Data: 09/04/2019 12:14 / Autor: Redação ABCdoABC / Fonte: Estadão Conteúdo

Crivella culpou a falta de repasse de recursos federais para investir em manutenção e remo

Crivella culpou a falta de repasse de recursos federais para investir em manutenção e remoção de pessoas em áreas de risco como principal causa da tragédia na cidade após fortes chuvas


O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella

Crédito: Tânia Rego/Agência Brasil

Até o momento, três pessoas morreram em decorrência da tempestade que alagou as ruas da cidade a partir do início da noite desta segunda-feira, 8, que se somam às dez mortes ocorridas durante as enchentes de fevereiro. As chuvas continuam nesta terça-feira.

Segundo o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, apesar de ter ido a Brasília "várias vezes", até hoje, passados três meses do governo Bolsonaro - cuja base eleitoral é no Rio de Janeiro, assim como de dois dos seus três filhos -, ainda não foi assinado o repasse de verba para cuidar da rede pluvial, despoluir rios e remover pessoas que vivem em áreas de risco.

Sem citar valores, Crivella reclamou que desde que Bolsonaro assumiu o governo, até mesmo os contratos que já estavam assinados na época do governo Michel Temer estão parados. "Nossas parcerias com o governo federal, nesse primeiro ano Bolsonaro, praticamente pararam", disse em coletiva nesta manhã no Centro de Operações Rio (COR).

Procurados, tanto a Prefeitura como o Ministério do Desenvolvimento Regional não souberam informar imediatamente qual seria o valor dos repasses nem o motivo para a falta dos mesmos.

Comente aqui