Data: 10/01/2019 11:43 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Ex-ministro da Educação diz não saber o que aconteceu em edital de livros

O ex-ministro da Educação na gestão de Michel Temer, Rossieli Soares, voltou a negar responsabilidade por mudanças nos critérios de avaliação dos livros didáticos


Ex-ministro de Educação (governo Temer)e atual secretário de educação do governo Doria diz não saber o que aconteceu com edital de livros didáticos
Ex-ministro de Educação (governo Temer)e atual secretário de educação do governo Doria diz não saber o que aconteceu com edital de livros didáticos

Crédito: Reprodução

Conforme o jornal O Estado de S.Paulo revelou, o texto publicado no Diário Oficial da União (DOU) no dia 2 de janeiro retirava a exigência de que as obras tivessem referências bibliográficas, deixava de proibir publicidade e o controle de erros passava a ser menos rígido.

Em entrevista à Rádio Eldorado, o ex-ministro e agora secretário da Educação em São Paulo, disse que não sabe o que aconteceu e que espera não ter havido boicote de servidores ao governo de Jair Bolsonaro. "Nós não fizemos nenhuma alteração, não entendemos o que aconteceu, não posso me responsabilizar sobre publicações no Diário Oficial do dia 2 de janeiro, quando já não era mais ministro", afirmou.

Rossieli Soares voltou a falar que a única mudança no edital feita pela gestão anterior envolvia o esclarecimento de regras sobre arquivos audiovisuais que acompanham os livros didáticos. No edital publicado, metade de um item que se referia a violência contra mulheres foi cortado em relação à versão anterior. O ex-ministro declarou que não haveria motivo para este tema ter sido suprimido.

Para Soares, é difícil apontar se a publicação foi feita de forma equivocada ou se houve boicote. "Não sei se houve alguma coisa intencional de algum colaborador, não posso responder por isso", afirmou. "Eu espero que não seja (boicote), porque eu torço para que o novo ministro dê certo, pelo bem do Brasil."

Veja os pontos que foram alterados

Referências bibliográficas
O edital deixou de exigir das editoras referências bibliográficas que apoiem a estrutura editorial dos livros

Violência contra as mulheres
Nova versão suprimiu trechos relativos ao compromisso educacional com a agenda da não violência contra as mulheres

Quilombolas
Também foi removida orientação para promoção das culturas quilombolas e dos povos do campo

Diversidade
Orientação para que ilustrações presentes no material didático retratassem “a diversidade étnica da população brasileira, a pluralidade social e cultural do país” foi removida

Propaganda
Veto à propaganda nos livros didáticos foi removido. Não fica claro se a publicidade tradicional seria autorizada ou apenas o uso de textos publicitários em atividades educacionais. A publicidade em material didático é vetada por resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente

Erros
Trecho que exigia livros sem erros de revisão ou impressão foi retirado

Comente aqui