, será ainda mais fácil intervir antes do surgimento dos problemas que, mais cedo ou mais tarde, aparecerão.

Você tem o hábito de revisar o seu carro?

Crédito: Divulgação

Comente aqui